Busca por redução de gastos na pandemia faz geração solar distribuída triplicar no País

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Julho 2020

De acordo com Bárbara Rubim, CEO da consultoria Bright Strategies, Brasil atingiu em julho a marca histórica de 3 gigawatts fotovoltaicos nos telhados e pequenos terrenos, ante ao 1º gigawatt verificado em agosto do ano anterior.

A reportagem é de Thiago Nassa, publicada por EcoDebate, 09-07-2020.

A busca por redução de gastos e por mais competitividade no setor produtivo tem impulsionado de forma significativa a adesão dos consumidores à energia solar na geração distribuída em telhados e pequenos terrenos. Nos últimos 12 meses, o uso da tecnologia fotovoltaica no modelo de geração própria de eletricidade praticamente triplicou no País, saltando de 1 gigawatt (GW) em agosto de 2019 para 3 gigawatts em julho deste ano, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

A avaliação é da especialista Bárbara Rubim, CEO da consultoria Bright Strategies. Segundo ela, o crescimento exponencial da energia solar na geração distribuída ganhou um novo aspecto neste momento de pandemia e queda da atividade econômica, que é o de atuar como redutor de gastos fixos de comércios e outros estabelecimentos. “Outro fator importante para este crescimento é a perspectiva de aumento das tarifas de energia elétrica no Brasil, que pressionam os consumidores, impactando o orçamento das famílias e os custos das empresas em geral”, explica.

De acordo com a consultora, produzir a própria energia em casa ou em um estabelecimento empresarial é atualmente mais barato do que comprar da distribuidora local. “Outro ponto de destaque é a maior previsibilidade que o consumidor adquire quando decide migrar para a geração distribuída, pois passa a ficar blindado dos impactos das políticas tarifárias”, acrescenta Bárbara.

Atualmente, a solar está presente em cerca de 255 mil sistemas instalados em residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos, que representam mais de R$ 15,2 bilhões em investimentos acumulados desde 2012 e cerca de 165 mil empregos gerados.

Da capacidade instalada total, os comércios e serviços representam 40% das instalações no Brasil, seguidos pelos consumidores residenciais (39%), propriedades rurais (11%), indústrias (8%) e poder público em geral (2%).

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Busca por redução de gastos na pandemia faz geração solar distribuída triplicar no País - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV