Energia solar é investimento de mais de 25 anos em economia na conta de luz

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Julho 2019

Entre todas as despesas mensais de uma casa ou empresa no Brasil, sem dúvida alguma a conta de luz é a que ficou mais cara para o orçamento dos brasileiros nos últimos anos.

A reportagem é de Ruy Fontes, publicada por EcoDebate, 03-07-2019.

Segundo a pesquisa realizada pelo Instituto Ilumina, entre 1995 a 2017, a inflação energética residencial acumulada no país foi de 499%. Já a comercial subiu impressionantes 823%.

Ambas ficaram muito acima da inflação oficial do país, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulado no mesmo período, que foi de 299%.

Mas, foi no final de 2012 e em meio a essa crise do setor elétrico que uma solução tecnológica com mais de 25 anos de vida útil começou a se espalhar pelo Brasil: os sistemas fotovoltaicos conectados à rede.

Compostos pelas placas solares e demais equipamentos do kit de energia solar, esses sistemas transformam a luz do sol em energia elétrica e podem suprir todo o consumo de uma casa ou empresa, garantindo uma economia de até 95% na conta de luz.

Para isso, os sistemas operam em conjunto com a rede da distribuidora e utilizam as regras do segmento de geração distribuída criado naquele ano pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) através de sua Resolução Normativa 482, que criou o sistema de créditos energéticos.

Neste, toda energia gerada em excesso pelo sistema é injetada na rede elétrica e emprestada à distribuidora, que a devolve ao consumidor na forma de créditos usados por ele para abater do que consumiu da rede nos períodos em que seu sistema não está gerando, ou seja, à noite.

Desde então, o número de conexões não parou de crescer no país, impulsionado pela queda dos custos da tecnologia e a oferta de linhas de financiamento de energia solar, sendo hoje mais de 86 mil estabelecimentos no Brasil com geração solar própria.

Assim como o sol em quase todo o território nacional, a expansão da energia solar continua forte em todo o país e, segundo as estimativas oficial da ANEEL, deverá se tornar a energia de mais de 886 mil consumidores até o final de 2024.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Energia solar é investimento de mais de 25 anos em economia na conta de luz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV