Ilhas solares flutuantes podem mitigar emissões globais de CO2

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: "Ele nos ensinou o caminho do discernimento". Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2019

Enquanto a maioria dos países investem na geração de energia solar para evitar novas emissões de gases de efeito estufa, um projeto apresentado por cientistas europeus busca uma nova abordagem no uso das placas solares.

A reportagem é de Ruy Fontes, publicada por EcoDebate, 21-06-2019.

Apresentado na edição de junho da revista científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences jornal, o projeto desenvolvido por cientistas Suecos e Noruegueses visa a instalação de milhões de ilhas artificiais movidas a energia solar para a captação do CO2 presente na água do mar.

Com 100 metros de diâmetro, cada uma delas seria coberta por painéis fotovoltaicos para a geração de energia, que alimentaria navios laboratórios responsáveis pela captação do CO2 e hidrogênio da água do mar, e sua conversão em Metanol, combustível usado no setor de transportes.

Para isso, os cientistas propõem o uso de equipamentos de dessalinização e eletrólise da água marinha para obtenção do hidrogênio, além de protótipos apresentados para a captura do CO2 e sua hidrogenação em Metanol.

Com uma produção estimada de 15.300 toneladas do combustível por ano, os cientistas calculam que 3.2 milhões dessas ilhas seriam suficientes para compensar todas as emissões globais provenientes dos combustíveis fósseis.

Muitos desafios ainda persistem, entretanto, como as condições climáticas locais, sendo as linhas costeiras ao longo do equador (Indonésia, norte da Austrália e o Brasil) os locais mais indicados no estudo, com muita radiação solar e pequenas ondas.

Os custos também seriam outro desafio, razão pela qual escolheu-se a geração fotovoltaica como fonte elétrica, que a cada ano fica mais acessível com a queda do preço da energia solar.

Segundo os cientistas, a importância desse projeto se deve ao fato de que as fontes renováveis, embora de vital importância para a redução das emissões de CO2, ainda não conseguem poupar por completo o uso dos combustíveis fósseis.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ilhas solares flutuantes podem mitigar emissões globais de CO2 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV