Níveis de gases do efeito estufa na atmosfera atingem novo recorde

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • Anule-se tudo que aconteceu a partir da criação da Lava Jato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Novembro 2018

Níveis de gases do efeito estufa na atmosfera atingiram mais um novo recorde, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM). Não há sinais de reversão nesta tendência, que está levando a mudanças climáticas de longo prazo, aumento do nível do mar, acidificação dos oceanos e condições climáticas mais extremas.

A reportagem foi publicada por World Meteorological Organization (WMO) e reproduzido por EcoDebate, 23-11-2018. 

Foto: EcoDebate

O Boletim da WMO sobre Gases de Efeito Estufa mostrou que as concentrações globais médias de dióxido de carbono (CO 2 ) atingiram 405,5 partes por milhão (ppm) em 2017, acima dos 403,3 ppm em 2016 e 400,1 ppm em 2015. Concentrações de metano e óxido nitroso também aumentaram, enquanto houve um ressurgimento de um potente gás de efeito estufa e uma substância destruidora de ozônio chamada CFC-11, que é regulamentada por um acordo internacional para proteger a camada de ozônio.

Desde 1990, houve um aumento de 41% no forçamento total de radiação – o efeito de aquecimento no clima – por gases de efeito estufa de longa duração. O CO 2 é responsável por cerca de 82% do aumento do forçamento radiativo na última década, de acordo com dados da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, citado no Boletim da OMM.

“A ciência é clara. Sem cortes rápidos no CO 2 e outros gases do efeito estufa, as mudanças climáticas terão impactos cada vez mais destrutivos e irreversíveis sobre a vida na Terra. A janela de oportunidade para a ação está quase fechada ”, disse o Secretário Geral da OMM, Petteri Taalas.

“A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO 2 foi de 3 a 5 milhões de anos atrás, quando a temperatura estava entre 2 e 3 ° C mais quente e o nível do mar era de 10 a 20 metros mais alto do que agora”, disse Taalas.

O Boletim de Gases de Efeito Estufa da WMO informa sobre as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa. As emissões representam o que entra na atmosfera. As concentrações representam o que resta na atmosfera após o complexo sistema de interações entre a atmosfera, a biosfera, a litosfera, a criosfera e os oceanos. Cerca de um quarto do total de emissões é absorvido pelos oceanos e outro quarto pela biosfera.

Um Relatório de Lacunas de Emissões da UN Environment (UNEP), a ser divulgado em 27 de novembro, rastreia os compromissos de políticas assumidos pelos países para reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

Os relatórios da OMM e do PNUMA são apresentados em cima das evidências científicas fornecidas pelo Relatório Especial sobre Aquecimento Global do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de 1.5 ° C. Dito isto, as emissões líquidas de CO 2 devem chegar a zero (a quantidade de CO 2 que entra na atmosfera deve ser igual à quantidade removida por sumidouros, naturais e tecnológicos) por volta de 2050 para manter os aumentos de temperatura abaixo de 1,5 ° C. Mostrou como manter a temperatura abaixo de 2 ° C reduziria os riscos para o bem-estar humano, os ecossistemas e o desenvolvimento sustentável.

“O CO 2 permanece na atmosfera por centenas de anos e nos oceanos por mais tempo. Atualmente, não há varinha mágica para remover todo o excesso de CO 2 da atmosfera ”, disse a vice-secretária-geral da OMM, Elena Manaenkova.

“Cada fração de um grau de aquecimento global é importante, assim como toda parte por milhão de gases de efeito estufa”, disse ela.

Juntos, os relatórios fornecem uma base científica para a tomada de decisões nas negociações sobre mudanças climáticas da ONU, que serão realizadas de 2 a 14 de dezembro em Katowice, na Polônia. O objetivo principal da reunião é adotar as diretrizes de implementação do Acordo de Mudança Climática de Paris, que visa manter o aumento da temperatura média global o mais próximo possível de 1,5 ° C.

“O novo Relatório Especial sobre Aquecimento Global do IPCC, de 1,5 ° C, mostra que reduções rápidas e profundas das emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa serão necessárias em todos os setores da sociedade e da economia. O Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM, mostrando uma tendência crescente contínua nas concentrações de gases do efeito estufa, destaca quão urgentes são essas reduções de emissões ”, disse o Presidente do IPCC, Hoesung Lee.

(Foto: EcoDebate)

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Níveis de gases do efeito estufa na atmosfera atingem novo recorde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV