Vários gases de efeito estufa são emitidos à medida que plásticos comuns se degradam no meio ambiente

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Agosto 2018

A produção em massa de plásticos começou há quase 70 anos e a taxa de produção deve dobrar nas próximas duas décadas. Ao servir muitas aplicações devido à sua durabilidade, estabilidade e baixo custo, os plásticos têm um impacto negativo no meio ambiente. O plástico é conhecido por liberar uma variedade de produtos químicos durante a degradação, alguns dos quais afetam negativamente organismos e ecossistemas.

A informação é publicada por Manoa School of Ocean and Earth Science and Technology (SOEST), e reproduzido por EcoDebate, 02-08-2018. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

O que acontece quando o plástico se degrada?

O estudo, publicado no PLOS One, relata a descoberta inesperada da produção universal de gases de efeito estufa metano e etileno pelos plásticos mais comuns quando expostos à luz solar. A equipe da SOEST testou policarbonato, acrílico, polipropileno, polietileno tereftalato, poliestireno, polietileno de alta densidade e polietileno de baixa densidade (PEBD) – materiais usados para fazer armazenamento de alimentos, têxteis, materiais de construção e vários produtos de plástico. O polietileno, usado em sacolas de compras, é o polímero sintético mais produzido e descartado em todo o mundo e foi considerado o mais prolífico emissor de ambos os gases.

A equipe descobriu que a taxa de emissão dos gases das pelotas virgens de LDPE aumentou durante um experimento de 212 dias, e que os detritos de LDPE encontrados no oceano também emitiram gases de efeito estufa quando expostos à luz solar. Uma vez exposta à radiação solar, a emissão desses gases continuou no escuro.

“Atribuímos o aumento da emissão de gases de efeito estufa com o tempo das pelotas virgens à foto-degradação do plástico, bem como a formação de uma camada superficial marcada com fraturas, micro-rachaduras e buracos”, disse a autora Sarah-Jeanne Royer, pós-doutoranda no Centro de Oceanografia Microbiana: Pesquisa e Educação (C-MORE) durante o estudo. “Com o tempo, esses defeitos aumentam a área de superfície disponível para posterior degradação fotoquímica e, portanto, contribuem para uma aceleração da taxa de produção de gás.”

Sabe-se também que partículas menores, denominadas “microplásticos”, são eventualmente produzidas no ambiente e podem acelerar ainda mais a produção de gás.

Conexão com a mudança climática global

“O plástico representa uma fonte de gases traço relevantes ao clima que deve aumentar à medida que mais plástico é produzido e acumulado no ambiente”, disse David Karl, autor sênior do estudo, professor da SOEST e diretor da C-MORE. “Esta fonte ainda não está orçada para a avaliação dos ciclos globais de metano e etileno, e pode ser significativa.”

Os gases de efeito estufa influenciam diretamente a mudança climática – afetando o nível do mar, as temperaturas globais, a saúde do ecossistema na terra e no oceano e as tempestades, que aumentam as inundações, a seca e a erosão.

“Considerando as quantidades de plástico lavando em terra em nossos litorais e a quantidade de plástico exposto às condições ambientais, nossa descoberta fornece mais evidências de que precisamos parar a produção de plástico na fonte, especialmente o plástico de uso único”, disse Royer.

Royer está agora trabalhando para desenvolver estimativas da quantidade de plástico exposto ao meio ambiente em regiões oceânicas e terrestres, globalmente, a fim de restringir as emissões globais de gases de efeito estufa dos plásticos.

Vários gases de efeito estufa são emitidos à medida que plásticos comuns se degradam no meio ambiente, de acordo com pesquisadores da Universidade do Havaí, na Manoa School of Ocean and Earth Science and Technology (SOEST). A produção em massa de plásticos começou há quase 70 anos e a taxa de produção deve dobrar nas próximas duas décadas. Ao servir muitas aplicações devido à sua durabilidade, estabilidade e baixo custo, os plásticos têm um impacto negativo no meio ambiente. O plástico é conhecido por liberar uma variedade de produtos químicos durante a degradação, alguns dos quais afetam negativamente organismos e ecossistemas

Referência:

Royer S-J, Ferrón S, Wilson ST, Karl DM (2018) Production of methane and ethylene from plastic in the environment. PLoS ONE 13(8): e0200574.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vários gases de efeito estufa são emitidos à medida que plásticos comuns se degradam no meio ambiente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV