Derretimento do permafrost aumenta emissão de gases de efeito estufa, acelerando o aquecimento global

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • O melhor professor do mundo é Peter, franciscano do Quênia

    LER MAIS
  • Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964; generais pedem prudência

    LER MAIS
  • Líder de movimento social é assassinada no Pará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Julho 2018

Um estudo internacional, liderado pela Universidade de Queensland, poderia levar a previsões mais precisas da taxa de aquecimento global, resultante das emissões de gases de efeito estufa produzidas pelo derretimento do permafrost [1] nos próximos 100 anos.

A reportagem foi publicada por University of Queensland e reproduzido por EcoDebate, 18-07-2018. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

O estudo dos microrganismos envolvidos na degradação do carbono do permafrost liga as comunidades microbianas e a biogeoquímica ao aumento das emissões de gases de efeito estufa.

Ele foi liderado pelo Centro Australiano de Pesquisadores de Ecogenômica na Escola de Química e Biociências Moleculares da UQ, Ben Woodcroft , na estudante de doutorado Caitlin Singleton, no professor Gene Tyson e em colegas internacionais.

“À medida que as temperaturas globais sobem, grandes quantidades de carbono sequestrado em permafrost congelados perenemente estão se tornando disponíveis para a degradação microbiana”, disse Woodcroft.

“Até agora, a previsão precisa das emissões de gases de efeito estufa produzidas pelo derretimento do permafrost foi limitada por nossa compreensão das comunidades microbianas do permafrost e seu metabolismo de carbono.”

Utilizando técnicas de sequenciamento pioneiras do Professor Tyson, foram examinadas mais de 200 amostras de locais intactos, descongelados e descongelados no norte da Suécia.

Sequências de DNA de mais de 1500 genomas microbianos, todos novos para a ciência e envolvidos em redes bioquímicas complexas, foram recuperados.

A pesquisa, que incluiu novos softwares metagenômicos executados em supercomputadores da UQ, também envolveu várias dessas novas linhagens na produção de gases de efeito estufa.

Singleton disse que o permafrost armazena cerca de 50% do total mundial de carbono no solo (ou 1580 bilhões de toneladas).

“O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas estimou que entre 30 e 99 por cento do permafrost próximo à superfície pode desaparecer até 2100”, disse ela.

“As zonas úmidas do permafrost do norte contribuem com uma parcela significativa das emissões globais de metano, particularmente porque o permafrost em colapso pode criar as condições anaeróbicas perfeitas para que os microrganismos produtores de metano (metanogênicos) e seus parceiros metabólicos prosperem.

“Isso é importante porque o metano é um potente gás de efeito estufa – 25 vezes mais eficiente em capturar a radiação solar em nossa atmosfera do que o dióxido de carbono”.

Ela disse que, à medida que o permafrost descongela, as emissões de metano aumentam, causando um ciclo de feedback positivo, em que o aumento do aquecimento atmosférico causou mais degelo.

O estudo foi publicado na Nature (DOI: 10.1038 / s41586-018-0338-1 ), em co-autoria de pesquisadores da Ohio State University, do Rochester Institute of Technology, da Florida State University, do Pacific Northwest National Laboratory, da University of New Hampshire, Universidade de Estocolmo e a Universidade do Arizona.

Referência:

Genome-centric view of carbon processing in thawing permafrost

Ben J. Woodcroft, Caitlin M. Singleton, Joel A. Boyd, Paul N. Evans, Joanne B. Emerson, Ahmed A. F. Zayed, Robert D. Hoelzle, Timothy O. Lamberton, Carmody K. McCalley, Suzanne B. Hodgkins, Rachel M. Wilson, Samuel O. Purvine, Carrie D. Nicora, Changsheng Li, Steve Frolking, Jeffrey P. Chanton, Patrick M. Crill, Scott R. Saleska, Virginia I. Rich, Gene W. Tyson
Nature, 2018.

Nota:

[1] Permafrost (em português pergelissolo): tipo de solo que ocorre nas regiões polares. Recebe essa denominação o solo que permanece congelado (temperatura abaixo de 0°C) por, pelo menos, dois anos consecutivos. Sedimentos, rochas, detritos permeados por gelo, constituem o solo permafrost. (Nota da IHU On-Line)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Derretimento do permafrost aumenta emissão de gases de efeito estufa, acelerando o aquecimento global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV