‘Uma década perdida’: o tempo restante para a ação climática encolheu dois terços em 10 anos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Março 2020

“Uma década perdida.” É assim que a década passada é chamada por causa da ação política insuficiente sobre as mudanças climáticas.

A reportagem é publicada por Wageningen University & Research e reproduzida por EcoDebate, 09-03-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Isso significa que as nações devem agora fazer quatro vezes o trabalho – ou fazer o mesmo trabalho em um terço do tempo – para cumprir o pacto climático que fizeram em Paris.

Estas conclusões de Niklas Höhne (NewClimate Institute em Colônia e Wageningen University & Research) e colegas internacionais em um “Comentário” na natureza são baseadas na síntese de todas as dez edições do Emissions Gap Report produzido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

A cada ano, nos últimos dez anos, o Relatório de Gaps de Emissões examina a diferença (o “hiato”) entre o que os países se comprometeram a fazer individualmente para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e o que precisam fazer coletivamente para cumprir as metas de temperatura acordadas.

Reduzir para metade as emissões globais em 10 anos para 1,5 ° C

Höhne e co-autores descobrem que os cortes de emissões exigidos de 2020 a 2030 são agora mais de 7% ao ano, em média, para o limite de temperatura de 1,5 ° C estabelecido em Paris e 3% para 2 ° C. Se uma ação climática séria tivesse começado em 2010, os cortes necessários para atingir os níveis de emissão de 2 ° C teriam sido de 2% ao ano, em média. A janela de tempo para reduzir pela metade as emissões globais também diminuiu: hoje são 10 anos para 1,5 ° C e 25 anos para 2 ° C; seriam 30 anos em 2010. “A diferença é tão grande que governos, setor privado e comunidades precisam mudar para o modo de crise, tornar suas promessas climáticas mais ambiciosas e se concentrar em ações agressivas e precoces”, escrevem os autores.

Poucas histórias de sucesso em 76 países ou regiões

Alguns países, regiões, cidades e empresas prometeram ou implementaram ações climáticas urgentemente necessárias. Por exemplo, 76 países ou regiões e 14 regiões ou estados subnacionais estabeleceram ou mesmo implementaram metas de emissões líquidas de zero. Fechar a lacuna exigirá ampliar essas poucas histórias de sucesso e espelhá-las com o progresso em todos os setores, concluem os autores.

Referência:

Emissions: world has four times the work or one-third of the time
New synthesis shows what a wasted decade means for the climate pact made in Paris. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Uma década perdida’: o tempo restante para a ação climática encolheu dois terços em 10 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV