Mudanças climáticas aumentam o risco de incêndios florestais, confirma nova revisão de 57 artigos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Encontrar um sentido para suportar as adversidades. A sabedoria de Viktor Frankl

    LER MAIS
  • O dia em que Bolsonaro latiu mas não mordeu

    LER MAIS
  • “Bolsonaro se acha capaz de esconder os corpos”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Janeiro 2020

As mudanças climáticas induzidas pelo homem promovem as condições das quais os incêndios florestais dependem, aumentando sua probabilidade – de acordo com uma revisão de pesquisa sobre mudança climática global e risco de incêndios publicada ontem.

A reportagem foi publicada por University of Exeter e reproduzida por EcoDebate, 14-01-2020. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

À luz dos incêndios na Austrália, cientistas da Universidade de East Anglia (UEA), do Met Office Hadley Center, da Universidade de Exeter e do Imperial College de Londres, realizaram uma revisão de 57 artigos revisados por pares, publicados desde o Quinto Relatório de Avaliação do IPCC, em 2013.

Todos os estudos mostram ligações entre mudanças climáticas e aumento da frequência ou severidade do clima de incêndio – períodos com alto risco de incêndio devido a uma combinação de altas temperaturas, baixa umidade, baixa precipitação e ventos fortes – embora alguns observem anomalias em algumas regiões.

O aumento da temperatura global, as ondas de calor mais frequentes e as secas associadas em algumas regiões aumentam a probabilidade de incêndios florestais, estimulando condições quentes e secas, promovendo o clima de fogo, que pode ser usado como uma medida geral do impacto das mudanças climáticas no risco de ocorrência de incêndios.

Dados observacionais mostram que as estações meteorológicas do fogo se estenderam por aproximadamente 25% da superfície vegetada da Terra, resultando em um aumento de cerca de 20% na duração média global da estação meteorológica do fogo.

A revisão da literatura foi realizada usando a nova plataforma online ScienceBrief.org, criada pela UEA e pelo Tyndall Center for Climate Change Research. O ScienceBrief é escrito por cientistas e tem como objetivo compartilhar idéias científicas com o mundo e acompanhar a ciência, dando sentido às publicações revisadas por pares de maneira rápida e transparente.

O Dr. Matthew Jones, pesquisador associado sênior do Tyndall Center da UEA e principal autor da revisão, disse: “No geral, os 57 artigos analisados mostram claramente que o aquecimento induzido por humanos já levou a um aumento global na frequência e severidade do clima, aumentando os riscos de incêndio.

“Isso foi observado em muitas regiões, incluindo o oeste dos EUA e Canadá, sul da Europa, Escandinávia e Amazônia. O aquecimento induzido por humanos também está aumentando os riscos de incêndio em outras regiões, incluindo Sibéria e Austrália.

“No entanto, há também evidências de que os seres humanos têm um potencial significativo para controlar como esse risco de incêndio se traduz em atividade de incêndio, em particular por meio de decisões de gestão da terra e fontes de ignição”.

Em escala global, a área queimada diminuiu nas últimas décadas, principalmente devido à limpeza de savanas para a agricultura e ao aumento da supressão de incêndios. Em contraste, a área queimada aumentou em florestas de copa fechada, provavelmente em resposta às pressões duplas das mudanças climáticas e da degradação das florestas.

O co-autor do professor Richard Betts, chefe de pesquisa de impactos climáticos do Met Office Hadley Center e da Universidade de Exeter, disse: “O clima de fogo ocorre naturalmente, mas está se tornando mais severo e generalizado devido às mudanças climáticas. Limitando o aquecimento global a um nível bem abaixo de 2°C ajudaria a evitar novos aumentos no risco de clima extremo de incêndio. ”

O professor Iain Colin Prentice, presidente da Biosfera e Impactos Climáticos e diretor do Centro Leverhulme de Incêndios, Meio Ambiente e Sociedade, Imperial College London, acrescentou: “Incêndios não podem ser evitados, e os riscos estão aumentando por causa das mudanças climáticas. É urgente considerar formas de reduzir os riscos para as pessoas. O planejamento da terra deve levar em conta o risco crescente do clima de incêndio “.

A revisão de resposta rápida foi publicada no ScienceBrief. Os artigos usados na revisão podem ser vistos em https://sciencebrief.org/topics/climate-change-science/wildfires

Esta é a primeira revisão a usar o recurso ScienceBrief, com mais trabalho planejado em áreas relacionadas à ciência da mudança climática e seus impactos durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança ClimáticaCOP26 – em novembro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas aumentam o risco de incêndios florestais, confirma nova revisão de 57 artigos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV