Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Novembro 2019

O Papa Francisco deu dois passos no sentido da promoção da inclusão LGBTQ na Igreja na semana passada: ele condenou a perseguição de lésbicas e gays e se encontrou com uma ativista lésbica que trabalha para acabar com a “terapia de conversão” [a chamada “cura gay”].

O comentário é de Robert Shine, publicado por New Ways Ministry, 16-11-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Dirigindo-se à Associação Internacional de Direito Penal, o papa falou de ameaças ao bem comum que incluem o ressurgimento de “emblemas e ações típicas do nazismo”:

“Eu confesso a vocês”, disse o papa, desviando-se de seus comentários preparados, “que, quando eu ouço alguns discursos, alguns responsáveis pela ordem ou do governo, vêm à minha mente os discursos de Hitler em 1934 e 1936.”

“São ações típicas do nazismo que, com as suas perseguições contra os judeus, os ciganos, as pessoas de orientação homossexual, representam o modelo negativo por excelência da cultura do descarte e do ódio”, disse o papa. “Fazia-se assim naquele tempo, e hoje essas coisas estão renascendo.”

Francisco acrescentou: “É preciso vigiar, tanto no âmbito civil quanto no eclesial, para evitar todo possível compromisso – que se pressupõe involuntário – com essas degenerações”.

O New Ways Ministry acolheu a declaração do papa, dizendo que as palavras papais “salvam vidas, protegem as pessoas de danos, ajudam a manter as famílias unidas e trabalham para erradicar atitudes de ódio” e, esperançosamente, significam uma nova direção para as lideranças da Igreja que condenam a violência e a perseguição anti-LGBTQ.

Também na semana passada, Jayne Ozanne, uma lésbica anglicana e ativista contra a terapia de conversão, se encontrou com o Papa Francisco na quinta-feira. Ela celebrou a missa com o papa em sua capela privada e depois conversou com ele. A The Tablet relatou que Ozanne apresentou a Francisco dois itens: uma cópia de “Just Love”, suas memórias, e o relatório de uma pesquisa de 2018 sobre fé e sexualidade:

“Em Just Love’, Ozanne descreve sua própria experiência como cristã gay, incluindo o impacto que aterapia de conversão provocou nela. Ela foi hospitalizada e ostracizada por muitos cristãos conservadores depois de se recuperar e de se revelar como gay.

Ozanne disse ao papa que ela era uma anglicana gay e cresceu em uma Igreja que lhe dizia que ‘ela nunca poderá ser esposa, mãe ou avó’. Contou ainda que tentou se torna hétero através da terapia de conversão, e que os tratamentos como a terapia de conversão têm um enorme impacto sobre os jovens, levando muitos a pensar no suicídio. Ela disse ao papa que a oração dela é ‘para que todos saibam que são filhos preciosos de Deus, do jeito que são’.

“Questionada por um tradutor se ele sabia o que era a terapia de conversão, o Papa Francisco disse que sim.

O Papa Francisco então disse para Ozanne: ‘Por favor, reze por mim, e eu rezo por você’.”

Ozanne disse que “o calor da sua acolhida e a sua bondade [de Francisco] mostraram o tipo de pastor que ele realmente é “. Foi uma reunião “muito emocionante” e “uma experiência que eu nunca esquecerei”, acrescentou.

O LGBTQ Nation informou que, durante muitos anos, Ozanne, que atuou no Conselho de Arcebispos da Igreja da Inglaterra e no Sínodo Geral em vários cargos, praticou o celibato antes de “sair do armário” em 2015. Desde então, ela se tornou uma ativista LGBTQ.

A dupla ação do Papa Francisco nessa semana para condenar a perseguição de lésbicas e gays e, pelo menos através dos relatos de Ozanne, para expressar preocupação com a terapia de conversão vincula de modo crucial a forte preocupação de Francisco pelos direitos humanos com o sofrimento das pessoas LGBTQ.

Embora o papa não tenha mudado nem o ensino nem a disciplina da Igreja, suas ações são um modelo esperançoso para mostrar a outras lideranças da Igreja como elas deveriam abordar as questões LGBTQ. Tanto em sua declaração pública quanto no encontro privado da semana passada, o Papa Francisco fez avançar as causas dos direitos humanos e da igualdade LGBTQ na Igreja

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV