“Nossos irmãos gays e lésbicas são humilhados publicamente do altar, em nome de Deus”. Carta petição ao Papa Francisco

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2019

"Atrevo-me a sugerir ao Santo Padre que pense na possibilidade de reformar os números: 2357, 2358 e 2359 do Catecismo da Igreja Católica (CIC), que trata os atos homossexuais como algo 'intrinsecamente desordenado... contrário à lei natural'". A Igreja, à margem do que diz a ciência, não deve continuar tratando as pessoas LGBTI como doentes e perversas que são obrigadas a observar a 'castidade' para alcançar a 'perfeição cristã'", é o pedido de Neftalí W. Eugenia Castillo, padre jesuíta, da República Dominicana, em carta publicada por Religión Digital, 08-08-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis a carta.

Caro Papa Francisco: É muito provável que esta carta não chegue à sua mesa. De qualquer forma, quero escrever e expressar minha admiração e adesão ao seu ensino.

Sou um jovem sacerdote, filho de Santo Inácio de Loyola, como você, que, encorajado pelo Evangelho e pela experiência dos Exercícios Espirituais, busca a chave para amar e servir a maior glória de Deus e o bem de nossos semelhantes.

Eu lhe digo, Santo Padre, que em alguns círculos você é referido como o "Papa das surpresas" por todas as medidas que tomou durante o seu pontificado. Não deixa de surpreender a sua atitude aberta e próxima, acolhedora e fraterna para com todos: ateus, agnósticos, cristãos, judeus, muçulmanos, homens e mulheres de todas as latitudes, diversificadas nos seus modos e formas.

Seu desejo de integrar as mulheres aos níveis de poder do Vaticano, sua radicalidade contra o abuso infantil cometido por bispos, sacerdotes, religiosos e religiosos de nossa Santa Madre Igreja.

Aplaudimos sua postura aberta e sem julgamentos condenatórios diante de gays e lésbicas que buscam na igreja "um recanto de verdade e amor, liberdade de justiça e paz" para que todos encontremos nela uma razão para continuar esperando.

Também aplaudimos a eliminação da pena de morte do Catecismo da Igreja Católica com a reforma do numeral 2267 "porque ameaça a inviolabilidade e a dignidade da pessoa".

É nesta mesma linha que me atrevo a sugerir ao Santo Padre que pense na possibilidade de reformar os numerais: 2357, 2358 e 2359 do Catecismo da Igreja Católica (CIC), que trata os atos homossexuais como algo “intrinsecamente desordenado… contrário à lei natural ". Para fazer esta afirmação, o Magistério não se baseia em estudos científicos, mas na Sagrada Escritura e Tradição.

Apesar dos textos da Bíblia, aos quais o Magistério alude condenar a homossexualidade, muitos teólogos, exegetas, historiadores e biblistas católicos (auxiliados por ferramentas científicas, como solicitado pela Dei Verbum no número 12), explicaram Verdadeiro significado desses textos. E como a Igreja diz, nossa religião não é uma religião do Livro, mas da palavra de Deus manifestada em Jesus Cristo, o verbo encarnado.

Muitos de nós acreditamos, querido Francisco, que esta posição oficial da Igreja Católica diante da homossexualidade prejudica muito as pessoas LGBTI e especialmente os católicos homossexuais em todo o mundo. Acreditamos que deve ser revisada à luz dos avanços científicos.

Três décadas atrás, a Organização Mundial de Saúde (OMS) removeu a homossexualidade da lista de "doenças mentais". A Igreja, independentemente do que a ciência diga, não deve continuar tratando as pessoas LGBTI como doentes e perversas que são obrigadas a observar a "castidade" para alcançar a "perfeição cristã". A perfeição cristã não se encontra na castidade ou no celibato, mas no amor e respeito pelo próximo.

Homofobia na Igreja e na sociedade

Santo Padre, muitas pessoas LGBTI são diariamente violadas em sua dignidade e até assassinadas apenas por sua orientação sexual. A pena de morte para atos sexuais consensuais entre adultos do mesmo sexo é imposta em seis países membros da ONU, de acordo com o relatório de Homofobia de Estado de 2019.

Também em muitas das nossas paróquias, embora nos documentos oficiais da Igreja, somos convidados a aceitar com respeito, compaixão e delicadeza e evitar qualquer sinal de discriminação injusta, em relação às pessoas homossexuais, (CCC 2358), nossos irmãos gays e as lésbicas são humilhados e publicamente ofendidos no altar por padres, bispos e leigos que estão fechados ao respeito, à compaixão e à delicadeza. E eles fazem tudo isso em nome de Deus e em nome da Sagrada Escritura.

Em face de tantas injustiças, devemos ser francos. Não admita a possibilidade de que a doutrina da Igreja seja mal compreendida e se propague a incitar o ódio e o desprezo. É por isso que a reforma da CIC é urgentemente criticada em muitas questões atuais, mas essa em particular porque também "ameaça a inviolabilidade e a dignidade da pessoa".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Nossos irmãos gays e lésbicas são humilhados publicamente do altar, em nome de Deus”. Carta petição ao Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV