Viganó aposta todas as fichas e se lança, ousadamente, contra Francisco

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • A força de Theodor Adorno contra a extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Setembro 2018

"O Papa se negou em realizar uma investigação do Vaticano sobre os crimes de McCarrick e sobre os responsáveis de encobri-los? Os fiéis merecem saber", fulmina Viganó.

Um mês depois de lançar sua “bomba” e se esconder, o ex-núncio Carlo Maria Viganò voltou a sair de seu esconderijo para atacar novamente, de modo ousado, o Papa Francisco, no que assegura, em tom apocalíptico, ser "uma batalha contra o velho dragão".

Sem revelar onde se encontra, nem oferecer outras provas além de suas palavras, Viganò volta a atacar Francisco e alguns de seus colaboradores, como o prefeito da Congregação de Bispos, Mac Ouellet, a quem acusa de "rendição" diante dos postulados de Amoris Laetitia e lhe ameaça [exigindo] "que testemunhe a verdade", trazendo à tona "documentos chave" sobre McCarrick que, insiste, estão de posse do purpurado.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 28-09-2018. A tradução é de Graziela Wolfart.

Sobre Bergoglio, Viganò assegura em sua nova carta que "nem o Papa nem nenhum dos cardeais em Roma negaram os fatos que afirmei em meu testemunho". Parece incomodar profundamente ao ex-núncio o fato de que o Papa não respondeu diretamente a ele, ainda que acredite que ele tenha feito isso nas homilias da [Casa] Santa Marta.

"A falta de vontade do Papa para responder minhas acusações e sua surdez aos pedidos de prestação de contas por parte dos fiéis dificilmente combinam com seus chamados à transparência e à construção de pontes", assegura, utilizando as mesmas comparações com o conglomerado midiático tirano que o suporta.

“O Papa se negou em realizar uma investigação do Vaticano sobre os crimes de McCarrick e sobre os responsáveis de encobri-los? Os fiéis merecem saber", fulmina Viganó.

"O silêncio dos pastores que poderiam ter proporcionado uma cura e assim evitar novas vítimas, se tornou cada vez mais indefensável, um crime devastador para a Igreja", volta a clamar o ex-núncio, autodenominado lutador pela “verdade”.

"Consciente das enormes consequências que poderia ter meu testemunho, porque o que estava a ponto de revelar envolvia o próprio sucessor de Pedro, decidi falar para proteger a Igreja, e declaro com a consciência tranquila, diante de Deus, que meu testemunho é verdadeiro", acrescenta o prelado, que se compara ao próprio Jesus Cristo: "Cristo morreu pela Igreja, e Pedro, Servus servorum Dei [Servo dos Servos de Deus], é o primeiro chamado a servir à esposa de Cristo".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Viganó aposta todas as fichas e se lança, ousadamente, contra Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV