Com a força das mulheres a Igreja pode superar o clericalismo

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS
  • A opção Mourão: Kant contra Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Setembro 2018

A historiadora Lucetta Scaraffia, membro do Comitê Italiano de Bioética e professora da Universidade de Roma "La Sapienza", acredita que o clericalismo - que começou com o surgimento do celibato sacerdotal - está agora sob o desafio da secularização, que acabou com a autoridade social dos sacerdotes.

A entrevista é de Nicolas Senèze, publicada por La Croix International, 31-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Eis a entrevista.

Qual é a compreensão do Papa Francisco sobre o 'clericalismo'?

O clericalismo se refere aos poderes e autoridade de padres sobre os fiéis e o estado de sujeição dos fiéis em relação aos padres. Mais do que qualquer outra coisa, envolve uma atmosfera em que os fiéis estão ligados à obediência e respeito pelos padres. Historicamente, o celibato desempenhou um papel muito significativo no desenvolvimento deste respeito. De fato, há um aspecto misterioso nisso, pois significa dar prestígio a homens que parecem existir fora das alegrias e dificuldades da vida familiar. Para se dedicar ao estudo e à oração, estes homens se colocam à distância dos problemas mundanos que os afastariam de Deus.

Como o celibato separa os homens dos padres?

Houve debates intensos sobre o celibato sacerdotal no início do século VII. Naquela época, os conselhos de bispos concluíram que poderia ser perigoso impor isso porque poucos homens eram capazes de vivê-lo.

No entanto, além de razões baseadas no medo da sexualidade, também havia razões econômicas para a imposição do celibato. Sacerdotes com famílias enfrentam a tentação de querer passar a propriedade da Igreja para seus filhos. Dessa forma, se torna difícil distinguir a propriedade da Igreja da dos sacerdotes, levando ao risco de dissipar os bens da Igreja. Assim, a fim de preservar a independência da Igreja, a Reforma Gregoriana impôs o celibato aos padres. No entanto, isso nem sempre foi bem sucedido e nas áreas rurais muitos padres continuaram tendo famílias.

Quando foram denunciados, os bispos, muitos dos quais raramente visitavam suas dioceses, às vezes se contentavam em aceitar dinheiro como preço de seu silêncio. Isso aconteceu muitas vezes na Alemanha e explica por que desde o início Lutero protestou fortemente contra esse tipo de corrupção.

Foi preciso até o Concílio de Trento uma genuína política de “tolerância zero” a ser imposta neste campo, resultando em visitas mais frequentes de bispos às suas dioceses. A partir de então o estado clerical se definiu por sua diferença em relação a outros fiéis. Essa foi a chave para a clericalização da sociedade católica. Era como se, em troca do celibato, o clero tivesse ganho autoridade sobre os fiéis.

Quais foram as causas para este modelo para implodir?

A secularização da sociedade desafiava a autoridade do clero. Quando a Igreja se tornou marginalizada, os padres continuaram a exercer autoridade sobre os que à frequentavam - que eram principalmente mulheres durante o século XIX. A secularização acompanhou, assim, a feminização da Igreja. De fato, era mais fácil impor essa autoridade às mulheres, que tinham menos instrução e já estavam mais acostumadas a viver em famílias sob a autoridade dos homens. Ainda hoje encontramos mulheres que ajudam padres e aceitam posições de inferioridade em relação aos sacerdotes. Estas são muitas vezes mulheres idosas, uma vez que as mulheres jovens já não aceitam isso. Marcel Gauchet acredita que o declínio do patriarcado levará ao declínio da Igreja, porque em sua opinião, ela é baseada no patriarcado.

O abuso sexual ilustra a fraqueza do clero. Pessoas vulneráveis, incluindo mulheres e crianças, em primeiro lugar, são as únicas sobre as quais é possível exercer autoridade e abusos.

A Igreja pode superar o clericalismo?

Sim, mas apenas se todas as questões forem discutidas com leigos e com mulheres em particular, incluindo questões sexuais. A Igreja nunca quis enfrentar a revolução sexual, exceto num nível teológico - nunca nos níveis histórico ou existencial. Lamento que a teologia do corpo muitas vezes ignore a realidade humana, especialmente a sexualidade das mulheres.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com a força das mulheres a Igreja pode superar o clericalismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV