Conferência alternativa sobre a família diz que agenda homossexual é uma ameaça à Igreja

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Agosto 2018

Organizadores de um evento rival ao Encontro Mundial das Famílias, em Dublin, questionaram o que eles acham ser uma versão “diluída” do ensinamento da Igreja oferecida na cúpula patrocinada pelo Vaticano que endossa a homossexualidade. Também disseram que os bispos têm sido demasiadamente "tímidos" em falar sobre o assunto.

A reportagem é de Elise Harris, publicada por Crux, 23-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

“A Igreja se tornou, e quando digo 'a Igreja' me refiro aos bispos, quase envergonhada de pregar o Evangelho e a mensagem cristã sobre família e casamento”, disse Anthony Murphy, fundador e editor do jornal “Catholic Voice” e fundador do "Lumen Fidei Institute", em entrevista ao Crux.

"É ridículo", disse ele. “Esses homens encontram um mundo, certamente o mundo ocidental, que está se voltando contra o plano de Deus para a família e o casamento e, em vez de contestar isso com uma autenticidade, diluem a verdade e dão uma mensagem que é politicamente correta."

"É esse tipo de secularização das conferências dos bispos que eu acho que é o maior inimigo da Igreja", disse Murphy.

A Igreja, disse ele, precisa de “vozes proféticas destemidas”. No entanto, “os bispos quase se tornaram as ovelhas e estão se movendo juntos como ovelhas. Nenhum deles se atreve a dizer o que pensa por medo de ser castigado por um bispo irmão”.

Referindo-se à decisão de convidar o padre jesuíta James Martin para falar sobre as boas-vindas da Igreja à comunidade LGBT, Murphy disse que a presença de Martin enfraquece o plano de Deus para a família baseado no casamento entre um homem e uma mulher e representa a abordagem “diluída” da verdade.

Murphy também chamou o convite de "um sinal da corrupção na Igreja", argumentando que Martin "não tem lugar em uma plataforma que promova a família".

“Muito do que o padre Martin diz é ambíguo. Ele é um homem muito inteligente, ele é um palestrante muito talentoso, [mas] ele se diverte em ambiguidades e semeia confusão em um momento em que os leigos em particular, e as famílias, não precisam dessas políticas clericais. Precisamos de um ensino claro para podermos sair e estamos preparados para transmitir uma mensagem contra a cultura mundana”, disse ele.

Murphy estava entre os organizadores do evento rival, intitulado “Conferência das Famílias Católicas”, patrocinado pelo Instituto Lumen Fidei da Irlanda que apresenta críticas ao documento de 2016 do Papa Francisco sobre a família Amoris Laetitia.

Além de Murphy, os palestrantes da conferência rival incluem o padre capuchinho Thomas Weinandy, membro da Comissão Teológica Internacional do Vaticano; Robert Royal, fundador e presidente do Faith and Reason Institute; e John Smeaton, diretor da Sociedade Britânica para a Proteção de Crianças não Nascidas (SPUC, na sigla em inglês).

O cardeal norte-americano Raymond Burke e o bispo do Cazaquistão Athanasius Schneider, ambos patronos do Instituto Lumen Fidei, enviaram mensagens em vídeo que serão transmitidas durante o evento.

Os oradores foram em grande parte críticos da agenda do Encontro Mundial das Famílias, argumentando que a maior ameaça contra a família hoje é o movimento a favor do casamento gay. Após as observações iniciais de Murphy, os participantes assistiram um vídeo criado por John Lacken, secretário da Lumen Fidei, retratando imagens e frases críticas dos líderes da Igreja vistos como pertencentes a campos mais progressistas.

O primeiro slide mostrado estampou o rosto do cardeal austríaco Christoph Schönborn sobre uma bandeira de arco-íris com uma garrafa de veneno, que foi seguido por imagens igualmente críticas do ex-cardeal Theodore McCarrick e da ex-presidente irlandesa Mary McAleese, que foi franca em seu impulso para mudar o ensinamento da Igreja sobre a homossexualidade.

Em seus comentários iniciais, Murphy disse que o objetivo da conferência não é dividir, mas "é sobre proclamar a verdade de Cristo".

Ele questionou o fato de que nem a legalização do casamento gay nem o aborto na Irlanda estão na agenda oficial do Encontro Mundial. Em vez disso, "temos um padre da América que não vem para construir pontes, mas para causar confusão", disse ele, referindo-se a Martin.

Murphy também abordou os escândalos de abuso sexual que surgiram no período que antecedeu o evento.

Chamando a decisão dos cardeais americanos Sean O'Malley e Donald Wuerl de retirar do Encontro Mundial um “sinal do Espírito Santo”, Murphy argumentou que a crise de abusos está ligada à presença de padres homossexuais ativos no sacerdócio.

Dados todos os procedimentos e diretrizes de segurança infantil implementados nos últimos anos, Murphy disse que “não há lugar mais seguro para as crianças” do que a Igreja. Os seminários, por outro lado, em muitos lugares ele chamou de "fossas para a homossexualidade".

"É escandaloso e é incrível que tenhamos uma escassez de vocações no Ocidente quando temos essas coisas acontecendo ... temos que nos levantar e dizer que basta", disse ele, pedindo uma auditoria independente dos seminários, porque "siga o dinheiro e você vai encontrar o escândalo, o sigilo”.

Murphy também discordou da recente decisão de Francisco de mudar a posição da Igreja sobre a pena de morte no Catecismo da Igreja Católica, declarando que é "inadmissível" em todas as circunstâncias.

"Isto é impossível. Ele não pode mudar esse ensino ", disse Murphy, acrescentando que ele acha que essa mudança "será corrigida" no futuro.

“Temos que lembrar que os papas também podem cometer erros. O Papa Francisco nos diz que ele é humano como o resto de nós… ninguém é perfeito, todo mundo comete erros”, disse ele.

Murphy disse que o comparecimento em sua conferência, que deverá atingir pelo menos 450 participantes, é uma prova de que os católicos “respondem” à mensagem que eles querem transmitir.

"Isto é algo que vem de muito tempo, o colapso da família”, disse ele, “e levará muito tempo para consertar, mas só podemos consertar isso se voltarmos à ideia da família católica como a base da sociedade".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conferência alternativa sobre a família diz que agenda homossexual é uma ameaça à Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV