“Acabou o recreio, façam as malas e partam”, diz Salvini aos imigrantes

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • A "Missa" de Leonard Bernstein para o mundo de hoje

    LER MAIS
  • 5º Congresso Americano Missionário: Migração e direitos humanos no centro do debate

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Junho 2018

O ministro do Interior italiano abriu a campanha contra a imigração. No Senado começa hoje o debate sobre a confiança no novo executivo. Servirá para verificar o estado da oposição.

A reportagem é de Jorge Almeida Fernandes, publicada por Público, 05-06-2018.

Matteo Salvini, líder da Liga e novo ministro do Interior italiano, lançou no domingo na Sicília a nova campanha anti-refugiados, no mesmo dia em que naufragava mais uma barcaça com 180 pessoas a bordo. Ontem, tinham sido recolhidos 43 corpos sem vida, tendo sido salvos 68 fugitivos. As operações de busca continuavam. A principal mensagem de Salvini dirigiu-se à Europa: “Ou a UE nos ajuda, ou escolheremos outras vias.”

O novo ministro não estará hoje presente no Luxemburgo na reunião dos seus homólogos europeus para debater a política de imigração. Mas a delegação italiana votará contra o projeto em análise, que acusa de penalizar a Itália e os países do Mediterrâneo. “Ou nos dão uma mão para controlar as fronteiras e pôr em segurança o nosso país, ou teremos de escolher outras vias.”

Anunciou também o encerramento dos portos italianos aos barcos das organizações não governamentais que realizam operações de socorro.

De resto, continua a pensar na expulsão de centenas de milhares de imigrantes ilegais. Mas este será um processo longo, caro e complicado que exige fundos e negociações internacionais. A alternativa da “criminalização” faria rebentar o sistema prisional italiano. Paralelamente, Salvini mantém a pressão no terreno da propaganda. A imigração é o tema mais mobilizador para a sua base eleitoral e uma preocupação muito difusa. Disse num comício no Norte: “Acabou o recreio para os clandestinos. Façam as malas e partam.” Um editorialista disse que estas palavras estão no “limite da indecência”. O escritor Roberto Saviano apelou à resistência: “Desobedecer a este ministro do Interior que quer afogar pessoas.”

O último relatório da ONU sobre a população mundial prevê que o número de migrantes deverá continuar estável até 2050. Entretanto, o ex-ministro do Interior, Marco Minniti, conseguiu reduzir drasticamente o número de imigrantes nos primeiros cinco meses do ano — 13.500 contra 60 mil no período homólogo de 2017 — na sequência de negociações com países como a Líbia. O controlo das migrações é uma questão-chave para a Itália, na medida em que é um dos mais fortes fatores da “le-penização” da opinião pública. Note-se que, mesmo para Salvini e para lá da retórica xenófoba, a prioridade das prioridades é reduzir o fluxo de imigrantes. Significativamente, homenageou no domingo o trabalho de Minniti.

O voto de confiança

O Senado vota hoje a confiança no novo Governo de Giuseppe Conte, ou, se preferirmos, no executivo Luigi Di Maio-Matteo Salvini. Amanhã será a vez da Câmara dos Deputados. Não há qualquer dúvida sobre o resultado. Mas há curiosidade quanto ao debate, a começar pela relação entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga que, até agora, tem marcado mais fortemente a natureza do Governo.

A oposição está reduzida ao mínimo e, sobretudo, desorientada. O estilo dos dois partidos anti-sistema é muito diferente, mas, combinados, mais desorientam. Disse alguém que “ser tudo e o contrário ao mesmo tempo é o seu ponto de força e não de fraqueza”. Os argumentos clássicos do debate político parecem de pouca utilidade. É também um governo diferente dos anteriores.

O primeiro-ministro é aparentemente secundário. Os dirigentes do M5S e da Liga monopolizam as decisões. Para isso apoiam-se numa vasta equipa de “técnicos não eleitos”, cuja função é viabilizar as suas propostas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Acabou o recreio, façam as malas e partam”, diz Salvini aos imigrantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV