“Com a reclusão compulsória, assistiremos a um fortalecimento do individualismo”. Artigo de David Le Breton

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • IHU para a quarentena. O Indivíduo e a Sociedade em introspecção

    LER MAIS
  • Uma Igreja centrada no padre, confusa e despreparada

    LER MAIS
  • Rifkin: “A globalização está morta e enterrada: a distância social será a regra”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Março 2020

A crise do coronavírus provocará mudanças na nossa relação com o corpo e nas relações sociais. Para o antropólogo e sociólogo David Le Breton, estamos enfrentando uma “ruptura antropológica” que pode não estar produzindo resultados positivos.

David Le Breton é professor na Universidade de Estrasburgo II, autor de A sociologia do corpo (Vozes, 2006) e Antropologia do corpo e modernidade (Vozes, 2011).

O artigo é publicado por La Vie, 18-03-2020. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

Essa crise de coronavírus é muito pós-moderna. Ela provoca uma ruptura antropológica na relação com o corpo e no estatuto geral da pessoa. Ela isola cada indivíduo em sua casa, mas mantendo-o em contato com o mundo. Podemos encontrar semelhanças com o fenômeno hikikomori: esses adolescentes japoneses que vivem isolados e se recusam a sair de casa ao mesmo tempo que se comunicam com o mundo inteiro através das redes sociais. A presença não importa. A situação implica uma rejeição do corporal. Não vemos mais os rostos por trás das máscaras, a própria voz está suspensa, pois as interações vivas se dão à distância. Não há mais cara a cara, ou seja, uma relação com o rosto do outro.

Uma vitória do puritanismo

Esta é, de certa forma, a vitória do puritanismo: a atração provoca medo, assim como o encontro, a presença do outro. O corpo é uma ameaça: ele deve ser lavado, inspecionado e limpo de qualquer contato. As mãos devem ser limpas com gel hidroalcoólico. Nós não nos beijamos mais. Nesse contexto de reclusão, a comunicação via internet ou smartphone invadirá o mundo e ajudará a destruir ainda mais a conversação, uma das formas fundamentais da humanidade. O outro também se torna um obstáculo, um perigo. Assim, com a reclusão compulsória, assistiremos a um fortalecimento do individualismo. O indivíduo está criando um mundo cada vez mais só dele, mas constantemente se “comunicando” à distância.

Um sedentarismo compulsório

Estar em casa não será acompanhado por um ganho de interioridade. Difícil meditar ou operar um retorno sobre si mesmo, como na caminhada, através da contemplação da natureza e dos elementos, longe do vento total do mundo. O tédio nos espera, vamos andar em círculos, ruminando preocupações, preocupando-nos com os nossos entes queridos. A chegada da primavera, este momento de sacralidade, de renascimento, onde o sol e a natureza se convidam, onde a floresta começa a cantar novamente, é difícil viver atrás de sua janela.

Indivíduos ou casais provavelmente podem sair um pouco. Será mais difícil para as crianças. O relacionamento delas com o corpo no espaço público é mais delicado. Elas querem tocar em tudo. Não tenho certeza se essa reclusão ajuda a reaproximação familiar. Trata-se de um entre-si imposto, de uma coabitação que pode provocar tensões no casal, a fratria, ou nas relações mútuas. Não se pode impor a felicidade. O estilo de vida sedentário tão criticado pela saúde pública será adequado.

Depois da crise, o júbilo

Quando a crise acabar, haverá uma alegria por existir. As primeiras horas serão muito intensas. Será de encontros com os sentidos, um corpo a corpo com o mundo. Vamos nos dar conta de que se locomover é um grande privilégio que havíamos esquecido. Apenas ao preço do que podemos perder, e nossas rotinas nos fizeram escondê-lo. A privação torna desejável aquilo que temporariamente não está disponível. Esse é o gosto pela vida que nunca devemos perder e que as pessoas que experimentaram uma morte, uma separação, uma perda ou a experiência da doença sofrem. Será um renascimento. E não devemos esquecer este ensinamento propício ao encanto do mundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Com a reclusão compulsória, assistiremos a um fortalecimento do individualismo”. Artigo de David Le Breton - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV