EUA: decisão de sair do Acordo de Paris renova os chamados para a ação climática

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Junho 2017

“Sair do Acordo de Paris tornaria mais difícil para o nosso país e para o mundo alcançar um futuro mais seguro e mais próspero”, afirma Carter Roberts, presidente e diretor-executivo do WWF-Estados Unidos

A reportagem foi publicada por WWF, 02-06-2017. 

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou hoje, 1º de junho, que começará o processo de retirada dos Estados Unidos do histórico Acordo de Paris, o primeiro acordo global para enfrentamento às mudanças climáticas. O anúncio, já esperado e bastante criticado por vários países, representa um chamado à ação para que governos nacionais e locais, empresas e pessoas em todo o mundo intensifiquem seus compromissos para enfrentar a mudança climática.

O acordo histórico, aprovado em dezembro de 2015, traz o comprometimento de quase 200 países de perseguirem todos os esforços para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 ° C para evitar alguns dos piores impactos do aquecimento do planeta.

Para o líder global da Prática de Clima e Energia do WWF-Brasil, Manuel Pulgar-Vidal, “o Acordo de Paris é a maior resposta coletiva para combater as mudanças climáticas e felizmente é maior do que qualquer nação ou governo. Ainda podemos atingir as promessas de Paris, mas não temos tempo a perder. Países ao redor do mundo devem usar esta oportunidade para liberar seu potencial, investir em energia renovável que elimina a poluição e constrói economias mais resilientes, inclusivas e prósperas”.

Para o diretor-geral do WWF-Brasil, Maurício Voivodic, “as manifestações em todo o mundo e as tendências da economia mundial mostram que o Acordo de Paris continuará firme e forte, independentemente da decisão de Trump. O movimento de descarbonização mundial já está em andamento e é irreversível. Cabe aos países continuarem com seus planos de implementação do Acordo e o aumento da ambição de suas metas; governos subnacionais e setor empresarial norte-americano devem continuar o movimento de uma economia americana de baixo carbono”.

Repercussão local De acordo com Carter Roberts, presidente e diretor-executivo do WWF-Estados Unidos, o Acordo de Paris surgiu quando nações colocaram de lado a política para, coletivamente, reverterem o curso desta ameaça ao nosso modo de vida e os Estados Unidos ajudaram a liderar esta mudança.

“Honrar os compromissos e cumprir nossas promessas têm sido marcas da política interna e internacional dos Estados Unidos. As leis e as regulamentações ambientais norte-americanas têm servido como modelos para políticas do tipo ao redor do mundo”, comenta.

O diretor-geral cita que a expansão da economia de energia limpa do país emprega mais de 3,3 milhões de americanos – mais do que todos os postos de trabalho na indústria de combustíveis fósseis combinados. De grandes varejistas como Walmart, passando por empresas de energia elétrica, como a Pacific Gas & Electric, até empresas de tecnologia como Google e Apple, as empresas americanas têm sido firmes no seu apoio ao Acordo de Paris. “Até empresas de petróleo, gás e carvão como a Royal Dutch Shell, BP, ExxonMobil e Peabody Coal têm apoiado o acordo, o que torna o anúncio de hoje ainda mais confuso”.

“Sair do Acordo de Paris tornaria mais difícil para o nosso país e para o mundo alcançar um futuro mais seguro e mais próspero. Em um mundo feito mais seguro por acordos entre as nações, nós pedimos que a administração Trump reconsidere e fique com as empresas americanas, prefeitos e governadores que apoiam o Acordo de Paris. Assim, priorizará os postos de trabalho e estabilidade a longo prazo que a América precisa”, completa Roberts.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA: decisão de sair do Acordo de Paris renova os chamados para a ação climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV