Incentivo de Trump à energia fóssil – Um passo atrás e em falso

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Maio 2017

"Justamente quando o mundo precisa de lideranças que puxem suas metas para cima e, pelo exemplo, estimulem outros a segui-los, os EUA querem sair do jogo. Pelo menos, China e países da União Europeia já estão tomando a frente. Ao Brasil também há a oportunidade de se firmar como protagonista, desde que vá além das suas metas nacionais de redução de gases-estufa. Isso inclui zerar o desmatamento em todos os biomas; investir em fontes de energia renováveis – solar, eólica, biocombustíveis etc.; e modernizar a agropecuária nacional", escreve André Ferretti, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, gerente na Fundação Grupo Boticário e coordenador geral do Observatório do Clima, em artigo publicado por EcoDebate, 12-05-2017. 

Eis o artigo.

Incentivo à produção de energia à base de carvão mineral e desestímulo à energia limpa são duas consequências imediatas do decreto assinado em 28 de março pelo presidente dos Estados Unidos. Outro efeito – perverso e, infelizmente, desconsiderado por Donald Trump – é o aumento da vulnerabilidade da própria sociedade norte-americana aos efeitos negativos da mudança climática. Nesse cenário, cabem preocupações sobre o quanto essas medidas afetarão em cadeia o esforço global de reduzir as emissões de gases de efeito estufa; por outro lado, abre-se espaço para que o Brasil e outros países consolidem-se como protagonistas de uma nova economia voltada à proteção ambiental e à baixa emissão de carbono.

O decreto de Trump desmonta o Plano de Energia Limpa dos EUA aprovado pelo seu antecessor em 2015, que criava incentivos para o avanço de fontes de energia não baseadas em combustíveis fósseis. Sob argumentos contestáveis de retomada de postos de trabalho, Trump deu um passo atrás e em falso ao tirar restrições do setor de carvão mineral, que é uma das fontes de energia mais poluentes.

A posição do atual governo norte-americano implicará ainda na não adaptação do seu território aos efeitos adversos da mudança climática. Em 2005, o Furacão Katrina tirou um milhão de pessoas de suas casas, e, certamente, as alterações no clima global tendem a tornar esse e outros eventos extremos cada vez mais frequentes. Isso significa que os EUA estão arriscando vidas, estruturas, atividades econômicas e a biodiversidade ao negligenciar a mudança climática.

Os custos de reparar danos como esses serão maiores que o investimento em ações para evitá-los – como já comprovou em 2006 o economista britânico do Banco Mundial Nicholas Stern. Ademais, se essa adaptação fosse feita aproveitando o potencial que os ambientes naturais têm para tornar as sociedades mais resilientes, haveria custo ainda menor e benefícios adicionais, como mostra um estudo de 2015 da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Mesmo se houver esforço positivo do setor privado, os entraves governamentais tendem a dificultar que os EUA atinjam as suas metas de redução de gases-estufa, estabelecidas voluntariamente no Acordo de Paris – que entrou em vigor em 2016 e hoje conta com 141 países. Contudo, somando as contribuições nacionais de todos, não se alcança o mínimo desejado para limitar o aumento da temperatura média global a algo entre 1,5 e 2°C até o fim do século; hoje, estima-se que o limiar esteja em 3°C.

Justamente quando o mundo precisa de lideranças que puxem suas metas para cima e, pelo exemplo, estimulem outros a segui-los, os EUA querem sair do jogo. Pelo menos, China e países da União Europeia já estão tomando a frente. Ao Brasil também há a oportunidade de se firmar como protagonista, desde que vá além das suas metas nacionais de redução de gases-estufa. Isso inclui zerar o desmatamento em todos os biomas; investir em fontes de energia renováveis – solar, eólica, biocombustíveis etc.; e modernizar a agropecuária nacional.

A mudança global do clima é um dos maiores desafios do século XXI, que traz tanto prejuízos quanto oportunidades. O presidente Donald Trump, infelizmente, foca apenas no lado negativo. Ele fecha os olhos para o fato que o mundo está em transformação, rumo a um futuro mais sustentável e a uma nova economia de baixo carbono.

Cabe, agora, aos demais países fazer a sua parte e potencializar seus esforços. Não há escolha nem tempo a perder.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Incentivo de Trump à energia fóssil – Um passo atrás e em falso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV