Ártico está morrendo e tem o menor nível de gelo em outubro

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Novembro 2020

"O que está acontecendo no Polo Norte em outubro de 2020 deve servir de alerta para o mundo, pois a morte do Ártico pode significar também a morte da civilização humana que não conseguiria prosperar em um mundo em constante aquecimento e em uma Terra inabitável", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e pesquisador titular da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 26-10-2020.

Eis o artigo.

“O principal impulso pelo qual fui dirigido foi o esforço sincero para compreender os fenômenos dos objetos físicos em sua conexão geral e para representar a natureza como um grande todo, movido e animado por forças internas” - Alexander von Humboldt (1769-1859) 

O gelo do Ártico está desaparecendo a uma velocidade estonteante. A extensão de gelo do polo Norte em outubro de 2020 é a menor de todos os tempos.

As figuras abaixo mostram que a extensão de gelo no Polo Norte era de 9,3 milhões de km2 em 1992, caiu para 7,5 milhões de km2 em 2013 e 5,3 milhões de km2 em 2020. A média do período 1981-2010 foi de 8,3 milhões de km2, portanto, em outubro de 2020 houve uma redução de 4 milhões de km2 em relação à 1992 e de 2 milhões de km2 em relação à média de 1981-2010. 

(Fonte: National Snow and Ice Data Center)

O gráfico abaixo mostra que a perda de gelo nos meses de outubro tem ocorrido ao ritmo de -10,1% por década e que o maior degelo ocorreu em 2020. Nesta marcha, poderia ocorrer a perda total de gelo antes do fim do atual século.

(Fonte: National Snow and Ice Data Center)

Existe um círculo vicioso preocupante. O aquecimento global tem levado ao degelo do Ártico e quando o gelo ou a neve desaparecem, dão lugar ao oceano mais escuro ou a uma vegetação que refletem menos os raios solares e absorvem em maior proporção o calor. O fenômeno eleva as temperaturas da água e do ar, piorando, assim, o problema. Já é possível navegar tranquilamente nos meses de setembro do polo norte e agora a navegação já pode ser feita em outubro, o que é bom para os interesses econômicos do comércio, mas é péssimo para o meio ambiente (Alves, 14/10/2020).

No mês de setembro, um bloco de gelo com cerca de duas vezes o tamanho de Manhattan se separou da maior plataforma de gelo remanescente do Ártico, no nordeste da Groenlândia, após temperaturas recordes no verão. Com o aquecimento do Ártico ocorrendo pelo menos duas vezes mais rápido que o aquecimento global médio, a taxa de derretimento da Groenlândia pelo menos triplicou nas últimas duas décadas. Se este ritmo continuar, o derretimento poderá fazer, em futuro distante, com que o nível do mar suba em até 7 metros, afogando as cidades costeiras.

Para agravar o problema, a aceleração do aquecimento do Ártico aumenta o risco de feedback auto reforçador de degelo do permafrost. Existem duas vezes mais carbono preso no permafrost do que o que já foi lançado na atmosfera. A erosão do permafrost pode ser completamente desastroso, já que o metano é várias vezes mais poluente do que o CO2. À medida que as temperaturas globais aumentam, também é possível que ainda mais metano possa ser emitido do fundo do mar raso da plataforma ártica da Sibéria Oriental.

(Fonte: National Snow and Ice Data Center)

Matéria do jornal The Guardian (27/10/2020) mostra que cientistas encontraram evidências de que depósitos de metano congelado no Oceano Ártico – conhecidos como os “gigantes adormecidos do ciclo do carbono” – começaram a ser liberados em uma grande área da encosta continental da costa leste da Sibéria. Altos níveis do potente gás de efeito estufa foram detectados a uma profundidade de 350 metros no Mar de Laptev, perto da Rússia, gerando preocupação entre os pesquisadores de que um novo ciclo de feedback climático pode ter sido acionado, o que poderia acelerar o ritmo do aquecimento global.

Este círculo vicioso que se auto reforça, pode aquecer a temperatura em velocidade acelerada e tornar várias partes da Terra inabitáveis, sendo que as ondas letais de calor e os eventos climáticos extremos podem matar mais gente do que a atual pandemia da covid-19. O aumento das rotas de navegação, da extração de petróleo e de outras atividades econômicos no Ártico só agravam o quadro da perda de gelo.

Artigo de Maria-Vittoria Guarino et. al. publicado na Nature Climate Change (10/08/2020), utilizou a última geração de modelos climáticos para simular o gelo do mar Ártico durante o período quente de 120.000 anos antes da última era do gelo. As simulações mostraram que, durante essa era, o Ártico provavelmente nunca esteve sem gelo no verão. A equipe também fez simulações de modelos para o futuro e descobriu que o gelo marinho do Ártico provavelmente desaparecerá entre 2030 e 2050.

Outro novo estudo, publicado na revista “Nature Climate Change”, usou a última geração de modelos climáticos para simular o gelo do mar Ártico durante o período quente de 120.000 anos antes da última era do gelo. As simulações mostraram que, durante essa era, o Ártico provavelmente estava sem gelo no verão. A equipe também fez simulações de modelos para o futuro e descobriu que o gelo marinho do Ártico provavelmente desaparecerá entre 2030 e 2050.

Uma ameaça adicional do degelo vem da possibilidade do reaparecimento de vírus e bactérias retidos nas camadas mais profundas do Polo Norte e que podem emergir à superfície, na medida em que o gelo se transforma em água. Vírus liberados e maior circulação humana são bombas-relógio para o surgimento de novas epidemias.

Como mostrou Dana Nuccitelli (28/10/2020) o Ártico vive um pacto suicida, com uma relação mutualmente destrutiva entre o degelo e o aquecimento global: “O clima mais quente e a perda de gelo do mar Ártico formam um verdadeiro pacto suicida. Há uma espiral da morte com o círculo vicioso de feedback entre derretimento-aquecimento, pois mais derretimento de neve e gelo geram ainda mais aquecimento, em um ciclo contínuo”.

O que está acontecendo no Polo Norte em outubro de 2020 deve servir de alerta para o mundo, pois a morte do Ártico pode significar também a morte da civilização humana que não conseguiria prosperar em um mundo em constante aquecimento e em uma Terra inabitável.

 

Referências:

ALVES, JED. O degelo do Ártico e o atalho na rota comercial norte entre o Leste Asiático e a Europa, Ecodebate, 14/10/2020. Disponível aqui.

Jonathan Watts. ‘Sleeping giant’ Arctic methane deposits starting to release, scientists find. The Guardian, 27/10/2020. Disponível aqui.

Dana Nuccitelli. Warmer climate and Arctic sea ice in a veritable suicide pact, Yale Climate Connections, 28/10/2020. Disponível aqui.

Maria-Vittoria Guarino et. al. Sea-ice-free Arctic during the Last Interglacial supports fast future loss, Nature Climate Change volume 10, pages 928–932, 10/08/2020. Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ártico está morrendo e tem o menor nível de gelo em outubro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV