Vidas negras importam: “Este movimento marca uma virada histórica”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Junho 2020

Nos Estados Unidos, em dezenas de cidades, as manifestações estão se multiplicando. Elas refletem, entre muitos afro-americanos e entre os brancos que delas participam, o desejo de mudar de mentalidade. Entrevista com Hasan Jeffries, professor de história afro-americana da Universidade Estadual de Ohio, que vê nestes acontecimentos uma inflexão no movimento dos direitos civis.

A entrevista é de Marie-Agnès Suquet, publicada por La Vie, 10-06-2020. A tradução é de André Langer

Eis a entrevista.

Desde a morte de George Floyd, as manifestações aumentaram. Este é um momento histórico no movimento negro-americano pelos direitos civis?

Este movimento marca efetivamente uma virada histórica pelo número de brancos presentes nas marchas ao lado dos negros para denunciar o sistema. Esta é uma crítica pública muito nova. Na década de 1960, os brancos que apoiavam os negros em sua busca pela igualdade – muito menos numerosos do que hoje – denunciaram a injustiça e o direito à dignidade. Hoje, os brancos simplesmente dizem que o tratamento reservado aos negros é desumano e que os negros são seres humanos, como os brancos.

O vídeo desse policial branco com o joelho sobre o pescoço do homem negro, até sufocá-lo, lembra os tempos de outra época, da escravidão e da segregação racial. Podemos ver nisso o símbolo da perpetuação da dominação branca sobre os negros?

Na verdade, é um símbolo da opressão dos negros pelos brancos. Os negros têm esse joelho sobre eles que os oprime há 400 anos e cuja situação é ilustrada de várias maneiras: violência policial, problema habitacional, desigualdade em termos de saúde, encarceramento em massa... Por trás do gesto desse policial, também tem o estereótipo de que os homens negros são por natureza perigosos e criminosos. Esta ideia remonta ao período da escravidão e foi incorporada pelo homem branco para justificar essa dominação. A ideia da supremacia é, portanto, um legado da escravidão, mas, acima de tudo, um dos fundamentos próprios da sociedade americana. É o pecado original da América.

Como os Estados Unidos podem superar esse pecado original?

A primeira coisa é reconhecer que os Estados Unidos estão construídos sobre um sistema desumano. A escravidão beneficiou economicamente os Estados Unidos e moldou a cultura e a sociedade americanas. Foi o racismo, assim como o capitalismo, que provocou o nascimento desta nação. Deveríamos enfrentar o nosso passado criando uma comissão da verdade e reconciliação e discutindo honestamente a questão das reparações aos negros americanos descendentes dos escravos. Isso poderia ser na forma de um plano de investimento nas comunidades afro-americanas. Os 2 trilhões de dólares encontrados para enfrentar a pandemia da Covid-19 provam que existe dinheiro. Falta, agora, a vontade para fazê-lo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vidas negras importam: “Este movimento marca uma virada histórica” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV