Após confusão na agenda, Bolsonaro se reúne com Macron no G20

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Junho 2019

Após governo brasileiro anunciar cancelamento de encontro, presidente tem conversa informal com líder francês e o convida a visitar a Amazônia. Reunião bilateral aparentemente não constava na agenda da comitiva francesa.

A informação é publicada por Deutsche Welle, 28-06-2019.

O presidente Jair Bolsonaro e seu homólogo francês, Emmanuel Macron, tiveram um breve encontro nesta sexta feira (28/06) durante a cúpula do G20 em Osaka, após uma série de de informações desencontradas em relação à agenda dos dois líderes, inclusive com o anúncio de uma reunião bilateral que, aparentemente, segundo a comitiva francesa, sequer estava planejada.

Segundo o portal de notícias G1, os dois tiveram um encontro de 20 minutos, pouco antes de Bolsonaro discursar na cúpula. A Folha também noticiou o encontro, citando o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros.

Os líderes teriam discutido questões relacionadas ao meio ambiente, à fronteira do Brasil com a Guiana Francesa, ao comércio internacional e a um acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul. Ao final, o brasileiro teria convidado o francês a conhecer a Amazônia.

Inicialmente, foram divulgadas informações de que o gabinete de Macron teria cancelado um encontro marcado entre os dois líderes, o que gerou especulações de que a decisão teria relação à dura resposta das autoridades brasileiras a críticas do francês ao governo brasileiro.

Segundo a BBC Brasil, membros da delegação francesa afirmaram que estava planejada somente uma conversa informal entre os dois chefes de Estado, e não um encontro reservado. Apenas na agenda do Itamaraty constava uma reunião bilateral entre Bolsonaro e Macron, que havia sido divulgada para a imprensa.

A Presidência e o Itamaraty anunciaram pela manhã o cancelamento do encontro. Pouco depois, o francês e o brasileiro posaram lado a lado para a foto oficial do G20. Macron cumprimentou Bolsonaro um tanto friamente. O brasileiro se voltou para a frente enquanto outros líderes conversavam, antes da fotografia ser registrada.

Nesta quinta feira, já em Osaka, Macron havia afirmado que a França não assinará qualquer acordo comercial com o Mercosul caso o Brasil se retire do Acordo de Paris sobre o clima, como já ameaçou Bolsonaro.

"Se o Brasil deixar o acordo de Paris, até onde nos diz respeito, não poderemos assinar o acordo comercial com eles", disse francês. A declaração gerou incômodos à comitiva brasileira em Osaka.

Bolsonaro também reagiu duramente a declarações da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel. Na quarta-feira, em sessão no Bundestag (Parlamento alemão), ela disse ver com "grande preocupação" a situação no Brasil, que descreveu como "dramática" sob o governo de Bolsonaro nas questões ambientais e de direitos humanos.

Merkel também reiterou seu apoio a um desfecho rápido para as negociações de livre-comércio ente a União Europeia e o Mercosul e disse que, em sua visão, a resposta para a situação no Brasil hoje não está em abrir mão de um acordo com o Mercosul.

"Vejo com grande preocupação a questão da atuação do novo presidente brasileiro. E a oportunidade será utilizada, durante a cúpula do G20, para falar diretamente sobre o tema, porque eu vejo como dramático o que está acontecendo no Brasil", disse a chanceler.

Pouco depois de chegarem ao Japão para a cúpula do G20, Bolsonaro e sua comitiva rebateram as declarações dos líderes europeus. O principal alvo dos brasileiros foi Merkel, que disse desejar ter uma discussão com Bolsonaro sobre o desmatamento.

"O presidente do Brasil que está aqui não é como alguns anteriores que vieram para serem advertidos por outros países", disse Bolsonaro. Ele ainda afirmou que os alemães têm muito "a aprender" com os brasileiros. "Nós temos exemplo para dar para a Alemanha sobre meio ambiente, a indústria deles continua sendo fóssil, em grande parte de carvão, e a nossa não. Então eles têm a aprender muito conosco", comentou o brasileiro.

O general Augusto Heleno, titular do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), reagiu – de maneira mais exaltada – não só à fala de Merkel, mas também à declaração de Macron sobre o Mercosul.

Ele disse que os europeus não têm moral para criticar a política ambiental do Brasil. "A política de meio ambiente é totalmente injusta ao Brasil. O Brasil é um dos países que mais preserva meio ambiente no mundo. Quem tem moral para falar da preservação de meio ambiente do Brasil?", disse o ministro. "Estes países que criticam? Vão procurar a sua turma."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após confusão na agenda, Bolsonaro se reúne com Macron no G20 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV