Argentina. Além da desaprovação popular, Macri é contestado na própria base

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 13 Fevereiro 2019

A coalizão Cambiemos surgiu em 2015 para transformar a política argentina até então dominada pelo peronismo. A união entre o partido de direita Propuesta Republicana — PRO, de Maurício Macri, e o Unión Civica Radical – UCR, de lideranças históricas como Hipólito Yrigoyen e Raúl Alfonsín, somaram nas eleições presidenciais uma vitória apertada sobre Daniel Scioli, o representante do peronismo kirchnerista. Depois do fracasso econômico do governo de Macri, a coalizão inicia a campanha de reeleição em desacordo entre as províncias, que também elegerão seus governadores, e o comando nacional.

A proposta do Cambiemos na sua formulação em 2015 foi focada em três eixos: eliminar a pobreza, combater o narcotráfico e unir o povo argentino. Nos três anos de governo, Macri não apresentou mudanças substanciais em nenhum desses pontos. A pobreza aumentou e a inflação acumulada chega a 158%. Por outro lado, segundo o Sistema Nacional de Estadística Criminal — SNIC, o número de homicídios diminuiu em 20% desde a última eleição presidencial. Entretanto, a redução anual no atual governo foi semelhante aos dados no governo de Cristina Kirchner em 2014 e 2015, redução entre 13 e 14%.

A unidade do povo argentino dista ainda mais das pretensões do Cambiemos. Em pesquisa divulgada em janeiro de 2019 pela Taquion Research Strategy, 61,5% dos argentinos querem uma mudança na presidência. Entre os que se identificaram como eleitores de Macri em 2015, 60,2% afirmam que não votariam nele novamente. Em outra pesquisa, da consultora Opinaia, divulgada em 27-01, 78% dos argentinos desaprovam o atual governo.

A impopularidade e o insucesso do Cambiemos ressoam nas outras peças da coalizão. Líderes da UCR manifestam publicamente o descontentamento com o papel coadjuvante que cumprem dentro do governo e da chapa eleitoral.

Alfredo Cornejo, presidente da UCR e governador da província de Mendonza, declarou na semana passada em entrevista ao portal Perfil que prefere votar em um candidato do seu partido a votar em Macri. Para as eleições provinciais de Mendonza, Cornejo já anunciou que a UCR estará desvinculada da campanha presidencial do Cambiemos. Esse movimento respalda setores do partido a pleitearem a candidatura à vice-presidência ou até mesmo à presidência na coalizão.

Embora Cornejo afirme que não há um nome do radicalismo para disputar a presidência, o jornal La Nación aponta Martín Lousteau como o nome preferido das lideranças do partido. Lousteau atualmente é o embaixador argentino nos EUA e já foi ministro da Economia nos primeiros cinco meses de governo de Cristina, quando a UCR ainda fazia parte da base kirchnerista.

Apesar do impasse que o radicalismo tem gerado na base governista, o Cambiemos ainda não confirmou se realizará eleições internas. Segundo Cornejo, uma eleição interna pode desestabilizar ainda mais o governo e a economia, sendo mais fácil aceitar uma candidatura de Macri. No entanto, o radicalismo vê como estratégico que a chapa seja fechada com alguma liderança do interior do país e de outro partido. A atual vice-presidente Gabriela Michetti também bonaerense e membro do PRO.

As divergências na base governista deixam o cenário imprevisível para as eleições de outubro, visto que também não há certeza nas candidaturas de oposição. Cristina aparece como o principal nome, liderando as duas últimas pesquisas eleitorais, uma do instituto Federico González y Asociado e outra do Centro de Estudios de Opinión Pública — CEOP. Porém, o processo que enfrenta na justiça gera temor na base kirchnerista de uma possível prisão.

Sem a candidatura de Cristina, Macri mesmo com a maior rejeição, lidera as pesquisas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Além da desaprovação popular, Macri é contestado na própria base - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV