Argentina vive a terceira greve geral contra a política econômica de Macri

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Junho 2018

É a terceira paralisação trabalhista convocada nos últimos 15 meses. Os sindicatos são contra o ajuste fiscal exigido pelo Fundo Monetário Internacional.

A Argentina está novamente paralisada. Os sindicatos convocaram uma greve geral de 24 horas, com a qual desafiarão novamente o presidente Mauricio Macri por sua política econômica. Será a terceira que enfrenta durante seu mandato. Dessa vez, são contra o acordo feito pelo Governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para um resgate de 50 bilhões de dólares (190 bilhões de reais) que permitirá ao país enfrentar a crise cambiária iniciada em abril e que obriga a Argentina a aplicar um duro ajuste fiscal.

A informação foi publicada por El País, 25-06-2018.

Os organizadores calculam que pelo menos um milhão de trabalhadores aderiu à greve na segunda-feira que deixará o país sem serviço de trens, metrô, ônibus e voos. Ainda que a convocatória da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) limite-se a uma paralisação de atividades, sem manifestações, setores mais radicais anunciaram que cortarão os acessos à cidade de Buenos Aires com mobilizações.

Com um mal-estar crescente pela situação econômica, que obrigou o Governo a fazer um acordo com o FMI, essa será a ocasião de medir a capacidade de resistência sindical. Os sindicatos protestam também pelo aumento de tarifas e pedem o fim das demissões da administração pública. Como proposta concreta, os sindicatos pedem a reabertura da negociação de ajustes salariais desse ano, para que se alinhem à projeção de inflação, calculada agora pelo Banco Central em 27%, já que as negociações realizadas no começo do ano fizeram um cálculo de 15%.

Desde a meia-noite, os ônibus não circulam pelas grandes cidades e poucos táxis andam pelas ruas, informa a agência EFE. Também é quase inexistente a circulação de caminhões e em Buenos Aires o trem de mercadorias que faz a ligação entre os dois setores do porto também não funciona. A greve também afetará as entidades bancárias, os escritórios, hospitais (com exceção das urgências) e escolas e universidades públicas, assim como os serviços de retirada de lixo e as estações de serviço.

A paralisação decretada pela peronista CGT ganhou a adesão da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA) e a CTA-Autônoma, uma das divisões da CTA, também atendeu ao chamado da CGT. Partidos de esquerda de oposição convocaram os trabalhadores a uma concentração às 11h da manhã no Obelisco, localizado na avenida 9 de julho de Buenos Aires.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina vive a terceira greve geral contra a política econômica de Macri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV