Católicos conservadores chamam de “Reforma Autêntica” movimento para “consertar” as falhas da Igreja

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Segunda onda da covid-19 no Brasil é ‘risco iminente’, alerta Nicolelis

    LER MAIS
  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Como o desumano entrou no humano. Artigo de Marco Revelli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Outubro 2018

Uma reunião de católicos conservadores que querem “Reforma Autêntica” em resposta aos mais recentes escândalos de abuso sexual da Igreja terminou com planos para uma declaração e um apelo para que organizações com ideias semelhantes se unissem para forçar os líderes da Igreja a agir contra padres e bispos sexualmente ativos, bem como aqueles que abusam de menores.

A reportagem é de Heidi Schlumpf, publicada por National Catholic Reporter, 05-10-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Enquanto alguns pediram mudanças na lei canônica para permitir mais supervisão leiga na governança da Igreja, outros admitiram que era improvável e, em vez disso, instaram os participantes - muitos deles doadores ricos - a usar sua autoridade moral como católicos batizados para efetuar a mudança, retendo doações e pressionando os bispos a exigir uma investigação independente do Vaticano da Igreja dos EUA.

“Não podemos ficar esperando que a liderança da nossa Igreja varra essa sujeira para debaixo do tapete, esperando que a gente esqueça disso”, disse Timothy Busch, o empresário milionário que fundou o Napa Institute, patrocinador do evento da “Reforma Autêntica” em Washington, DC.

“Não vamos esquecer disso”, disse ele. “Vamos levá-los à justiça, removê-los e restaurar nossa Igreja à santidade”.

Conhecido por suas conferências anuais na região vinícola da Califórnia, o Napa Institute combina teologia conservadora e economia liberal, com ênfase em apologética, ética sexual e antissecularização contracultural. Todos estavam em exibição na “Reforma Autêntica”, com uma lista de oradores e convidados católicos conservadores de grande nome.

A conferência, realizada de 1 a 2 de outubro, atraiu mais de 250 participantes, quase todos católicos conservadores. Alguns estavam preocupados com os fiéis, outros eram ricos católicos ligados a Napa ou organizações relacionadas, enquanto outros ainda eram líderes de ministérios procurando se relacionar com doadores.

Em seu discurso de abertura, Busch observou que havia trabalhado na Fundação Papal com o ex-cardeal Theodore McCarrick - agora acusado de má conduta sexual com seminaristas e abuso sexual de pelo menos uma criança.

“Eu realmente não sabia o que estava acontecendo”, disse Busch sobre McCarrick, chamando as alegações contra o ex-arcebispo de Washington de “pavorosas” e “muito assustadoras”.

“Isso preciso parar. E nós, os leigos, vamos fazer parar. E vamos fazê-lo independentemente do que a lei civil e canônica disser”, disse Busch.

“Se não toleramos isso em nossos próprios negócios, não podemos tolerar isso em nossa Igreja”, disse Busch, acrescentando que ele terá respeito por padres e bispos “na medida em que eles estão em conformidade com a perspicácia e o comportamento comercial normal”.

Embora a “Igreja monárquica” seja a guardiã do magistério, esses líderes da Igreja não são tão “ligeiros” quanto os líderes leigos, disse Busch, descrevendo o Napa como “não desonestos”, mas também “dentro da Igreja burocrática”.

Um painel de bispos contou com a participação do bispo Robert Morlino de Madison, Wisconsin; do arcebispo Samuel Aquila, de Denver; e do cardeal Gerhard Müller, da Alemanha, o polêmico ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Os três foram apresentados como “o novo grupo papal”.

Durante esse painel, Morlino expressou preocupação com o recém-formado Better Church Governance Group (“Grupo para Melhor Governança da Igreja”, em tradução livre), que planeja um “Relatório do Chapéu Vermelho” após investigar e graduar cada um dos cardeais eleitores antes do próximo conclave. Mais tarde, Morlino disse ao NCR que havia falado “de improviso” e que tinha apenas preocupações gerais sobre grupos “não-canônicos”.

A “Reforma Autêntica” foi gratuita para os participantes da conferência anual de três dias “Principled Entrepreneurship”, do Napa, sediado em conjunto com a escola de negócios da Catholic University of America. Caso contrário, a taxa de inscrição seria de 500 dólares.

Mas o evento da reforma foi organizado principalmente pelo Augustine Institute, a organização de Denver dedicada à “nova evangelização”. O presidente do Augustine Institute, Tim Gray, moderou a maior parte do dia.

Gray chamou o “verão da humilhação católica” - não apenas revelações sobre McCarrick, mas o relatório do grande júri da Pensilvânia e as acusações de encobrimento do Vaticano pelo arcebispo Carlo Maria Viganò - uma “crise de fé”.

“Temos a responsabilidade não apenas de reclamar dos fracassos da Igreja, mas de corrigi-los”, disse Gray na recepção de abertura, observando que “raiva justa” era uma resposta apropriada e que a falta de raiva dos “nossos pastores” era desconcertante.

“A raiva justa é proporcional ao seu amor”, disse Gray, esclarecendo que o grupo não estava atacando a Igreja, mas oferecendo uma “crítica no amor”.

Gray enfatizou a importância de soluções construtivas, chamando o Napa não apenas de think-tank, mas de “do-tank” [não apenas um grupo de 'pensar', mas de 'fazer', ndt].

Entre as sugestões práticas que surgiram das discussões de pequenos grupos estavam “mandar mensagens para bispos”, redirecionando contribuições financeiras para os pobres até que mudanças desejadas acontecessem e encorajando a “correção fraterna”, na qual padres e bispos instam seus irmãos que são sexualmente ativos - sejam eles homossexuais ou heterossexuais - para retornar à castidade ou deixar o sacerdócio.

“Fiquei confuso, realmente atordoado, com o quão reticentes a grande maioria de nossos bispos e padres são em confrontar uns aos outros sobre suas perigosas palavras e ações”, disse Patrick Lencioni, autor de vários livros de negócios best-sellers e cofundador da Amazing Parish, que fornece consultoria de liderança para as paróquias.

Lencioni e Gray também apresentaram uma lista de 10 apostolados leigos - todos eles partem da “nova evangelização” - que eles acreditam que deveriam se unir para uma maior eficácia na busca da reforma.

Eles incluíram: a Amazing Parish, o Augustine Institute, o Catholic Leadership Institute; o Catholics Come Home, o Dynamic Catholic, o Evangelical Catholic, a Fellowship of Catholic University Students, ou FOCUS; o Napa Institute, o Real Life Catholic e o Walking With Purpose.

Vários oradores reconheceram que os líderes da Igreja tinham feito um bom trabalho ao abordar o abuso sexual de menores com a carta e as normas de Dallas de 2002, e pensavam que agora era necessária uma reforma para abordar a má conduta sexual com adultos. A preocupação com a atividade homossexual era fundamental, com uma sessão inteira dedicada ao “Problema da Homossexualidade”.

Nessa apresentação, Janet Smith, que tirou licença como professora do Sacred Heart Major Seminary em Detroit para tratar do escândalo, estimou, usando várias fontes de credibilidade variada, que de 50 a 60% dos padres quebram seus votos de celibato e que aproximadamente 30% dos bispos são “homossexuais ativos”. Ela também se referiu aos “padres gays” que atacam outros homens.

“Quase todos os bispos foram complacentes de alguma forma. Eles olharam para o outro lado”, disse ela sobre o que ela chama de “o elefante na diocese”: uma rede de padres homossexuais ativos que protegem um ao outro, avançam um ao outro e controlam o que acontece em uma diocese.

Smith, que admitiu estar “obcecada” com o atual escândalo, propôs dois planos de ação: ou auditorias diocesanas conduzidas por leigos que assistem os bispos, ou por defensores leigos, que trabalhariam com as vítimas.

Smith também recomendou que os padres sexualmente ativos deixassem o sacerdócio, mas sugeriu que as dioceses poderiam ajudá-los com educação ou formação profissional. Ela reconheceu que isso significaria, pelo menos inicialmente, menos padres.

“Você vai ter que assistir à missa em um estádio algumas vezes por semana para todos: eu digo para fazerem isso, particularmente”, disse ela entre aplausos. “Eles terão muitos anos difíceis, mas então haverá um influxo de jovens fantásticos.”

Gray também elogiou a “nova geração de bons padres”, que muitas vezes vêm de famílias que dão instrução escolar em casa e que “ensinam a verdade”.

Uma sugestão de que Smith faça sua apresentação aos bispos dos EUA em sua reunião de novembro recebeu aplausos.

No entanto, apesar das promessas de “retorno do investimento” e ênfase em soluções, grande parte do evento, que durou um dia inteiro, focou em santidade pessoal e a necessidade de penitência universal por parte dos católicos, com quase todos os oradores observando que “somos todos pecadores”.

Mas alguns participantes responderam negativamente aos pedidos de expiação universal. “Eu não quero que os bispos se desculpem por mim, eu quero que eles se desculpem comigo”, disse um participante.

Enquanto Gray pediu uma ênfase na reparação, talvez durante a Quaresma, Lencioni observou que os atos públicos de expiação pelos bispos “pareciam uma cortina de fumaça” para ele.

Em uma provocativa homilia na missa de abertura da conferência, Morlino pediu para que um “ódio zeloso do mal” se apossasse da Igreja.

“Fala-se muito de amor na Igreja e muito pouco do ódio ao mal”, disse ele. “O atual escândalo em que nos encontramos é o resultado da fraqueza do ódio ao mal.”

Observando a conexão entre o ódio ao mal e o temor ao Senhor, o bispo explicou que odiar o pecado é uma maneira de amar o pecador. “É um ato de amor odiar o pecado e um ato de misericórdia para advertir o pecador a se afastar do pecado.”

Gray também observou que “a misericórdia para com os lobos é crueldade para com as ovelhas”.

Mas o ex-senador dos EUA Rick Santorum, da Pensilvânia, que compareceu à recepção de abertura na noite de 1º de outubro, alertou contra ser considerado “odioso”, o que ele disse ser “um assassino do nosso movimento”.

“Um dos principais elementos daqueles que vão se opor a nós é tentar retratá-los como odiosos e julgadores”, disse Santorum, observando que o “outro lado”, especialmente a mídia e os que estão fora da Igreja, reagirá contra esse movimento de reforma.

“O que fará a diferença nesse movimento não é o quanto odiamos o mal... mas o quanto mostramos em tudo o que fazemos o quanto amamos”, disse ele.

Embora não tenha havido ataques diretos ou pessoais ao Papa Francisco, uma pergunta de um representante do LifeSiteNews, um site de defesa da direita, levantou a questão do encobrimento “de cima para baixo” durante uma sessão de Perguntas e Respostas com Gray e Lencioni.

Lencioni observou que “a autoridade moral do Papa Francisco foi grandemente manchada e danificada, sem dúvida”.

Gray enfatizou a necessidade de uma investigação do Vaticano, o que Francisco permitiu no Chile e em Guam, mas ainda não nos EUA. Mas ele também observou que “a virada da Igreja não depende do Papa”.

Busch também defendeu Viganò, que pediu a renúncia de Francisco por supostamente encobrir McCarrick. Inicialmente, Busch havia dito ao New York Times que Viganò compartilhou sua agora famosa carta ou “testemunho” com ele antes de ser publicada por um jornal de propriedade da EWTN. Busch, que está no conselho da EWTN, mais tarde negou ter visto essa carta de antemão.

“Não podemos mais permitir que o Vaticano consiga se safar disso”, disse Busch na conferência, acrescentando que não importa se o Papa Francisco “originou” ou simplesmente permitiu que “bispos corruptos” operassem no Vaticano.

Viganò nos deu uma agenda. Precisamos seguir essas pistas e levar isso adiante”, disse ele.

O papel dos leigos foi enfatizado na conferência, com alguns documentos de referência do Concílio Vaticano II.

Scott Hahn, membro do Opus Dei, observou que, depois que McCarrick deixou o Colégio Cardinalício, alguns conclamaram a laicização como uma punição mais forte.

“Pense nisso: o que isso implica? O que as pessoas pensam sobre os leigos?”, disse ele.

Mas havia pouca, se é que alguma, sugestão de que esse grupo pudesse ser parceiro de católicos progressistas nessa questão, e referências a “vencer” em uma luta contra inimigos eram comuns. Disse um participante: “Não é uma crise. É quase uma guerra, e nós precisamos lutar contra isso”.

Um tanto ironicamente, nessa conferência respondendo ao abuso sexual e à má conduta na Igreja, Busch elogiou Brett Kavanaugh, indicado à Suprema Corte dos EUA, que foi acusado de agressão sexual por várias mulheres.

Busch destacou o convidado do café da manhã, Leonard Leo, vice-presidente executivo da Federalist Society, que tem acompanhado a indicação de Kavanaugh.

“Com esse novo juiz, teremos os tribunais pelos próximos 40 anos”, disse Busch. “E com 51 votos no Senado, vamos ver algumas mudanças.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Católicos conservadores chamam de “Reforma Autêntica” movimento para “consertar” as falhas da Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV