Irlanda. Depois do primeiro dia, Papa foi "incompleto" em relação a crise de abusos

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

  • "Coquetel" com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios – consulte o seu

    LER MAIS
  • 17 de abril: as marcas de um massacre

    LER MAIS
  • Carta aberta das Pastorais Sociais do Campo ao Governo e à sociedade brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Agosto 2018

Até certo ponto, é injusto reduzir a visita do Papa Francisco à Irlanda neste fim de semana inteiramente a um referendo sobre o manejo dos escândalos de abuso sexual clerical da Igreja.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada por Crux, 26-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Para começar, o pontífice está no país para dar o fechamento do Encontro Mundial das Famílias que reuniu católicos de 116 países diferentes. Eles representam uma variedade impressionante de origens e experiências, e o papa sem dúvida se sente obrigado a de alguma forma alcançar todos eles.

Por outro lado, enquanto os escândalos de abuso são um enorme desafio para a Igreja na Irlanda, é dificilmente o único. Muitos católicos aqui ainda estão se recuperando de uma derrota num referendo nacional para legalizar o aborto, as taxas de frequência na missa e de vocações ao sacerdócio e a vida religiosa estão baixas, a mudança econômica criou novas divisões sociais, há incerteza sobre as relações com a Irlanda do Norte devido ao Brexit, as brasas de um conflito católico / protestante que alimentou “As Perturbações” [conflito violento da segunda metade do século XX] às vezes ardem ainda, e assim por diante.

O panorama social muitíssimo alterado em comparação com a última vez que um papa esteve aqui quase 40 anos atrás estava visível: entre outras coisas, as multidões que lotavam as ruas da cidade enquanto Francisco se movia por Dublin eram relativamente menores. Quando João Paulo II chegou, em 1979, cerca de 2,5 milhões de pessoas o viram de uma forma ou de outra, ou seja, mais da metade do país; provavelmente nada comparável acontecerá desta vez.

No contexto atual, no entanto, tudo isso está ficando em segundo plano.

Dada a dolorosa história da Irlanda sobre os escândalos de abusos clericais, combinada com as recentes revelações sobre o Chile, o cardeal Theodore McCarrick e o relatório de um grande júri da Pensilvânia, é inevitável que o teste da viagem seja quanto ao sucesso de Francisco ao lidar com a crise dos abusos.

Se Francisco tinha alguma ilusão sobre isso, foi dissipado quando foi recebido na Irlanda pelo primeiro-ministro abertamente gay Leo Varadkar, que se tornou o mais novo irlandês a ocupar o cargo quando foi empossado, um ano atrás, aos 38 anos de idade.

Varadkar recordou publicamente a história da Igreja sobre os escândalos de abuso e convocou o pontífice a agir.

"No lugar da caridade cristã, perdão e compaixão, muitas vezes havia julgamento, severidade e crueldade, em particular, para com as mulheres e crianças e as pessoas marginalizadas", disse Varadkar. “As feridas ainda estão abertas e há muito a ser feito para trazer justiça, verdade e cura para vítimas e sobreviventes.”

"Santo Padre, peço que você use seu escritório e influência para garantir que isso seja feito aqui na Irlanda e em todo o mundo", disse ele.

O quanto Francisco consegue satisfazer as expectativas do público só pode ser avaliado no final da viagem, depois de termos visto tudo o que ele disser e fazer.

Por outro lado, é justo dizer que seu discurso aos políticos, diplomatas e sociedade civil no sábado foi o local mais natural para levantar o assunto e pode ser seu tratamento mais desenvolvido em suas 32 horas no país. Esse discurso também foi seu primeiro na Irlanda limpando o ar, significando que, presumivelmente, ele iria querer incluir os pontos mais importantes que ele pretende fazer.

A julgar por esse discurso, Francisco apareceu para entregar um pouco, mas não tudo, o que os sobreviventes e reformadores estão clamando para ouvir.

Pelo lado positivo, ele claramente usou a palavra “crimes” para se referir a incidentes de abuso sexual infantil, chamando-os de “repugnantes”. A forma como os líderes da Igreja preferiram usar termos como “pecado” e “fracasso” em vez de ‘crime’ muitas vezes atingiu as vítimas como espiritualizando o que é realmente um ato criminoso pelo qual a punição é devida sob a lei civil.

Francisco também sinalizou determinação para enfrentar a crise, prometendo "um maior compromisso para eliminar este flagelo na Igreja - a qualquer custo", em uma frase que representou uma adição às suas observações preparadas.

Pode ter sido um erro estratégico que Francisco se associasse à carta do Papa emérito Bento XVI aos católicos irlandeses de 2010, uma vez que é lembrada aqui como uma decepção por parecer culpar exclusivamente os bispos locais sem reconhecer qualquer responsabilidade por parte do Vaticano ou do papado.

Também não escapou à atenção de muitos comentaristas que, apesar da retórica encorajadora, o papa realmente não ofereceu nenhum novo detalhe concreto sobre o que “eliminar este flagelo” pode significar na prática.

Um grupo de defesa das vítimas de abuso clerical chamou o discurso de "oportunidade perdida". Falando ao Crux, o sobrevivente e executivo da Anistia Internacional, Colm O’Gorman, foi além: "Mais uma vez o papa falhou em dizer a verdade", disse ele.

O One in Four Group disse que Francisco não anunciou quaisquer “mudanças tangíveis na lei ou na política do Vaticano que enfrentariam os criminosos sexuais e seus protetores de maneira significativa”.

“Quão difícil seria aceitar a recomendação de sua própria Comissão de Proteção de Menores para estabelecer um conselho especial encarregado de lidar com todos os bispos e cardeais que dão blindagem e protegem os criminosos sexuais do clero?”, Perguntou o grupo.

Até mesmo o líder do principal partido conservador de oposição da Irlanda, Micheál Martin, do partido conservador irlandês Fianna Fáil, entrou em cena dizendo aos repórteres que preferiria “ações antes palavras” do pontífice.

Em particular, muitos ativistas e comentaristas irlandeses pediram a Francisco que explicasse como ele vai preencher o que é percebido como uma “lacuna de responsabilização”, não tanto pelo crime de abuso, mas pelo encobrimento.

O consenso é de que, embora o catolicismo tenha adotado fortes medidas para a prevenção, detecção e denúncia de abuso, ele ainda não tem “normas rigorosas”, para usar uma frase que Francisco empregou no sábado, para bispos e outros superiores que fecham os olhos para acusações de abuso ou que procuram ativamente escondê-las.

O padre Declan Marmion, decano de teologia no seminário nacional irlandês de Maynooth, parecia falar por muitos, escrevendo no The Times na manhã de sábado.

"Precisamos esperar para ver se o novo começo que sua eleição representa para a Igreja se traduzirá em estruturas robustas de prestação de contas não apenas para aqueles que cometeram tais crimes, mas também para aqueles que os encobriram".

Pelo menos até agora, nada disso parece estar acontecendo em Dublin - e se continuar assim até a partida do pontífice no domingo à noite, então suas 32 horas na Emerald Isle poderão ser lembradas aqui como ambíguas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Irlanda. Depois do primeiro dia, Papa foi "incompleto" em relação a crise de abusos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV