Aderir ao acordo de Paris pode reduzir significativamente as mortes causadas pelo calor no verão

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Julho 2018

Nas principais cidades europeias, a estabilização do aquecimento do clima a 1,5 ° C diminuiria a mortalidade por calor extremo em 15-22% por verão em comparação com a estabilização a 2°C.

O artigo é de University of Bristol, publicado por EcoDebate, 03-07-2018. A tradução é de Henrique Cortez.

Eis o artigo.

Artigo [Extreme heat-related mortality avoided under Paris Agreement goals], publicado esta semana na revista Nature Climate Change, demonstra que a mortalidade devido a altas temperaturas pode ser significativamente reduzida (15-22 por cento por verão) em Londres e Paris se estabilizarmos o clima no nível mais baixo dos Objetivos Climáticos de Paris, ou 1,5°C, em comparação com a meta de temperatura mais alta.

Em Londres, atualmente, cerca de 10% dos verões estão livres de qualquer mortalidade relacionada ao calor, mas essa pesquisa mostrou que, sob uma possível mudança climática futura, praticamente todos os verões terão alguma mortalidade relacionada ao calor.

Pesquisadores de Bristol que lideram o projeto HAPPI (Projeto de Intercomparação de Modelo de Aquecimento Adicional, Prognóstico e Impacto Projetado de Meio Grau) simularam clima futuro sob metas climáticas consistentes com os objetivos climáticos do Acordo de Paris de aquecimento global de 1,5°C e 2°C. O projeto utilizou pesquisadores e cientistas cidadãos de todo o mundo para ajudar a executar os experimentos.

O Dr. Dann Mitchell, principal autor do estudo, e professor de física do clima na Universidade de Bristol, disse: “Nossos resultados mostram um claro aumento na mortalidade relacionada ao calor, que pode ser evitado através da adesão às metas do Acordo de Paris.

“Juntamente com a publicação recente de uma grande quantidade de evidências apresentadas para os fatores climáticos de outros setores de impacto (como o setor agrícola), está se tornando cada vez mais claro o quanto essas metas climáticas são cruciais.

“Precisamos entender a magnitude desses impactos na saúde, para que possamos planejar estratégias adequadas de adaptação para evitá-las”.

A pesquisa chega em um momento em que grande parte da Europa está passando por uma onda de calor e o público está sendo aconselhado a cuidar e verificar com mais regularidade os parentes e amigos vulneráveis.

Referência:

‘Extreme heat-related mortality avoided under Paris Agreement goals’ by D. Mitchell, C. Heaviside, N. Schaller, M. Allen, K. Ebi, E. Fischer, A. Gasparrini, L. Harrington, V. Kharin, H. Shiogama, J. Sillmann, S. Sippel and S. Vardoulakis in Nature Climate Change

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aderir ao acordo de Paris pode reduzir significativamente as mortes causadas pelo calor no verão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV