Estudo indica que faltam apenas quatro anos para mantermos o aumento da temperatura global em até 1.5º C

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Abril 2017

De acordo com o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, a análise demonstra, mais uma vez, a urgência de diminuir as emissões globais de gases de efeito estufa.

A reportagem é de Giovanna Leopoldi, publicada por EcoDebate, 13-04-2017.

Quatro anos de emissões atuais seriam suficientes para acabar com o que restou do orçamento de carbono para termos uma boa chance de manter o aumento da temperatura global em até 1.5º C. Essa é a conclusão da análise divulgada nesta quarta-feira, dia 5, pelo site britânico Carbon Brief, que atualizou os orçamentos de carbono do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) com a inclusão das emissões globais de CO2 em 2016.

O IPCC apresentou no passado estimativas da quantidade de CO2 que podemos emitir e ainda manter o aumento da temperatura média global para não mais de 1,5º C, 2º C ou 3º C acima dos níveis pré-industriais. Estes índices são conhecidos como orçamentos de carbono. Agora que os dados provisórios de emissões estão disponíveis para 2016, podemos ver como os orçamentos estão após mais um ano de emissões.

Para cada limite de temperatura há três orçamentos, cada um correspondendo a uma probabilidade diferente de ficar abaixo desse limite: 66%, 50% e 33%. Estritamente falando, estas não são probabilidades, mas a proporção de todas as simulações do modelo que se mantêm aquecendo abaixo desse limite de temperatura.

De acordo com o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, a análise demonstra, mais uma vez, a urgência de diminuir as emissões globais de gases de efeito estufa. Apesar das emissões terem se mantido as mesmas nos últimos três anos, se seguirmos a atual taxa de emissões, a maior probabilidade (66%) é de que tenhamos apenas quatro anos e um mês restantes para o orçamento de 1,5º C.

“Chegamos em 2017 com o relógio do aumento da temperatura cada vez mais apertado. Precisamos acelerar a implementação do Acordo de Paris, senão o mundo corre o risco de chegar em 2021, o primeiro ano do acordo, com a meta de 1,5º C já vencida”, comenta Nahur se referindo ao objetivo do Acordo de manter o aumento de temperatura em 2º C, com esforços para que não ultrapasse o 1.5º C.

A implementação do Acordo de Paris no Brasil e no Mundo e a redução de emissões foram tema de Audiência Pública no Senado na quarta-feira, dia 5, diante das últimas medidas adotadas pelos governos nacionais. A segunda reunião da Comissão Mista de Mudanças Climáticas tratou de questões envolvendo o cenário nacional e internacional, além de discutir as perspectivas para a COP23 em Bonn, na Alemanha.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudo indica que faltam apenas quatro anos para mantermos o aumento da temperatura global em até 1.5º C - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV