Aquecimento global e emissão de gases do efeito estufa alcançam níveis recordes

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa deixou claro que não pensa em renunciar

    LER MAIS
  • Não se vence a crise com a economia. Artigo de Edgar Morin

    LER MAIS
  • A tropa de Temer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

03 Agosto 2016

O ano de 2015 bateu um novo recorde em emissão de gases do efeito estufa e aumento das temperaturas no planeta, depois de um 2014 que já havia alcançado marcas históricas e fez disparar os alarmes sobre os efeitos da mudança climática. O relatório O Estado do Clima, realizado todos os anos pela Agência Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA (conhecida de modo geral por sua sigla em inglês, NOAA), expõe em sua última edição uma tonelada de dados que levam a uma conclusão inquietante: avizinham-se mais secas e mais inundações, e está constatado o degelo dos polos.

A reportagem é de Amanda Mars, publicada por El País, 02-08-2016.

Segundo essa agência, o fenômeno cíclico El Niño, relacionado com o aquecimento do Pacífico, foi no ano passado o mais forte desde pelo menos 1950, o que contribuiu, junto com o aquecimento global, para que pela primeira vez fosse superada em mais de um grau centígrado a temperatura média de meados do século XVIII, que é o período que se considera representativo das condições de vida pré-industriais.

Com relação a um 2014 já recorde, o aumento alcançou 0,1 grau centígrado. E 2016 também aponta para máximas preocupantes, já que os seis primeiros meses foram os mais quentes em décadas.

"El Niño foi no ano passado uma clara recordação de como os acontecimentos de curto prazo podem amplificar a influência relativa e os impactos que procedem das tendências de longo prazo no aquecimento global", afirma o documento.

O extenso relatório da NOAA, elaborado por 450 cientistas de todo o mundo e divulgado nesta terça-feira, assinala também que o nível dos oceanos está 70 milímetros acima do de 1993. Perto do equador, no ano passado o número de tempestades com nome também supera em boa medida a média anual do período 1981-2010. E a temperatura do Ártico foi 1,2 grau superior à desses mesmos anos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Aquecimento global e emissão de gases do efeito estufa alcançam níveis recordes