Estudo prevê um mundo significativamente mais seco se o aquecimento global chegar a 2ºC

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os africanos devem se livrar do desejo da Europa”. Artigo de Achille Mbembe

    LER MAIS
  • “Colocar a própria vida em jogo”. Papa Francisco no Panamá em diálogo com os jesuítas da América Central

    LER MAIS
  • Os evangélicos e o poder na América Latina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Janeiro 2018

Mais de um quarto das terras do mundo poderiam se tornar significativamente mais secas se o aquecimento global chegar ao 2C – de acordo com novas pesquisas de uma equipe internacional.

O texto foi elaborado por University of East Anglia, publicado por EcoDebate, 04-01-2018. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

A mudança causaria uma maior ameaça de seca e incêndios florestais. Mas limitar o aquecimento global a menos de 1,5 ° C reduziria drasticamente a fração da superfície da Terra que sofre tais mudanças.

Os resultados, publicados em Nature Climate Change, são o resultado de uma colaboração internacional liderada pela Southern University of Science and Technology (SUITECH) em Shenzhen, China e UEA.

A aridez é uma medida da secura da superfície terrestre, obtida pela combinação de precipitação e evaporação. A equipe de pesquisa estudou projeções de 27 modelos climáticos globais para identificar as áreas do mundo onde a aridez mudará substancialmente quando comparada às variações ano-a-ano que experimentam agora, já que o aquecimento global atinge 1.5°C e 2°C acima dos níveis pré-industriais.

O Dr. Chang-Eui Park, da SusTech, um dos autores do estudo, disse: “A aridificação é uma séria ameaça porque pode afetar criticamente áreas como agricultura, qualidade da água e biodiversidade. Também pode levar a mais secas e incêndios florestais – semelhante àqueles que viram intensidade pela Califórnia.”

“Outra maneira de pensar sobre o surgimento da aridificação é uma mudança para condições contínuas de seca moderada, sobre as quais a variabilidade futura do ano para o ano pode causar uma seca mais grave. Por exemplo, em tal cenário, 15% dos semiáridos as regiões realmente experimentariam condições semelhantes aos climas “áridos” hoje “.

O Dr. Manoj Joshi da Escola de Ciências Ambientais da UEA disse: “Nossa pesquisa prevê que a aridificação surgirá em cerca de 20 a 30% da superfície terrestre do mundo no momento em que a mudança de temperatura média global atinge 2C. Mas dois terços das regiões afetadas poderiam evite uma aridificação significativa se o aquecimento for limitado a 1,5 ° C “.

O Dr. Su-Jong Jeong, da SusTech, disse: “O mundo já se aqueceu no 1°C. Mas, ao reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C ou 2°C, poderia reduzir a probabilidade de uma aridificação significativa emergir em muitas partes de o mundo.”

A severidade da seca aumentou em todo o Mediterrâneo, África do Sul e a costa leste da Austrália ao longo do século XX, enquanto as áreas semiáridas do México, Brasil, África do Sul e Austrália tendem a desertificação há algum tempo, já que o mundo tem aquecido.

O professor Tim Osborn, da UEA, disse: “As áreas do mundo que se beneficiarão mais de manter o aquecimento abaixo de 1,5 ° C são partes do Sudeste Asiático, Europa do Sul, África Austral, América Central e Austrália do Sul – onde mais de 20% da população mundial vive hoje “.

###

Este trabalho faz parte de uma parceria entre a Universidade de East Anglia (UEA) e The Southern University of Science and Technology (SUSTech).

Referência:

Chang-Eui Park, Su-Jong Jeong, Manoj Joshi, Timothy J. Osborn, Chang-Hoi Ho, Shilong Piao, Deliang Chen, Junguo Liu, Hong Yang, Hoonyoung Park, Baek-Min Kim, Song Feng. Keeping global warming within 1.5 °C constrains emergence of aridification. Nature Climate Change, 2018; DOI: 10.1038/s41558-017-0034-4. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudo prevê um mundo significativamente mais seco se o aquecimento global chegar a 2ºC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV