Perda de massa de gelo no Ártico russo quase dobrou na última década

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Maio 2018

A perda de massa de gelo no Ártico russo quase dobrou na última década, de acordo com pesquisa da Universidade Cornell publicada na revista Remote Sensing of Environment.

A pesquisa foi produzida por Blaine Friedlander, Cornell Chronicle e Cornell University, publicada pela revista Remote Sensing of Environment e reproduzida por EcoDebate, 27-04-2018.

A pesquisa concentrou-se em Franz Josef Land, um arquipélago russo dos mares de Kara e Barents – entre as terras mais remotas e mais setentrionais da Terra.

“As geleiras estão encolhendo por área e por altura. Estamos vendo um aumento na velocidade recente de perda de gelo, quando comparado com a taxa de perda de gelo a longo prazo”, disse o pesquisador-chefe Whyjay Zheng, doutorando em geofísica da Cornell University. “Estamos descobrindo que o gelo está mudando mais rapidamente do que pensávamos anteriormente”, disse Zheng. “A temperatura está mudando no Ártico mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo.”

De 1953 a 2010, a taxa média de perda de superfície do gelo foi de 18 centímetros por ano. De 2011 a 2015, a redução da superfície do gelo foi de 32 centímetros por ano, o que é uma perda de água de 4,43 gigatoneladas por ano, disse Zheng. Em termos de perspectiva, essa quantidade de água elevaria o nível do lago Cayuga – o mais longo dos lagos do Estado de Nova York, a 38 milhas – por 85 pés e inundaria as cidades de Ithaca e Seneca Falls.

O Ártico tem se aquecido nas últimas décadas, mas as geleiras em toda a região estão respondendo de maneiras diferentes. “Estudos anteriores mostraram que as geleiras no norte do Canadá parecem estar encolhendo a um ritmo mais rápido do que em algumas partes do norte da Rússia”, disse Matt Pritchard, professor de geofísica da Cornell.

“Nosso trabalho examina mais de perto as geleiras russas para entender por que elas podem estar respondendo a um aquecimento ártico diferentemente das geleiras em outras partes do Ártico. Por que os glaciares em Franz Josef Land estão encolhendo mais rapidamente, entre 2011 e 2015, está possivelmente relacionado às mudanças de temperatura oceânica “, disse Pritchard.

Na Ilha de Franz Josef Land, uma imagem do Landsat 7, à esquerda, de 17 de julho de 2002, mostra uma forte cobertura de gelo em terra e no mar ao redor. A imagem do Landsat 8, no meio, de 23 de setembro de 2013, revela muito menos a cobertura de gelo, enquanto uma imagem do Landsat 8, à direita, de 12 de setembro de 2016, ficou com menos cobertura de geleiras. (Foto: Divulgação da Pesquisa)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perda de massa de gelo no Ártico russo quase dobrou na última década - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV