Após inverno mais quente da história, Ártico tem diminuição recorde na camada de gelo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Março 2015

Na última quinta-feira, 19 de março, o Ártico deu mais uma vez um alerta para os efeitos das mudanças climáticas, chegando ao menor índice de gelo já registrado durante o inverno. O anúncio vem depois de um fevereiro extremamente quente na Rússia e no Alasca e de notícias de que 2014 foi ano com temperatura mais alta desde o início das medições.

A reportagem é publicada por WWF Brasil, 23-03-2015.

De acordo com o americano Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo, a camada diminuiu 1,1 milhão de quilômetros quadrados em comparação à média máxima medida entre 1981 e 2010. Isso representa duas vezes o tamanho da Suécia.

A situação é mais preocupante já que é durante o inverno escuro que as águas congelam até que o gelo marinho atinja seu ponto máximo em março. O crescimento pequeno e lento de gelo conforme anunciado faz com que haja menos gelo disponível para refletir o sol. Com isso, o mar absorve mais calor, agravando ainda mais as condições de gelo ao longo do tempo e ameaçando a biodiversidade da região e com reflexos em todo planeta.

“A mudança climática não vai parar no Círculo Ártico. A menos que façamos cortes dramáticos em gases poluentes, vamos acabar com um clima que é irreconhecível, imprevisível, e prejudicial para os sistemas naturais e as pessoas”, disse Samantha Smith, Líder da Iniciativa Global em Clima e Energia do WWF.

Um convite a pensar no planeta

Para alertar a população para os efeitos das mudanças climáticas, o WWF promove anualmente a Hora do Planeta. O evento é um convite para as pessoas desligarem suas luzes por uma hora e pensarem em como podem contribuir para melhorar a situação do planeta. Participe! Esse ano, a Hora do Planeta acontece dia 28 de março, das 20h30 às 21h30.

E, para quem estiver no Rio de Janeiro, esse ano acontecerá um grande evento com shows de Playing For Change, Hamilton de Holanda, Rodrigo Sha, Eduardo Neves e DJ Nado Leal na praia de Ipanema. O show acontece a partir das 16h e é gratuito. Veja os detalhes e confirme sua presença em http://on.fb.me/1BuEP88

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após inverno mais quente da história, Ártico tem diminuição recorde na camada de gelo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV