Modelos de comportamento humano alteram as mudanças climáticas projetadas

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Janeiro 2018

As mudanças no comportamento humano em resposta às mudanças climáticas, como a instalação de painéis solares ou isolantes, alteram as emissões de gases de efeito estufa. Um novo estudo, pela primeira vez, mede os efeitos dessas “emissões ajustadas ao comportamento” no clima.

O texto foi elaborado por National Institute for Mathematical and Biological Synthesis (NIMBioS), publicado por EcoDebate, 05-01-2018. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Os seres humanos podem ser a causa dominante do aumento da temperatura global, mas também podem ser um fator crucial para ajudar a reduzi-lo, de acordo com um novo estudo que, pela primeira vez, constrói um modelo inovador para medir os efeitos do comportamento sobre o clima.

Com base na psicologia social e na ciência climática, o novo modelo investiga como as mudanças comportamentais humanas evoluem em resposta a eventos climáticos extremos e afetam a mudança de temperatura global.

O modelo explica os feedbacks dinâmicos que ocorrem naturalmente no sistema climático da Terra – as projeções de temperatura determinam a probabilidade de eventos climáticos extremos, que por sua vez influenciam o comportamento humano. As mudanças comportamentais humanas, como a instalação de painéis solares ou o investimento em transportes públicos, alteram as emissões de gases de efeito estufa, que alteram a temperatura global e, portanto, a frequência de eventos extremos, levando a novos comportamentos e o ciclo continua.

Combinando projeções climáticas e processos sociais, o modelo prevê uma mudança de temperatura global variando de 3,4 a 6,2 ° C até 2100, em comparação com 4,9 ° C do modelo climático sozinho.

Devido à complexidade dos processos físicos, os modelos climáticos têm incertezas na previsão da temperatura global. O novo modelo encontrou que a incerteza de temperatura associada ao componente social era de uma magnitude semelhante à dos processos físicos, o que implica que uma melhor compreensão do componente social humano é importante, mas muitas vezes é negligenciada.

O modelo descobriu que as mudanças comportamentais de longo prazo, menos facilmente revertidas, como a isolação de casas ou a compra de carros híbridos, tiveram, de longe, o maior impacto na mitigação das emissões de gases de efeito estufa e, portanto, reduzem as mudanças climáticas, em comparação com ajustes a curto prazo, como o ajuste termostatos ou dirigindo menos milhas.

Os resultados, publicados na revista Nature Climate Change, demonstram a importância de fazer face ao comportamento humano em modelos de mudanças climáticas.

“Uma melhor compreensão da percepção humana do risco decorrente das mudanças climáticas e as respostas comportamentais são fundamentais para reduzir a mudança climática futura”, disse o autor principal Brian Beckage, professor de biologia vegetal e ciência da computação na Universidade de Vermont.

O documento foi resultado dos esforços combinados do Grupo de Trabalho Conjunto sobre Percepção de Riscos Humanos e Mudanças Climáticas no Instituto Nacional de Síntese Matemática e Biológica (NIMBioS) da Universidade do Tennessee, Knoxville e do Centro Nacional de Síntese Socioambiental (SESYNC) na Universidade de Maryland. Ambos os institutos são apoiados pela National Science Foundation. O Grupo de Trabalho de cerca de uma dúzia de cientistas de várias disciplinas, incluindo biologia, psicologia, geografia e matemática, vem pesquisando questões relacionadas à percepção de risco humano e mudanças climáticas desde 2013. Mais informações sobre o Grupo de Trabalho podem ser encontradas aqui.

“É fácil perder a confiança na capacidade de as sociedades fazerem mudanças suficientes para reduzir as temperaturas futuras. Quando iniciamos este projeto, simplesmente queríamos abordar a questão de saber se havia alguma base racional para "esperança" - isso é uma base racional para esperar que as mudanças comportamentais humanas possam afetar suficientemente o clima para reduzir significativamente as futuras temperaturas globais”, disse o diretor da NIMBioS, Louis J. Gross, co-autor do trabalho e coorganizado o Grupo de Trabalho.

“Os modelos climáticos podem facilmente fazer suposições sobre reduções nas futuras emissões de gases de efeito estufa e projetar as implicações, mas fazem isso sem base racional para respostas humanas”, disse Gross. “O resultado chave deste artigo é que, de fato, há alguma base racional para a esperança”.

Essa base para a esperança pode ser o fundamento sobre o qual as comunidades podem se basear na adoção de políticas para reduzir as emissões, disse a co-autora Katherine Lacasse, professora assistente de psicologia no Rhode Island College.

“Podemos notar mais furacões e ondas de calor do que o habitual e ficar preocupados com as mudanças climáticas, mas nem sempre conhecemos as melhores maneiras de reduzir nossas emissões”, disse Lacasse. “Programas ou políticas que ajudam a reduzir o custo e a dificuldade de fazer mudanças de longo prazo ou que trazem comunidades inteiras para fazer mudanças em longo prazo podem ajudar as pessoas a tomar grandes medidas que tenham um impacto significativo sobre o clima”.

Referência:

Beckage B. et al. 2017. Linking models of human behavior and climate alters projected climate change. Nature Climate Change. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Modelos de comportamento humano alteram as mudanças climáticas projetadas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV