Argentina. "É meio estranho e doloroso que o Papa passe sobre nós e aterrisse em outro lugar", constata bispo

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • As águas do Brasil: o que vem por aí?

    LER MAIS
  • Nicarágua. Carta urgente de Ernesto Cardenal

    LER MAIS
  • Fratura em frente neodesenvolvimentista decretou queda de Dilma, avalia Boito Jr

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2018

O porta-voz da Conferência Episcopal Argentina, Jorge Oesterheld, também se referiu ao comunicado que afirma que “ninguém pode falar em nome de Francisco”.

A reportagem é publicada por Infobae, 11-01-2018. A tradução é de André Langer.

O porta-voz da Conferência Episcopal Argentina, Jorge Oesterheld, falou sobre a visita que o Papa Francisco fará ao Chile na próxima segunda-feira e admitiu que “é meio estranho ('raro' em espanhol) e um pouco doloroso” que, estando tão perto, não visite seu país.

Falando para a Rádio Mitre, Oesterheld disse que o presidente da Conferência Episcopal viajará ao país vizinho e o vice-presidente estará no Peru durante a visita do Santo Padre à região.

Ele também admitiu que “é um pouco difícil para nós, os argentinos, digerir isso (que Francisco não venha ao país). É meio raro e um pouco doloroso que sobrevoe sobre nós e aterrisse em outro lugar”.

No entanto, Oesterheld reiterou que “o papa gosta muito do seu país e oportunamente irá encontrar um tempo para vir”, em sintonia com o comunicado divulgado na quarta-feira pela cúpula da Igreja argentina sobre esta questão.

“Temos que ter confiança de que, assim que ele puder vir para a Argentina, teremos sua presença e sua palavra. Ele está buscando o momento, tem uma agenda complicada”, acrescentou.

O porta-voz do Episcopado também criticou aqueles que “dizem falar” em nome do Santo Padre. Assegurou que “vemos que há muito ruído em torno da figura do papa”, e que muitos deles “se atribuem representações que não são reais”.

Em relação à Igreja argentina, enfatizou que ela também não pode falar em nome de Francisco: “Nós falamos em nome da Igreja e tentamos acompanhar o que o papa nos ensina. Não somos os donos da palavra do papa”.

“A Igreja também não pode falar em nome do papa; nós apenas repetimos sua mensagem e procuramos agir para que chegue o mais clara possível”, disse Oesterheld.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. "É meio estranho e doloroso que o Papa passe sobre nós e aterrisse em outro lugar", constata bispo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV