Patriarcado Ecumênico esclarece: não muda a forma de receber a Sagrada Comunhão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um futuro social-ecológico? As alianças verdes-rosas-vermelhas nas eleições francesas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Junho 2020

O Patriarcado Ecumênico esclareceu, por meio de sua equipe de comunicação, que não haverá mudança na forma como a Sagrada Comunhão é recebida.

A reportagem é de Ecumenical Patriarchate, 27-06-2020. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Após dúvidas sobre o uso de colheres múltiplas ou descartáveis durante o Sacramento da Sagrada Comunhão, o Patriarcado Ecumênico esclareceu que não viu “necessidade alguma para uma mudança deste modo, especialmente sob pressão de fatores externos”.

Em particular, o Patriarcado Ecumênico respondeu a perguntas sobre se colheres múltiplas ou descartáveis usadas durante a Sagrada Comunhão são “abençoadas”, referindo-se ao comunicado do Santo e Sagrado Sínodo, [1] assembleia realizada em 25-06-2020:

a) O Mistério da Eucaristia Divina não é negociável porque acreditamos que, através dele, transmitem-se aos fiéis o Corpo e o Sangue do Cristo Salvador “para a remissão dos pecados e para a vida eterna” e é impossível que, através deste Mistério dos Mistérios, alguma doença possa ser transmitida aos que dele participam. Por esse motivo, a Igreja permanece firme e imóvel em seu ensino no sentido da essência do Mistério da Sagrada Comunhão.

b) Quanto ao modo de distribuição dos Mistérios inefáveis aos fiéis, a Igreja, respeitando a Sagrada Tradição que se entrelaça inextricavelmente com a prática eclesiástica diária e com a experiência kenótica, e enquanto guardiã e vigilante daquelas tradições transmitidas pelo Santo Padre, não encontra necessidade alguma para uma mudança deste modo, especialmente sob pressão de fatores externos.

No entanto, ficou esclarecido que a Economia eclesiástica sempre se realiza sob circunstâncias especiais:

a) Por lei, o Estado proíbe a oferta da Sagrada Comunhão devido a uma pandemia, e;

b) a Igreja Mãe de Constantinopla concede tal permissão. “Entretanto”, segundo o comunicado, “a coisa não tem ver, de um lado, com mudar a forma de receber a Sagrada Comunhão e, de outro, não tem a ver obviamente com usar colheres sagradas múltiplas e descartáveis”.

Nota

[1] Conferir o texto “The communiqué of the Ecumenical Patriarchate for the Holy Communion”, disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Patriarcado Ecumênico esclarece: não muda a forma de receber a Sagrada Comunhão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV