Por uma resposta unitária à crise ecológica. Artigo do Patriarca Bartolomeu

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Junho 2018

A crise ecológica revelou que o nosso mundo é um único conjunto, que os nossos problemas são universalmente compartilhados. Isso significa que nenhuma iniciativa ou instituição, nenhuma nação ou sociedade, e nem mesmo a ciência ou a tecnologia, estão em condições de responder sozinhos à crise, sem colaborar estreitamente. Nossa resposta exige a convergência e o impulso comum das religiões, da ciência e da tecnologia, de todos os setores e organizações sociais, bem como de todas as pessoas de boa vontade. O que é necessário é um modelo de cooperação e não um método de competição; temos que trabalhar de forma colaborativa, complementar. Infelizmente, no entanto, hoje estamos testemunhando interesses econômicos e modelos geopolíticos que operam contra essa cooperação no campo da proteção ambiental.

O artigo é do Patriarca Bartolomeu, publicado por L’Osservatore Romano, 05/06- 06-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Devemos lembrar que a mudança climática é uma questão intimamente ligada ao nosso modelo atual de desenvolvimento econômico. Uma economia que ignora os seres humanos e as necessidades humanas conduz inevitavelmente à exploração do ambiente natural.

Desde o início, salientamos a interconexão entre os problemas sociais e ambientais, bem como a necessidade de enfrentá-los em conjunto e em colaboração. Preservar e proteger o ambiente natural, assim como respeitar e servir os outros seres humanos, são duas faces da mesma moeda. As consequências da crise ecológica - que afetam em primeiro lugar e principalmente as pessoas social e economicamente vulneráveis - constituem uma grave ameaça à coesão social e à integração.

Além disso, há uma estreita ligação entre cuidar da criação e adorar o criador, entre uma economia para os pobres e uma ecologia para o planeta. Quando ferimos pessoas, danificamos a terra. Portanto, nossa ganância extrema e o nosso desperdício excessivo não são apenas inaceitáveis do ponto de vista econômico; também são insustentáveis do ponto de vista ecológico.

Todos nós somos chamados a questionar - mas também a mudar - a nossa forma de consumir, a fim de aprender como preservar para o bem do nosso planeta e para o benefício de seus habitantes. Quando preservamos, reconhecemos que devemos servir uns aos outros. Preservar implica compartilhar a nossa preocupação pela terra e seus habitantes. Indica a capacidade de ver no próximo, em qualquer outra pessoa, o rosto de cada ser humano e, por fim, o rosto de Deus.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por uma resposta unitária à crise ecológica. Artigo do Patriarca Bartolomeu - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV