“Ver tanta gente fora de sua casa e das suas raízes culturais e religiosas me tocou”, diz dom Walmor

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco para os pais e mães de homossexuais: “A Igreja ama os vossos filhos do jeito que eles são, porque são filhos de Deus”

    LER MAIS
  • O fenômeno dos padres fisiculturistas e estrelas das redes sociais

    LER MAIS
  • “O Papa me disse: Deus ama os filhos homossexuais como eles são”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Março 2020

Em Pacaraima, município brasileiro localizado no norte do estado de Roraima, na fronteira com a Venezuela, o arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, falou da realidade dos migrantes e refugiados venezuelanos que, fugindo da crise em seu país, buscam outros países como alternativa, entre eles o Brasil. Realidade que dom Walmor passou a conhecer mais de perto de 8 a 12 de março, em uma agenda de visitas à região junto aos três integrantes da presidência da CNBB.

A reportagem é publicada por Conferência Nacional dos Bispos - CNBB, 11-03-2020.

Eu sempre procurei apoiar e acompanhar inclusive com a acolhida, na arquidiocese de Belo Horizonte, de famílias e pessoas vindas da Venezuela. Porém vir aqui, ver, ouvir, partilhar e escutar é uma experiência única que toca profundamente o coração”, disse. Ver tanta gente fora de sua casa, do seu lugar e das suas raízes culturais e religiosas foi uma das imagens que mais tocou o arcebispo, em particular as crianças. “Não tem como ver as crianças nesta situação sem que uma lágrima brote nos olhos”, disse.

Presidência da CNBB em visita às lideranças de Roraima. (Foto: Arquivo pessoal)

Depois de quatro dias de visitas a postos de identificação e triagem dos venezuelanos, a abrigos, ocupações e à fronteira, dom Walmor enalteceu o trabalho que organizações da sociedade civil, o exército brasileiro e a Igreja no Brasil, por meio da diocese de Roraima e seus organismos como a Cáritas e Pastorais da Criança e dos Migrantes, vem desenvolvendo. Segundo ele, um bonito trabalho.

Dom Walmor reforçou que esta visita pastoral o ajudou a compreender que é necessário percorrer um longo caminho buscando aprender, do Evangelho, o que significa a solidariedade num mundo desumano. Na avaliação do arcebispo, as ideologias políticas, interesses partidários e o apego financeiro levam o mundo a ser muito injusto, desigual e excludente.

Pela força de nosso seguimento a Jesus Cristo e pelas exigências das necessidades de tantos irmãos e irmãs, somos chamados a percorrer o caminho da solidariedade. Esse é o nosso sonho e é o sonho de Deus. Que Ele nos ajude a aprender esta lição como uma oportunidade de fazermos um mundo melhor”, disse.

Só a solidariedade, baseada no Evangelho, segundo o presidente da CNBB, vai construir uma nova lógica para o mundo. “E não há outro caminho. O mundo não vai mudar por mudanças econômicas. O que vai mudar o mundo é a solidariedade numa dinâmica nova, de podermos viver a partir de uma nova lógica que é a lógica da partilha e do respeito à dignidade de toda pessoa humana”, afirmou. Dom Walmor manifestou sua profunda gratidão a Deus e a todos que proporcionaram esta oportunidade de vivenciar esse caminho de conversão, neste tempo quaresmal, proporcionado pela visita a Roraima.

 

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Ver tanta gente fora de sua casa e das suas raízes culturais e religiosas me tocou”, diz dom Walmor - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV