O êxodo venezuelano

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Agosto 2018

Estima-se que 2,3 milhões de venezuelanos tenham virado as costas para sua terra natal, o que vem gerando cada vez mais crises humanitárias em países vizinhos. Para especialistas, um problema a ser resolvido em conjunto.

A reportagem é de Evan Romero-Castillo, publicada por Deutsche Welle, 22-08-2018.

Nos últimos dias, tanto os venezuelanos que abandonaram seu país como os que permanecem no território vivenciaram a piora de sua já calamitosa situação. Na sexta-feira (17/08), o presidente Nicolás Maduro anunciou um aumento sem precedentes do preço da gasolina e oficializou um processo de reconversão monetária com pretensões anti-inflacionárias cujas sequelas ainda são desconhecidas.

Um dia depois, o Equador começou a exigir passaportes aos refugiados venezuelanos como condição para permitir a entrada deles no país – mesmo sabendo que, atualmente, o Estado venezuelano não tem capacidade para dar a seus cidadãos esse documento.

No domingo (19/08), o Peru seguiu o exemplo de Quito e aumentou assim a pressão sobre a Colômbia, para onde cada vez mais venezuelanos fogem "buscando uma vida melhor", já que não podem rumar para o sul.

No mesmo dia, habitantes de Pacaraima, localidade de 12 mil pessoas no norte de Roraima, destruíram um acampamento de imigrantes venezuelanos, obrigando mais de mil a fugirem de volta para o país vizinho do Brasil.

A agência das Nações Unidas para refugiados, Acnur, sinalizou que incidentes como o de Roraima também estão sendo registrados em outros países da região e advertiu que a crise humanitária venezuelana poderia gerar tensões em toda a América do Sul.

A ONU calcula que 2,3 milhões de mulheres e homens afetados por todo tipo de penúria viraram as costas para a sua terra natal.

Desde o início de 2017, cerca de 50 mil venezuelanos se estabeleceram em Roraima, segundo o governo estadual. Entre 547 mil e 560 mil passaram pelo Equador no último ano, com o objetivo de chegar ao Peru e ao Chile. Apenas 20% deles permaneceram em território equatoriano, segundo estimativas da Organização Internacional para as Migrações (OIM). O Peru é a nação latino-americana que mais acolheu venezuelanos, depois da Colômbia, que já abriu suas portas a 1,5 milhão de pessoas. Aproximadamente 35 mil venezuelanos cruzam a fronteira diariamente.

A Usaid, a agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, ofereceu 6 milhões de dólares para que o novo governante em Bogotá, Iván Duque, dê assistência aos venezuelanos que chegam à Colômbia fugindo de condições de vida precárias.

Até agora, 32 dos 56 milhões de dólares desembolsados pela agência com esse objetivo na América Latina tiveram a Colômbia como destino. O auxílio não chega diretamente à Venezuela porque a elite chavista se nega a admitir a gravidade dos problemas e percebe as ofertas de socorro humanitário como fachadas para a intervenção militar estrangeira que alguns de seus opositores pedem aos gritos.

De fato, na segunda-feira (20/08), quando o Pentágono confirmou que seu navio-hospital USNS Comfort ancoraria diante do litoral colombiano para atender a refugiados venezuelanos num futuro próximo, alguns analistas comentaram inquietos as possíveis implicações do fato de a chegada do navio americano ao Caribe coincidir com a do navio-hospital chinês He Ping Fang Zhou, que navegará as mesmas águas com destino à Venezuela em breve.

"É problemático que potências em discórdia e com interesses tão diferentes assumam a mesma posição diante de uma questão como a venezuelana, sem coordenar suas ações", comenta o cientista político e historiador Sebastian Huhn, do instituto de pesquisas de migração Imis, da Universidade de Osnabrück, na Alemanha.

"Mesmo que os navios-hospitais não cumpram uma função bélica, podem se transformar na vanguarda de manobras militares se houver registro de algum incidente. Basta que um navio-hospital se aproxime demais das águas territoriais de um determinado país, por exemplo, para que soem os alarmes".

O ideal seria que essa ajuda humanitária viesse das Nações Unidas, ou que os Estados Unidos e a China a oferecessem por meio da ONU e não de forma unilateral", avalia também Thomas Fischer, professor de História da América Latina na Universidade de Eichstätt-Ingolstadt e presidente da Associação Alemã de Pesquisa sobre a América Latina (Adlaf, na sigla em alemão).

Günther Maihold, vice-diretor do instituto berlinense de estudos de política externa SWP, não enxerga um risco de confronto entre as frotas humanitárias enviadas por Washington e Pequim à Colômbia e à Venezuela, respectivamente.

"Não acredito que a presença simultânea desses navios no Caribe crie fricções diplomáticas. São gestos de boa vontade dos Estados Unidos e da China para com seus aliados na América Latina, nada mais. O auxílio que podem prestar é muito limitado, quase simbólico, dadas as dimensões do fenômeno migratório em questão e os fatores estruturais que o estimulam", diz o pesquisador.

Para Maihold, o que o navio-hospital dos Estados Unidos procura é evitar que um número maior de venezuelanos voe a Miami em busca de refúgio. Já para Fischer, o propósito da embarcação chinesa é evidenciar como os interesses geopolíticos no norte da América do Sul são importantes para Pequim. Os três especialistas concordam que apenas esforços conjuntos podem frear a atual sangria da Venezuela.

"A pergunta básica para os países latino-americanos e para os organismos multilaterais da região é como conseguir, juntos, que os venezuelanos deixem de emigrar tão intensamente, sabendo que não contarão com a colaboração do governo de Nicolás Maduro, que se recusa a reconhecer que seu projeto de país afundou", argumenta Huhn, da Universidade de Osnabrück.

"Equador e Peru podem escolher fechar suas fronteiras, mas isso não deterá o fluxo de imigrantes venezuelanos. Eles continuarão se vendo forçados a fugir de seu país porque a vida lá é simplesmente insuportável", descreve o analista.

 "O endurecimento dos controles fronteiriços no Equador e no Peru vai criar uma constelação espinhosa para a Colômbia, país onde ficará estacionado um bom número de imigrantes venezuelanos. Mas, no final, toda a vizinhança latino-americana sentira os efeitos do êxodo venezuelano se seus países continuarem se mostrando incapazes de elaborar uma política humanitária conjunta", prevê Maihold, do SWP.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O êxodo venezuelano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV