Itália. A anatomia do suicídio político de Matteo Salvini

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Setembro 2019

Matteo Salvini colocou bermuda em 5 de agosto e apareceu no Papeete Beach, um bar na beira da praia com dançarinas de maiô, house music e coquetéis na costa adriática. O ministro do Interior tirou a camiseta, pediu um mojito e se animou a botar o hino da Itália para tocar enquanto algumas garotas mexiam o corpo no palco. Seus spin doctors haviam lhe contado que ele tinha quase 38% de apoio nas pesquisas e uma influência descomunal nas redes sociais. Fez centenas de selfies, distribuiu abraços. Mas havia dias que um mau pressentimento o perseguia. “Estava atormentado. Il Capitano não falava com ninguém de seu círculo, nem com Lorenzo Fontana [ministro de Assuntos Europeus, também de bermuda], nem com Massimo Casanova [membro da Liga e dono do beach club]... Passou o dia olhando o celular. Todo ano ele vai a uma praia e faz algo assim... Mas desta vez tinha um humor lúgubre”, explica uma pessoa que esteve com ele e o conhece há 20 anos. Naquele dia, ele tomou uma decisão que propiciou algo parecido com um histórico suicídio político.

A reportagem é de Daniel Verdú, publicada por El País, 02-09-2019.

A anatomia do colapso de Salvini, o maior ciclone eleitoral da Itália recente e um político que ainda conserva o apoio nas ruas, é complexa demais para ser atribuída a um erro de cálculo, um acidente. Fazia meses que o líder da Liga tinha medo de terminar mal após um pacto entre o seu então sócio de Governo, o Movimento 5 Estrelas (M5S), e com o Partido Democrático (PD). Depois das eleições europeias, quando a Liga arrasou na Itália, o Governo dividiu-se em três blocos: o Executivo de Salvini; o de Luigi Di Maio; e outro formado pelo primeiro-ministro, Giuseppe Conte, o chanceler, Enzo Moavero Milanesi, o ministro da Economia, Giovanni Tria, e o próprio presidente da República, Sergio Mattarella. A partir do terceiro polo (mais institucional e próximo da União Europeia), explica um deputado do PD que presenciou as negociações, começou a ser planejada, de forma transversal, a chamada Operação Ursula [em alusão aos partidos que apoiaram a nova presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen]. Desconfiado por natureza, desta vez Salvini percebeu indícios reais.

A teoria diz que quem rompe um Governo na Itália paga nas urnas. Salvini queria o poder, mas sem ter de usar esse sambenito. Com a chegada do verão europeu, cada vez mais encurralado, ele pensou que era o momento oportuno. “Era evidente que algo estava acontecendo. Houve um movimento europeu para construir um cordão sanitário e isolá-lo. A Operação Ursula já estava em marcha e, nesse processo, Conte foi uma peça fundamental de dentro das instituições. Além disso, o vazamento da negociação de um de seus assessores em Moscou [Gianluca Savoini se reuniu com supostos enviados do Kremlin para discutir a compra de gás em troca de uma suposta comissão para a Liga] teve uma origem estranha”, diz o cientista político Giovanni Orsina. A obscura explosão da trama russa, justo depois do grande resultado nas eleições europeias, persuadiu Salvini de que os serviços secretos de algum país próximo pretendiam frustrar seus planos.

Os assessores do líder da Liga, incluindo o subsecretário do Governo, Giancarlo Giorgetti, pediam havia semanas que Salvini rompesse com o M5S. Em pleno verão, quando ele deixou de consultá-los e se fechou em si mesmo, os assessores começaram a se desesperar, diz um deputado da Liga. Poucas pessoas, além de seu guru digital, Luca Morisi, tiveram acesso ao seu estado de ânimo até que em 8 de agosto, três dias depois da festa do Papeete, ele lançou a bomba e pediu “plenos poderes” aos italianos para anunciar a queda do Executivo. “A data não foi casual. Ele pensou que durante as férias seria muito mais difícil que as instituições reagissem e que o PD e o M5S chegassem a um acordo”, diz o congressista.

A jogada era arriscada, e Salvini primeiro quis garantir que não haveria pacto entre o PD e o M5S. Ligou para Nicola Zingaretti, secretário-geral dos sociais-democratas, que o tranquilizou dizendo que alguns atos políticos também poderiam reforçar sua liderança no PD. A ideia era forçar a reabertura das Câmaras e o regresso de todos os parlamentares, acelerando uma moção de censura. Mattarella só poderia convocar eleições o mais breve possível para evitar um desastre. Mas logo notou que o chão se movia. Matteo Renzi, histórico inimigo dos grillinos [seguidores de Beppe Grillo, o fundador do M5S] e ainda possuidor do controle da maioria dos sociais-democratas, começou a fazer declarações e deu uma série de entrevistas, entre elas ao EL PAÍS, pedindo o que semanas antes era inimaginável: um Governo de unidade com o M5S. A armadilha estava pronta.

Grillo e Renzi entraram em acordo após anos de insultos, e o ex-premiê convenceu o secretário-geral de seu partido sobre as vantagens de um armistício apoiado do presidente da República até a Santa , profundamente escandalizada com a tendência de ódio contra a imigração e a ostentação pornográfica de símbolos religiosos. O líder da Liga havia trabalhado a política nacional sem descanso durante os últimos quatro anos. Mas sua ação exterior, encarregada pessoalmente ao ex-grillino Marco Nazzi, tinha sido um desastre. Especialmente na hora de esclarecer sua posição na Aliança Atlântica. E por esse flanco veio a última estocada.

Em 17 de junho, Salvini havia ido a Washington para se reunir com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo. A foto do encontro, como tantas antes, seria exibida perfeitamente no Facebook. Mas sobre a mesa de Pompeo havia várias pastas importantes que exigiam respostas, como a relação da Itália com a Rússia de Putin, a China (Conte acabava de assinar um estranho acordo para a Rota da Seda) e a imigração. O encontro não foi bom, segundo soube-se posteriormente, e os EUA confirmaram suas dúvidas sobre Salvini. “Se você é a Itália, pode estar com os EUA e contra a Europa; ou com a Europa e contra os EUA... mas não pode se aliar com a Rússia e estar com todos. Salvini abriu um desencontro com a Europa sem ter o respaldo dos EUA. E isso é não compreender os mecanismos da alta política e criar um problema estrutural”, diz Orsina.

O problema se materializou no último fim de semana, justo quando Salvini tentava convencer Luigi Di Maio, de forma desesperada, a retroceder oferecendo-lhe ser primeiro-ministro. Conte, reunido com outros seis líderes mundiais no G7 em Biarritz, fechou essa porta e anunciou que a aventura com a Liga chegava ao fim. Logo depois o presidente dos EUA, Donald Trump, incentivado pelo mandatário francês, Emmanuel Macron, segundo informaram jornais norte-americanos, manifestou-se abertamente a favor de uma continuidade de Conte — embora o chamasse de “Giuseppi” — e, indiretamente, do pacto que estava sendo forjado em Roma. A autópsia logo diria que esse foi o último suspiro do Capitano.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Itália. A anatomia do suicídio político de Matteo Salvini - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV