Parolin: dialogamos com todos, por que não com Salvini?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Maio 2019

“O Papa continua a dizer isso: diálogo, diálogo, diálogo. E por que não Salvini? O cardeal secretário de Estado, Pietro Parolin, retorna sobre as recentes eleições europeias, questionado por jornalistas à margem da cerimônia de premiação promovida pela Fundação Centesimus Annus, defendendo "uma visão positiva e encorajadora" do velho continente, apesar das "tendências de recuo" certificadas pelas urnas. E quanto a Matteo Salvini, principal vencedor do voto italiano, reitera que não se deve "abusar" dos símbolos religiosos, e enfatiza que com o líder da Lega "é preciso dialogar", especialmente porque "o diálogo é necessário principalmente com quem não pensa como nós e com quem temos algumas dificuldades e alguns problemas”.

A entrevista é de Maria Teresa Pontara Pederiva, publicada por Vatican Insider, 29-05-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

As eleições europeias recém concluídas viram a afirmação dos soberanistas em alguns países: qual é a sua opinião?

Vamos analisar o que aconteceu. Ao mesmo tempo, acredito que se deva olhar para frente, olhar para a frente no sentido de continuar a dialogar para construir a Europa que todos queremos, mesmo com todas essas tendências de fechamento sobre si mesmos e de questionamento do projeto europeu. Então eu seria por uma visão positiva e encorajadora no sentido de dizer: esta é a realidade, mas ainda podemos construir.

O ministro Matteo Salvini continua a usar símbolos religiosos, um tema sobre o qual você já se manifestou ...

Sim, já falei e repito o que disse: eu acredito que ao usar símbolos religiosos para manifestações de grupos, como são os partidos, corre-se o risco de abusar desses símbolos. Portanto, acredito que de nossa parte não podemos ficar indiferentes diante dessa realidade.

O cardeal Gerhard Ludwig Müller diz que, de qualquer modo, é preciso conversar com Salvini ...

O papa continua a dizer isso: diálogo, diálogo, diálogo. E porque não Salvini? Aliás, o diálogo é necessário principalmente com quem não pensa como nós e com quem temos algumas dificuldades e alguns problemas. Eu sou dessa opinião e, portanto, também com Salvini se deve dialogar.

A partir de amanhã, o Papa vai para a Romênia e para as fronteiras com a Hungria, onde visitará um santuário mariano: o que se espera desta viagem ao centro da Europa?

No que diz respeito à Romênia, o Papa estará lá para propor o programa que é o lema da viagem, isto é, caminhar juntos. E acima de tudo, com sua presença no santuário mariano, será um convite a todos para superar as divisões, até mesmo as divisões históricas que aconteceram, para descobrir o que temos em comum, principalmente, do nosso ponto de vista, a fé que temos em comum.

Há alguma novidade quanto à investigação sobre o cardeal Theodore McCarrick?

A Santa Sé já disse várias vezes que está realizando uma investigação, que está retomando toda a documentação referente ao caso e que, uma vez concluído o trabalho, haverá uma declaração.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Parolin: dialogamos com todos, por que não com Salvini? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV