Salvini adere à aliança de Netanyahu com o nacionalismo populista europeu e promete vir à posse de Bolsonaro

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Dezembro 2018

Benjamin Netanyahu acrescentou nesta quarta-feira um novo sócio à sua aliança com o nacionalismo populista europeu de líderes contrapostos à União Europeia. A viagem oficial de Matteo Salvini, vice-primeiro-ministro, titular da pasta do Interior e homem-forte do Governo italiano, descrito por Netanyahu como “um grande amigo de Israel”, soma-se às visitas feitas ao Estado judeu neste ano pelo chefe do Executivo da Hungria, Viktor Orbán, pelo chanceler (premiê) austríaco, Sebastian Kurz, que governa em coalizão com a extrema direita, e pelo ultraconservador presidente tcheco, Milos Zeman. Com a aproximação desses e outros países periféricos da UE, Netanyahu busca abrir uma fresta na aparente unanimidade do bloco sobre o conflito do Oriente Médio.

A reportagem é de Juan Carlos Sanz, publicada por El País, 12-12-2018.

Falando à imprensa em Jerusalém sobre a questão palestina, o vice-premiê italiano questionou “a desequilibrada posição” da UE, que considera excessivamente crítica com relação a Israel, apesar de ele ver nesse país “um bastião de segurança para os valores ocidentais”. Também atribuiu o ressurgimento do antissemitismo no continente ao crescimento da imigração procedente de países islâmicos. Em oposição ao habitual protocolo da diplomacia europeia nas viagens oficiais à Terra Santa, Salvini não se reuniu durante sua visita com representantes da Autoridade Palestina.

Em um gesto de respaldo diplomático a seu anfitrião, Salvini viajou na tarde de terça-feira, após desembarcar no aeroporto de Tel Aviv, à fronteira de Israel com o Líbano. O Exército israelense realizou há uma semana uma operação para destruir os túneis escavados pela guerrilha do Hezbollah sob a linha divisória internacional. Junto à chamada Linha Azul fronteiriça, o líder da Liga qualificou o partido e milícia xiita pró-Irã de “grupo terrorista islâmico” que ameaça a existência de Israel, “baluarte da democracia na região do Oriente Médio”, sem levar em conta que a UE só inclui o braço armado do Hezbollah na sua lista de organizações terroristas.

Suas declarações foram recebidas com preocupação em Roma, segundo os meios de comunicação italianos, dada a repercussão que poderão ter para os quase 1.200 militares italianos integrados à FINUL (Força Interina das Nações Unidas para o Líbano). O contingente da Itália nessa força é o dobro do de países como Espanha e França.

Ao receber Salvini em seu gabinete, Netanyahu pediu sua intervenção para que o comando da FINUL, que atualmente cabe a um general italiano, se “mostre mais firme e com maior contundência” ante “um claro ato de agressão do Hezbollah contra Israel e as regras da comunidade internacional”.

O líder da ultradireitista Liga também visitou o Museu do Holocausto, etapa obrigatória em qualquer primeira viagem oficial ao Estado judeu. No edifício construído em memória do extermino dos judeus na Europa durante a Segunda Guerra Mundial, ele revelou que seu encontro com Netanyahu tinha girado em torno das mudanças de atitude do UE com relação a Israel, a cooperação na luta antiterrorista e os intercâmbios comerciais bilaterais, conforme noticiou o jornal Haaretz.

Salvini não pôde completar sua intensa agenda em Jerusalém com uma reunião com o presidente do país, o conservador Reuven Rivlin, que costuma receber todo tipo de personalidades estrangeiras e locais. O Gabinete do chefe do Estado alegou “problemas na sobrecarregada agenda” do mandatário para não receber o ministro italiano. A esnobada de Rivlin foi interpretada por analistas israelenses e diplomatas europeus à luz das ideias que ele expressou em uma recente entrevista à CNN, na qual alertava sobre o “retorno do fascismo” em alguns países. “Alguns desses movimentos admiram muito o Estado de Israel (...), mas o neofascismo é contra os valores do Estado de Israel”, advertiu, sem detalhar os países aos quais se referia.

Em sua abertura internacional, Netanyahu está estreitando laços também com outros nacionalismos populistas não europeus. Em setembro passado, recebeu em Israel o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, e em janeiro deve comparecer à posse do novo mandatário do Brasil, Jair Bolsonaro, que durante a campanha eleitoral prometeu transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos do norte-americano Donald Trump.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Salvini adere à aliança de Netanyahu com o nacionalismo populista europeu e promete vir à posse de Bolsonaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV