Scicluna recorda aos bispos o dever de respeitar os protocolos e as leis civis

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • “Este Sínodo, em sua profecia, é fiel aos gritos dos pobres e da irmã Mãe Terra”. Entrevista com Mauricio López

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2019

O homem de confiança do Papa para investigar os abusos contra menores e secretário adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo de Malta, Charles Scicluna, recordou aos bispos reunidos no Vaticano que têm o dever de respeitar “os protocolos existentes” e “as leis civis e nacionais”.

A reportagem é publicada por El Diario, 21-02-2019. A tradução é do Cepat.

Scicluna faz parte do comitê organizador desta cúpula sem precedentes na história da Igreja e que abordará, até o domingo, o flagelo dos abusos contra menores por parte do clero, sendo eleito como um dos nove relatores da cúpula.

Sua exposição foi uma descrição e recordação das normas já existentes e de como deve ser sua aplicação.

Aos 190 representantes da hierarquia da Igreja católica presentes, entre eles 114 presidentes e vice-presidentes das conferências episcopais, o maior especialista do Vaticano na luta contra os abusos a menores recordou que “se tem o dever e o direito de denunciar”.

Aos bispos, insistiu em que “devem respeitar protocolos estabelecidos, respeitar as leis civis e nacionais” e que “é importante que todas as acusações sejam investigadas e que sejam concluídas sem demoras desnecessárias”.

Ressaltou que todas as denúncias “requerem uma atenção especial” e que o bispo ou o superior religioso precisam atendê-las e “nunca subestimar as feridas”.

O investigador dos abusos do clero no Chile e do caso do fundador dos Legionários de Cristo apontou aos bispos o dever de que “compartilhem toda a documentação necessária” para o processo canônico na Congregação para a Doutrina da Fé.

Também apontou a necessidade do controle na seleção dos bispos e afirmou que “ocultar informação sobre o estilo de vida do candidato a bispo “é um pecado grave”. Confiaram a nós o cuidado de nosso povo. É nosso sagrado dever cuidar de nosso povo e assegurar a justiça quando foram abusados”, acrescentou.

E às vítimas assegurou: “Nós as protegeremos a todo custo. Vamos dar a vida pelos rebanhos que nos foi confiado”.

A reunião sobre a proteção de menores, que será encerrada no domingo com uma missa, começou hoje com o debate sobre a responsabilidade dos bispos em sua tarefa pastoral, espiritual e jurídica.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Scicluna recorda aos bispos o dever de respeitar os protocolos e as leis civis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV