Francisco: o escândalo dos jovens padres que frequentam alfaiates eclesiásticos de luxo. Real! Santo Padre, mas a história do Padre Rupnik é mais séria

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Outubro 2023

Hoje, dia da XVIII Congregação do Sínodo dos Bispos, o Papa falou, no seu discurso em espanhol abordou vários temas. Concluindo, ofereceu esta reflexão:

É doloroso encontrar em algumas secretarias paroquiais a “tabela de preços” dos serviços sacramentais, tipo supermercado. Ou a Igreja é o povo fiel de Deus em caminho, santo e pecador, ou acaba sendo uma empresa de vários serviços. E quando os agentes pastorais empreendem este segundo caminho, a Igreja torna-se o supermercado da salvação e os sacerdotes simples funcionários de uma multinacional. É a grande derrota a que o clericalismo nos leva. E isto com muita vergonha e escândalo (basta ir aos alfaiates eclesiásticos de Roma para ver o escândalo dos jovens padres que experimentam batinas e chapéus ou alvas e carretéis de renda.) O clericalismo é um chicote, é um flagelo, é uma forma de mundanismo que suja e danifica o face da noiva do Senhor; escraviza o povo santo e fiel de Deus.

Muito verdadeiro! O Papa Francisco falou verdades indiscutíveis.

A informação é Luis Badilla, publicada por Il Sismógrafo, 25-10-2023.

Contudo, há algumas perguntas a fazer que surgem espontaneamente depois do que disse o Pontífice. Por que o papa permitiu que o cardeal Marcello Semeraro aceitasse uma batina vermelha no valor de 6 mil euros doada por um grupo de amigos? Se fosse coerente com o que o Santo Padre diz, ele deveria ter evitado que um novo cardeal, vestindo um terno de 6.000 euros, aparecesse diante dele para receber o barrete cardinalício. Então, além do escândalo dos padres que frequentam alfaiatarias eclesiásticas caras e vaidosas, por que o Papa Bergoglio nunca falou do escândalo do ex-jesuíta Marko Rupnik culpado de coisas muito mais graves e perturbadoras?

Por que não falar do escândalo em torno do comportamento do então novo vice-secretário de Estado, D. Edgar Peña Parra que teve o seu escritório e residência particular no Palácio Apostólico alterados com restaurações caríssimas e justamente quando foi resolvida a questão dos 700 metros quadrados do apartamento do cardeal T. Bertone? O modo de “padrões duplos” é aprovado mais cedo ou mais tarde. E depois outra observação oportuna: há atualmente muito mundanismo em certos círculos do Vaticano. Talvez esteja decepcionado porque esperava que o Santo Padre falasse para aprofundar a Carta ao Povo de Deus.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco: o escândalo dos jovens padres que frequentam alfaiates eclesiásticos de luxo. Real! Santo Padre, mas a história do Padre Rupnik é mais séria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU