Caso Rupnik, sobre o ex-jesuíta acusado de abuso pelas freiras, é um conflito com a Diocese do Papa

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Setembro 2023

O fundador do Centro Aletti, um dos artistas cristãos mais célebres do mundo, foi excomungado, mas a Diocese do Papa põe tudo em dúvida: "Procedimentos seriamente anômalos".

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 19-09-2023.

As denúncias de várias freiras, as acusações de “violência psicológica, abuso de consciência, abuso na esfera sexual e emocional, abuso espiritual”: o antigo Santo Ofício o excomungou, os jesuítas o expulsaram, e agora a Diocese do Papa jesuíta põe tudo em dúvida e fala de “procedimentos gravemente anômalos”, em franco contraste com a Companhia de Jesus e o mesmo Dicastério para a Doutrina da Fé. Há um embate constrangedor por trás da história do agora ex-jesuíta esloveno Marko Ivan Rupnik, de 68 anos, figura carismática que fundou o Centro Aletti em Roma e esteve entre os artistas cristãos mais celebrados do mundo, pelo menos até o estouro do escândalo dos abusos, autor, entre outras coisas, dos mosaicos da Capela Redemptoris Mater, no Vaticano.

O Vicariato de Roma, liderado pelo cardeal Angelo De Donatis, emitiu uma nota na qual informa que em 16-01-2023 o vigário organizou uma “visita canônica” ao Centro Aletti para investigar "a dinâmica associativa e a real consistência das questões levantada por algumas instâncias". Alguns dos abusos relatados pelas freiras aparentemente ocorreram no centro. A nota do vicariato nunca o menciona: apenas menciona os “casos” não especificados.

Em vez disso, lemos que da investigação confiada ao “Visitador” padre Giacomo Incitti, ordinário de Direito Canônico da Pontifícia Universidade Urbaniana, “resulta claramente que dentro do Centro Aletti existe uma vida comunitária sã, livre de questões críticas particulares”.

O tom é laudatório: "O Visitador pôde constatar que os membros do Centro Aletti, embora entristecidos pelas denúncias recebidas e pela forma como foram tratadas, optaram por manter o silêncio – apesar da veemência da imprensa – para salvaguardar o coração e não reivindique alguma irrepreensibilidade com a qual se possa colocar como juiz dos outros. Todo o evento, na opinião do Visitador, ajudou as pessoas que vivem a experiência do Centro Aletti a fortalecer a confiança no Senhor, na consciência de que o dom da vida de Deus abre espaço também nas provações”.

Mas não é tudo: "O Visitador também examinou devidamente as principais acusações feitas contra Rupnik, especialmente aquela que levou ao pedido de excomunhão. Com base no copioso material documental estudado, o Visitador conseguiu encontrar e, portanto, denunciar procedimentos gravemente anômalos, cujo exame também gerou dúvidas fundadas sobre o próprio pedido de excomunhão". Assim, “considerando a gravidade destas constatações, o Cardeal Vigário enviou o relatório às autoridades competentes”, ou seja, ao Santo Ofício.

A referência é um decreto de excomunhão emitido em maio de 2020 pela Congregação para a Doutrina da Fé para “a absolvição de um cúmplice de um pecado contra o Sexto Mandamento”, o que significa que Rupnik confessou e absolveu uma freira de quem abusou sexualmente, obrigando-a ao silêncio: um dos crimes canônicos mais graves, punido com a excomunhão automática latae sententiae.

Para a Igreja, a excomunhão é um “castigo medicinal”. Espera-se que possa ser afastada de quem se arrepende, mas no caso de Rupnik aconteceu muito rapidamente e foi revogada pelo antigo Santo Ofício “no mesmo mês”. Será possível que o dicastério, então liderado por outro jesuíta, o cardeal espanhol Luis Ladaria, tenha tomado a decisão sem ter consultado o Papa jesuíta? “Imagino que o prefeito tenha falado com o Santo Padre, mas não posso dizer nem sim nem não”, respondeu o padre geral jesuíta, Arturo Sosa.

Entretanto, nada aconteceu e de fato o próprio cardeal De Donatis confiou a renovação da capela do Seminário Romano ao Pe. Rupnik em 2021. A história tornou-se então pública em 5 de dezembro do ano passado, com uma nota na qual a Companhia de Jesus informava que em 2021 o Dicastério para a Doutrina da Fé havia recebido uma denúncia contra Rupnik de abusos contra freiras da Comunidade Loyola em Ljubljana, fundada no fim da década de 1980 e do qual o jesuíta esloveno era o “pai espiritual”.

Os fatos, dizia-se, remontavam à década de 1990, houve uma “investigação prévia”, mas o antigo Santo Ofício encerrou o caso porque estavam “prescritos”, ainda que para Rupnik permanecessem algumas “restrições”, como como a proibição de confessar ou acompanhar exercícios espirituais. Numerosas outras reclamações surgiram então.

E enquanto o cardeal De Donatis falava de “acusações mediáticas”, a Companhia de Jesus continuava as suas investigações e recolhia testemunhos. Em 14-07-2023, Rupnik recebeu o “decreto de demissão da Companhia de Jesus” assinado pelo padre geral, Arturo Sosa. Rupnik foi expulso "por causa da sua teimosa recusa em observar o voto de obediência".

A Companhia de Jesus explicou: "A Equipe de Contato em casos de denúncias contra jesuítas entregou-nos em fevereiro de 2023 o dossiê relativo às inúmeras reclamações de todo o tipo que nos chegaram, provenientes de fontes muito diversas e por acontecimentos ocorridos num espaço de tempo de mais de 30 anos em relação ao Pe. Rupnik. Como Superiores consideramos muito elevado o grau de credibilidade do que foi relatado ou testemunhado e seguimos as indicações e recomendações que nos foram fornecidas pela Equipe de Contato nas suas considerações finais”.

A Companhia ofereceu a Rupnik "mudar de comunidade e aceitar uma nova missão" como "uma última oportunidade como jesuíta para aceitar o seu passado e dar um sinal claro às numerosas pessoas ofendidas que testemunharam contra ele, para poder entrar no caminho da verdade". Mas “face à repetida recusa de Marko Rupnik em obedecer a este mandato”, tudo o que restou foi a expulsão.

O Pe. Johan Verschueren, que tratou do caso, escreveu: "Como representante da Companhia de Jesus e ex-superior maior de Marko Rupnik, só posso lamentar profundamente esta insistente e obstinada incapacidade de lidar com a voz de tantas pessoas que se sentiram magoadas, ofendidas e humilhadas pelo seu comportamento, pela sua forma de agir e de se comportar em relação a elas”. Neste ponto trata-se de ver o que fará Francisco, que sempre procurou manter-se afastado nesta matéria e já tinha dito que não interveio nas decisões da Congregação para a Doutrina da Fé. É impossível que a nota do Vicariato de Roma não lhe tenha sido submetida antes da publicação, mas o mesmo se pode dizer das decisões da Companhia de Jesus: Bergoglio conhece Rupnik como artista e teólogo, em 2016 confiou-lhe as meditações quaresmais na Cúria Romana.

Em junho, numa mensagem de vídeo ao Santuário de Aparecida, Brasil, um mosaico do Pe. Rupnik foi visto em seu apartamento. Na última sexta-feira, Bergoglio recebeu em audiência Maria Campitelli, principal colaboradora de Rupnik e presidente do Centro Aletti.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caso Rupnik, sobre o ex-jesuíta acusado de abuso pelas freiras, é um conflito com a Diocese do Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU