Influência do Vaticano: a diplomacia do diálogo do Papa Francisco está falhando?

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Lula manda carta a Francisco e mostra seu temor pelo “risco” do segundo turno nas eleições

    LER MAIS
  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2022

 

O Papa Francisco retornou de sua breve viagem ao Cazaquistão, um país situado entre a Rússia e a China, sem se sentar com seu colega russo, o patriarca Kirill, ou com a delegação do presidente chinês Xi Jinping.

 

A reportagem é de Claire Giangravé, publicada por Religion News Service, 21-09-2022.

 

Com o Papa cercado de cadeiras vazias no Cazaquistão, os críticos questionaram a eficácia de sua diplomacia de encontro e sua estratégia de silêncio quando se trata de condenar abertamente as violações de direitos humanos na China, Rússia e Nicarágua. Mas especialistas da diplomacia do Vaticano pedem paciência, argumentando que, mesmo que o Papa permaneça em silêncio, o corpo diplomático da instituição está trabalhando duro nos bastidores, promovendo a causa do diálogo.

 

Logo após ser eleito, em 2013, o Papa Francisco obteve uma grande vitória para os esforços da diplomacia do Vaticano. Enquanto os Estados Unidos e seus aliados se preparavam para uma ofensiva contra o regime de Bashar Assad na Síria, o Papa implorou a todas as partes envolvidas - incluindo a Rússia - que parassem o conflito. De acordo com as memórias do então ministro das Relações Exteriores da Austrália, Bob Carr, as tensões foram diluídas quando o presidente russo, Vladimir Putin, instou os Estados membros da ONU a “ouvir o Papa”.

 

Três anos depois, Francisco sentou-se com o patriarca ortodoxo russo Kirill no aeroporto de Havana para uma reunião que parecia abrir caminho para que o Papa fosse o primeiro líder católico a visitar Moscou. Os observadores do Vaticano ficaram maravilhados com a proeza de pacificação do Papa do Sul Global. Mas hoje, quando a Ucrânia entra em seu sétimo mês de guerra com a Rússia, Francisco parece ter perdido o jeito.

 

“A Santa Sé é a única instituição ocidental que mantém um diálogo permanente com o Estado russo e a Igreja Ortodoxa Russa. Na verdade, foram os estados ocidentais, e especialmente os Estados Unidos, que falharam no caminho do diálogo com a Rússia e sua religião estatal".

 

A pandemia forçou uma reunião entre Francisco e Kirill a ser remarcada, e os dois se encontraram em uma conferência online em maio, onde o Papa alertou o patriarca para não se tornar "o coroinha de Putin". As relações com o Kremlin e a Igreja Ortodoxa esfriaram.

 

Victor Gaetan, autor de God's Diplomats: Pope Francis, Vatican Diplomacy, and America's Armageddon, acha que isso é apenas metade da história.

 

“A Santa Sé é a única instituição ocidental que mantém um diálogo contínuo com o Estado russo e a Igreja Ortodoxa Russa”, disse Gaetan, falando ao Religion News Service na terça-feira.

 

“Na verdade, foram os estados ocidentais, e especialmente os Estados Unidos, que falharam no caminho do diálogo com a Rússia e sua religião estatal”, disse Gaetan.

 

Gaetan disse que o metropolita Anthony, presidente do departamento de relações exteriores da Igreja Ortodoxa Russa, manteve um relacionamento estável com o Vaticano e até se encontrou com o Papa Francisco em maio para lhe dizer que, embora Kirill não estivesse indo para o Cazaquistão, haveria uma delegação ortodoxa em seu lugar.

 

Embora “qualquer líder possa ser acusado de não ter feito o suficiente”, o Papa Francisco provavelmente poderia ter sido mais franco em nível internacional, disse Mario Aguilar, professor de religião e política da St Andrews Divinity School.

 

Aguilar, autor de Pope Francis: Journeys of a Peacemaker e conselheiro político do Vaticano, disse ao RNS que o Vaticano “é uma instituição finita” e sua política externa não é estranha ao fracasso. "Vi o Papa Francisco dizer muitas vezes: 'Vamos rezar e vamos tentar de novo'. Mas ele não se incomoda com o fracasso", disse ele.

 

A luta de Francisco para ganhar força no caminho do diálogo também ficou evidente quando Xi, o presidente chinês, supostamente se recusou a encontrá-lo enquanto ambos estavam no Cazaquistão.

 

“Eu não o vi”, disse Francisco, respondendo vagamente a perguntas de jornalistas durante o voo que voltava do Cazaquistão na quinta-feira.

 

Em 2018, o Vaticano e a China assinaram um acordo controverso e secreto sobre a nomeação de bispos que deve ser renovado nas próximas semanas. Um dos principais críticos do acordo, o cardeal Joseph Zen, ativista de direitos humanos e ex-bispo de Hong Kong, foi preso pelas autoridades chinesas e levado a julgamento criminal na segunda-feira.

 

“Aqui no Vaticano, há uma comissão de diálogo que está indo bem”, disse Francisco durante a entrevista coletiva a bordo, mas acrescentou que “não sente vontade de qualificar a China como antidemocrática porque é um país muito complexo”.

 

Francisco permaneceu calado sobre a perseguição aos muçulmanos uigures e os protestos pró-democracia em Hong Kong para apoiar o acordo sino-vaticano, que promete romper a brecha histórica entre a Igreja Católica na China, reconhecida pelo Estado, e a “igreja clandestina”, reconhecida pela Santa Sé.

 

William McGurn, ex-redator de discursos do presidente dos EUA, George W. Bush, escreveu um artigo de opinião no The Wall Street Journal na segunda-feira declarando que "o Papa abandona o cardeal Zen". O cardeal Gerhard Müller, ex-chefe do departamento doutrinário do Vaticano, criticou o silêncio de Roma sobre a prisão de Zen durante uma cúpula de cardeais no Vaticano no final de agosto.

 

“Ninguém levantou a grave questão de nosso irmão Zen”, disse Müller a outros cardeais e ao Papa. “Espero que ele não seja abandonado.”

 

Segundo Gaetan, os críticos da diplomacia do Papa fazem parte de “uma campanha contra a abordagem diplomática do Papa Francisco nas relações com a Rússia e a China”.

 

Gaetan apontou para o fato de que um grupo de longa data que estuda as relações entre a Santa Sé e a China pode em breve se mudar de Hong Kong para Pequim e que o acordo sino-vaticano provavelmente será renovado em outubro.

 

“O Papa e seus diplomatas não mudarão por causa dessas críticas”, disse Gaetan. “Sua missão é clara e tem sido praticada há séculos”, acrescentou, apontando para o fato de que mesmo o fogoso São João Paulo II não interrompeu o diálogo com Pequim após os eventos na Praça da Paz Celestial.

 

Aguilar acredita que é um erro esperar um pronunciamento público do Papa Francisco sobre a diplomacia internacional.

 

“Será a xícara de chá muito antiga e lenta de D. Paul Gallagher que resolverá tudo sem uma entrevista coletiva”, disse ele, referindo-se ao chefe de relações do Vaticano com os Estados.

 

Em vez de “uma diplomacia branda”, acrescentou Aguilar, o Vaticano opera uma “diplomacia muito dura”, alavancando seus numerosos fiéis no mundo por meio de seus núncios e do Ministério das Relações Exteriores do Vaticano.

 

Na Nicarágua de maioria católica, o Papa Francisco não denunciou publicamente o governo opressor do presidente Daniel Ortega, que tem sido abertamente hostil à Igreja Católica ao prender membros do clero e proibir festas e procissões.

 

Mas Aguilar prevê “uma mudança de regime, porque em um país muito católico, quando você se opõe à Igreja Católica, você está se opondo ao seu povo. Se o seu povo não pode celebrar a missa, ir às procissões ou fazer orações e celebrar as festas, eventualmente eles não votarão em você”.

 

Em países onde os católicos são maioria, como a Nicarágua, os esforços do Vaticano são mais impactantes. Mas em lugares como a China ou a Rússia, onde os fiéis católicos representam apenas uma pequena fração da população, é muito mais difícil para o Vaticano promover seus interesses e criar a base para o diálogo.

 

“As pessoas esperam que o Vaticano, a diplomacia mais antiga, aja de forma muito precipitada”, disse Aguilar. Após o ataque a Pearl Harbor, o Papa Pio XII manteve relações diplomáticas com o Japão, enfurecendo as forças aliadas. Anos depois, a Igreja Católica tornou-se fundamental na recuperação de prisioneiros ingleses e americanos no país oriental.

 

“O básico da diplomacia no Vaticano é uma continuidade de pelo menos um século”, disse Aguilar. “Parece muito lento, mas apenas porque não é público.”

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Influência do Vaticano: a diplomacia do diálogo do Papa Francisco está falhando? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV