Novo livro do historiador destaca as falhas morais de Pio XII

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A importância do fator religioso nas atuais eleições presidenciais. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • E se um pesadelo acontecesse na Igreja? O papa em coma

    LER MAIS
  • Deus e o Diabo na eleição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Julho 2022

 

O papa Pio XII era um papa esbelto e ascético que jantava sozinho quase todas as noites no Palácio Apostólico, acompanhado por freiras, com um canário de estimação à mão; ele passou horas escrevendo declarações e discursos durante a longa escuridão da Segunda Guerra Mundial.

 

O comentário é de Jason Berry, jornalista, publicado por National Catholic Reporter, 02-07-2022.

 

As palavras de Pio tiveram repercussões que ele provavelmente nunca imaginou, uma linguagem tão roteirizada para não ofender Adolf Hitler e o ditador fascista da Itália Benito Mussolini na terrível preparação para a Segunda Guerra Mundial. O papa não fez grandes protestos quando os judeus poloneses foram massacrados em 1939 e os padres poloneses foram presos. Em 1941, quando Hitler invadiu a Rússia, o papa destacou "a grande coragem demonstrada na defesa das bases da civilização cristã e a esperança confiante em seu triunfo".

 

E, no entanto, Pio XII conhecia o ventre podre. Quando um capelão militar romano o informou sobre alemães dinamitando sinagogas na Ucrânia e horríveis massacres nazistas de judeus e católicos, o padre lembrou: "Eu o vi chorar como uma criança e orar como um santo".

 

Como um santo?

 

O Papa em Guerra: A História Secreta de Pio XII, Mussolini e Hitler cita muitos exemplos do que o Papa Pio XII sabia e o contraste impressionante em suas declarações – e silêncio. Ele não expressou nenhum protesto em Roma "enquanto mais de mil judeus da cidade foram presos em 16 de outubro de 1943 e passaram os próximos dois dias perto do Palácio Apostólico esperando para serem levados para a morte em Auschwitz", como David Kertzer escreve em seu novo livro.

 

Capa do livro "O Papa em Guerra: a história secreta de Pio XII, Mussolini e Hitler", de David Kertzer. (Foto: Divulgação)

 

Enquanto as bombas e tropas aliadas expulsavam as forças nazistas e fascistas de Roma, Pio XII se preocupava com a Rússia soviética impondo o comunismo ateu, varrendo os cacos da Europa cristã - seu maior medo nos anos em que censurou o jornal do Vaticano, L'Osservatore Romano, alinhando o papado com a marcha fascista ao poder. Após a guerra, ele começou a apreciar os verdadeiros vencedores.

 

Acostumado a ser aplaudir pelos italianos na Praça de São Pedro ou a plateias lotadas nos elegantes salões de recepção do Vaticano, Pio XII foi encorajado por soldados e oficiais americanos lotados na Sala Régia do lado de fora da Capela Sistina, parando frequentemente "para falar com os homens ao alcance e oferecer-lhes seu anel para ser beijado", escreve Kertzer. O papa confidenciou a um general americano sua inquietação com o silêncio deles, tão diferente do clamor animado dos italianos. Os americanos preferiam "uma atitude mais reverente", explicou o general. "Aplausos e gritos teriam parecido desrespeitosos". A ironia envolve essa cena tardia do livro. Como Pio XII, Eugenio Pacelli tornou-se uma figura reverenciada do pós-guerra, elogiada por Albert Einstein e Golda Meir. Pio XII hoje é um candidato cada vez mais controverso à santidade, pois os historiadores desenterraram documentos sobre sua recusa em denunciar a disseminação da tirania e do genocídio. O silêncio do papa foi uma obsessão levantada em telegramas de diplomatas, relatórios de inteligência, memórias e outros documentos citados por Kertzer, professor da Brown University, em referências recorrentes a arquivos secretos, divulgados pelo Vaticano em 2020.

 

 

The Pope at War é altamente legível, uma história orientada por personagens bem ritmada com personalidades texturizadas e uma riqueza de detalhes granulares equilibrados pelo tom uniforme de Kertzer, nunca estridente. À medida que as evidências aumentam, um choque após o outro, ele raramente editorializa – os fatos são incrivelmente poderosos. Mussolini forjou um culto à personalidade como Il Duce, "o líder" - uma figura robusta e viril cujos discursos poderosos cativaram as massas, promovendo o nacionalismo como a força do destino da Itália. Ele ganhou poder por meio de táticas criminosas: bandidos fascistas assassinaram dirigentes sindicais, políticos católicos e editores de jornais independentes, esmagando a democracia. Mussolini hipnotizou Hitler. O ditador nazista invejava o carisma militante de um homem à vontade com o poder.

 

Em agosto de 1939, quando Hitler se preparava para invadir a Polônia, Mussolini disse à sua amante, Clara Petacci, que era "um grave erro". Ele achava que Hitler estava delirando. O diário de Petacci se alegra depois que ela e Il Duce fazem "amor selvagem... eu choro de alegria". Então Mussolini recebe a ligação de que a guerra vai estourar. Ele pensa: "Os pobres, pobres poloneses" — ele sabe que eles não têm chance; França e Inglaterra não vão intervir. Il Duce não queria participar da guerra na Europa; duvidava que as tropas italianas fossem suficientemente disciplinadas. Enquanto isso, Hitler tinha um canal secundário com o papa. Pio XII manteve reuniões secretas do Vaticano com um príncipe alemão menor. Hitler havia violado uma concordata com o Vaticano que o papa, como Cardeal Pacelli, havia negociado com ele na década de 1930 como secretário de Estado do Vaticano a restauração do ensino da religião católica nas escolas.

 

Citando uma transcrição do encontro no Vaticano, Kertzer cita o papa, dizendo ao emissário secreto de Hitler: "Nós amamos a Alemanha. Estamos satisfeitos se a Alemanha é grande e poderosa. Não nos opomos a nenhuma forma particular de governo se os católicos puderem viver de acordo com acordo com sua religião”. O interlocutor levantou "um ponto sensível". Centenas de padres foram acusados de crimes sexuais, incluindo abuso de crianças. "Tais erros acontecem em todos os lugares", respondeu o papa. "Alguns permanecem em segredo, outros são explorados. Sempre que somos informados de tais casos, intervimos imediatamente. E severamente. Se houver boa vontade mútua, podemos esclarecer essas questões".

 

Um ano antes, relata Kertzer, o papa ordenou que oficiais da Igreja austríaca destruíssem arquivos de clérigos acusados de abuso sexual. O autor continua:

 

Até o momento, os historiadores descartaram amplamente as investigações policiais de abuso sexual clerical de menores durante o regime nacional-socialista como evidência do anti-catolicismo do regime. É de fato provável que a acusação do clero tenha sido motivada por tentativas de pressionar a igreja. No entanto, havia razões para que a igreja fosse tão vulnerável a essa chantagem. O fato de o Vaticano nunca ter disponibilizado seus próprios registros sobre casos de abuso sexual clerical aos estudiosos contribuiu para o fracasso dos historiadores em investigar como esses casos foram tratados. Foi apenas muitos anos depois que, sob pressão, a hierarquia da igreja alemã autorizou uma investigação de abuso sexual clerical.

 

O anti-semitismo foi incorporado ao fascismo italiano, refletido nos círculos mais altos do Vaticano. Este é um fio temático do livro. Nem todos os oficiais da igreja compartilhavam a mentalidade; algumas freiras e clérigos abrigavam judeus que fugiam para salvar suas vidas.

 

Filho de um rabino americano que prestou serviços na Roma libertada como capelão militar, Kertzer fez pesquisas substanciais em arquivos europeus por muitos anos. Seu livro anterior, O Papa e Mussolini: A História Secreta de Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa, ganhou o Prêmio Pulitzer de 2015 de biografia. Um trabalho anterior, The Popes Against the Jews: The Vatican's Role in the Rise of Modern Anti-Semitism, tem ecos poderosos no novo livro.

 

Capa do livro "O Papa e Mussolini: A História Secreta de Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa", de David Kertzer. (Foto: Divulgação)

 

"De muitas maneiras, o regime nazista foi um anátema para o papa e para praticamente todos os que o cercavam no Vaticano", escreve Kertzer. Hitler imaginou o nazismo como um credo pagão do estado. Para manter a influência do Vaticano na Itália, Pio XII fez concessões impróprias a Mussolini, fazendo com que padres e bispos expressassem apoio a Il Duce. Pio XII via Mussolini como uma cerca (hedge) com Hitler. “Uma das vantagens favoritas do Duce ao falar com Hitler e a liderança nazista foi ter assegurado todos os benefícios pedidos pelo papa mantendo-o feliz”, observa Kertzer.

 

Quando a guerra terminou, Hitler se casou com sua amante, Eva Braun, em um bunker fortificado, e logo se suicidaram. Mussolini e Petacci foram capturados perto do Lago Como, mortos a tiros por guerrilheiros, seus corpos pendurados de cabeça para baixo como um espetáculo para os italianos furiosos com a guerra.

 

A auréola pós-guerra de Pio XII como estadista pela paz serviu aos objetivos de Harry Truman, Winston Churchill e Charles de Gaulle na reconstrução de uma Europa democrática. Em 1948, a CIA trabalhou horas extras na Itália enquanto os Estados Unidos despejavam milhões nas eleições nacionais para derrotar o Partido Comunista e consolidar o poder dos democratas-cristãos. Grande parte do dinheiro para esse fim fluiu pelos cofres da instituição que se tornou o Banco do Vaticano.

 

"A Cidade do Vaticano nunca foi violada e, em meio às cinzas do regime fascista da Itália, a Igreja saiu da guerra com todos os privilégios conquistados sob o fascismo intactos", conclui Kertzer. "No entanto, como líder moral, Pio XII deve ser julgado um fracasso".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo livro do historiador destaca as falhas morais de Pio XII - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV