Ucrânia-Santa Sé: O Papa defende a vida, não toma posições políticas

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Agosto 2022


Um comunicado responde às polêmicas que surgiram nos últimos dias sobre as palavras de Francisco, cita as "várias" intervenções na guerra do Pontífice e lembra que ele sempre condenou a agressão russa como "moralmente injusta, inaceitável, bárbara, insensata, repugnante e sacrílega".

A reportagem é publicada por Vatican News, 30-08-2022. 

O Papa fala como um pastor que defende a vida humana, não como político. Esta é a leitura correta a ser feita de suas várias intervenções sobre a guerra na Ucrânia. É o que afirma um comunicado da Santa Sé divulgado, nesta terça-feira (30/08), após as palavras de Francisco na Audiência Geral da quarta-feira, 24 de agosto, e seu aceno ao atentado no qual perdeu a vida na Rússia a filha de Dugin. Palavras que despertaram reações polêmicas também no âmbito político e institucional na Ucrânia.

"No contexto da guerra na Ucrânia", lê-se na declaração da Santa Sé, "são várias as intervenções do Santo Padre Francisco e seus colaboradores a este respeito. Elas têm como finalidade convidar pastores e fiéis à oração, e todas as pessoas de boa vontade à solidariedade e aos esforços para reconstruir a paz".

Segundo o texto, "em mais de uma ocasião, assim como nos últimos dias, surgiram discussões públicas sobre o significado político a ser atribuído a essas intervenções. Nesse sentido, reitera-se que as palavras do Santo Padre sobre esta questão dramática devem ser lidas como uma voz levantada em defesa da vida humana e dos valores ligados a ela, e não como posição política", ressalta o comunicado divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé.

"Quanto à guerra em larga escala na Ucrânia, iniciada pela Federação Russa, as intervenções do Santo Padre Francisco são claras e unívocas em condená-la como moralmente injusta, inaceitável, bárbara, insensata, repugnante e sacriléga", conclui o comunicado da Santa Sé.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ucrânia-Santa Sé: O Papa defende a vida, não toma posições políticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV