Ratzinger-Küng, a polaridade que marcou o pós-Concílio

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • A guerra entre os cardeais católicos

    LER MAIS
  • O Papa substitui Ouellet e nomeia um bispo peruano para a Congregação dos Bispos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Abril 2021

 

Com a morte de Hans Küng, encerra-se uma parte do pós-Concílio católico, aquela que encontrou na polaridade especular Ratzinger-Küng a sua representação midiática a ser explorada em um sentido ou outro. Ambos filhos de uma mesma visão da Igreja e do catolicismo no contexto cultural mais amplo, separados apenas pela direção tomada para implementá-la na prática.

O comentário é do teólogo e padre italiano Marcello Neri, professor da Universidade de Flensburg, na Alemanha, em artigo publicado por Settimana News, 06-04-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o artigo.

 

Dois breves comunicados de imprensa da Universidade de Tübingen e da Stiftung Weltethos anunciaram a morte de Hans Küng, ocorrida nessa terça-feira, 6 de abril, aos 93 anos de idade.

Uma das figuras que caracterizaram o pós-Concílio da Igreja Católica em nível global, graças também ao conflito que se desencadeou com o Vaticano após a publicação do seu livro sobre o primado petrino, “Infalível?”.

Küng foi talvez o primeiro dos teólogos clássicos do século XX, com formação pré-conciliar, que usou os meios de comunicação não eclesiais como um instrumento de pressão sobre as questões vaticanas – criando um cenário de apoio público muito amplo para as suas posições na diatribe romana que caracterizou toda a fase central da sua vivência teológica.

Após a revogação da permissão de docência por parte da Santa Sé, Küng criou a fundação Weltethos, ancorando-a à Universidade de Tübingen, que apoiou com convicção esse empreendimento – que mais tarde se revelou premonitório sob muitos pontos de vista e capaz de uma visão de futuro para uma aliança das religiões para proteger a nossa humanidade comum.

A sua escolha de usar a comunicação de massa como meio de debate com o Vaticano abriu caminho para uma modificação profunda da atividade de controle e censura da Congregação para a Doutrina da Fé. Deslocando, não sem detrimento para a coisa teológica, o centro nervoso do argumento em questão para a sua comunicação, primeiro, e depois até mesmo para a sua possível recepção por parte do público mais amplo na sua forma midiatizada.

Com a sua morte, encerra-se uma parte do pós-Concílio católico, aquela que encontrou na polaridade especular Ratzinger-Küng a sua representação midiática a ser explorada em um sentido ou outro. Ambos filhos de uma mesma visão da Igreja e do catolicismo no contexto cultural mais amplo, separados apenas pela direção tomada para implementá-la na prática.

Embora marcada por limites, não sem profundas repercussões até o momento presente, aquela foi uma época alta do catolicismo e da teologia – hoje, sobre esses ombros, não conseguimos mais subir nem com a escada. Talvez também porque o tempo presente nos peça outra coisa, outras atenções e sensibilidades – serão precisamente estes os índices sobre os quais seremos medidos, nós que conhecemos aquela época a partir dos relatos de parte.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ratzinger-Küng, a polaridade que marcou o pós-Concílio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU