Hans Küng por ele mesmo

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Outubro 2013

"A vida continua, mas onde nos leva? Mais cedo ou mais tarde, ela termina, e eis que chega o momento de examinar a situação, eis o tempo certo para publicar o terceiro e último volume das minhas memórias". É assim que o professor Hans Küng, o mais renomado e influente teólogo católico crítico do mundo, exorta no prefácio do seu livro que é publicado agora na Alemanha, Erlebte Menschlichkeit. Erinnerungen (em tradução livre: Humanidade vivida. Memórias), Pieper Verlag, do qual antecipamos alguns trechos.

A reportagem é de Andrea Tarquini, publicada no jornal La Repubblica, 02-10-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um livro extraordinário, porque revela pela primeira vez a correspondência entre Küng e o Papa Francisco sobre a reforma da Igreja. Portanto, esse livro, ainda mais do que os volumes anteriores, Erkämpfte Wahrheit (Verdade conquistada) e Umstrittene Wahrheit (Verdade contestada), leva-nos ao coração dos dramas e das esperanças atuais da Igreja.

"Küng através de três papados" poderia ser outro título do livro. Depois do ostracismo sob Wojtyla, eis o teólogo rebelde de Tübingen esperar em uma retomada do diálogo com o Vaticano de Ratzinger. Esperança rapidamente desapontada.

Mas eis depois a surpresa. Ratzinger encontra a coragem de renunciar, e o conclave surpreendentemente elege Bergoglio. Que escolhe o nome da esperança, Francisco, e dá passos de reforma. Trocando cartas e sinais com o grande teólogo rebelde.

Epístolas extraordinárias, sem qualquer formalidade: o papa que veio de Buenos Aires assina "Francisco" e ponto final, e nunca perde a oportunidade de exaltar em cada linha o papel crítico desse teólogo que há décadas a Cúria havia banido.

De todos os modos, também um thriller de primeira classe, em suma, mas escrito por um intelectual da Igreja.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hans Küng por ele mesmo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV