Cardeal Pell denuncia que foi acusado de pedofilia por ter desvelado a corrupção no Vaticano

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Francisco falará na ONU sobre a pós-pandemia e a dívida externa dos países periféricos

    LER MAIS
  • Pressão de frigoríficos derruba norma de proteção e aumenta contágio da Covid no PR

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Abril 2020

“Nem mesmo meus opositores teológicos em Roma acreditavam nas histórias”, disse cardeal George Pell, em uma entrevista na televisão, transmitida na terça-feira, 14-04-2020, em que relaciona o processo por abusos com a sua luta contra a corrupção no Vaticano.

Depois de cumprir 13 meses de prisão, o ex-ministro de Finança do Vaticano foi absolvido de sua condenação.

A reportagem é de Lucía López Alonso, publicada por Religión Digital, 14-04-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Na entrevista desta terça, o cardeal George Pell afirmou ter sido acusado de pedofilia por promover reformas financeiras no Vaticano. “A maioria da hierarquia de Roma que simpatiza com as reformas financeiras acredita que estas estão vinculadas com o processo”, disse o prelado de 78 anos a Sky News.

Depois de cumprir 13 meses de prisão, o australiano acaba de ser absolvido de sua condenação, declarando publicamente ver relação entre as acusações recebidas e sua luta contra a corrupção no Vaticano.

Defendendo-se das denúncias, desde que em 2018 foi declarado culpado de abusos por duas crianças do coral da catedral de São Patrício, em Melbourne (quando era arcebispo da cidade na década de 1990), Pell nunca reconheceu os eventos. “Nem mesmo meus opositores teológicos em Roma acreditavam nas histórias de abusos”, disse ele, que já foi o número 3 na hierarquia do Vaticano.

Diante das acusações, antes da sentença, o ex-ministro do Vaticano renunciou ao cargo em 2017, ficando frustradas suas reformas econômicas. Recordando o vivido desde então, declarou que acatou o julgamento e as medidas tomadas desde Roma pelo Pontífice, apesar de que “minhas posições teológicas não estejam precisamente alinhadas com as do papa Francisco”.

O cardeal australiano, que saiu da prisão na semana passada depois de um tribunal anular suas condenações por abusos sexuais de menores, foi objeto de ameaças na internet, indicou a polícia, ao tempo em que se publicaram novas acusações contra ele.

Na última terça-feira, quando Pell publicou extratos do diário que escreveu na prisão, afirmando que havia sido condenado por “guerras culturais” contra os cristãos conservadores, um importante periódico informou que se abriu uma nova investigação contra o religioso católico de 78 anos.

Esta nova acusação de abuso sexual infantil, que estaria sendo investigada pela polícia, data dos anos 1970, segundo o jornal Herald Sun.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Pell denuncia que foi acusado de pedofilia por ter desvelado a corrupção no Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV