A era da imprecisão e incerteza. Artigo de Alfredo Serrano Mancilla

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Abril 2020

“O debate é bem-vindo e necessário, mas certamente seria proveitoso se assumíssemos a única variável que podemos contar como verdadeira: estamos em plena época de incertezas, onde forçar-se a ser hiperprecisos nos levaria a um caminho contraproducente”, escreve Alfredo Serrano Mancilla, economista espanhol e diretor executivo do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica - CELAG, em artigo publicado por CELAG, 14-04-2020. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Por mais de um século, o rigor científico está ligado à hiperprecisão. As Ciências Sociais foram fortemente influenciadas pelo paradigma dominante da Mecânica, assumindo que quase sempre pode existir uma relação precisa e, portanto, previsível, entre muitas variáveis que interagem entre si. A certeza no comportamento de todas as arestas possíveis entorno do objeto de estudo é uma premissa fundamental para realizar qualquer análise implacável.

De fato, quando a incerteza aparece, o arcabouço teórico hegemônico em Economia, o neoclássico, pressupõe certos cenários para resolver a equação. Uma fórmula muito habitual é o uso desmesurado do ceteris paribus, tudo o mais constante, assumindo que muitas variáveis não alteram seu comportamento diante de qualquer fenômeno que se produza. E isso não acontece apenas com a Economia. Também em outras Ciências Sociais, como a Teoria política e a Sociologia, são usados métodos semelhantes para eliminar a mínima distorção gerada pelo incerto. Um bom exemplo disso é a Teoria da escolha racional.

No entanto, estamos em um momento em que não temos certeza e, consequentemente, há poucas possibilidades de sermos precisos. São procuradas infinitas maneiras de calcular o verdadeiro número de infectados, mas são todas aproximações e estimativas baseadas em múltiplas hipóteses. Todos elas são atualizadas constantemente porque a margem de erro é muito ampla para ser considerada como válidas.

Nem sequer podemos ter certeza do número real de falecidos pela Covid-19 (cada país tem seu próprio protocolo para contabilizá-lo). Tampouco somos capazes de ter certeza sobre a duração dessa pandemia. Não se sabe com certeza o momento certo em que chegará a vacina. E ainda não sabemos se os métodos paliativos para tratar esse vírus são 100% eficazes.

No âmbito econômico, não sabemos exatamente o impacto da pandemia. Existem vários organismos internacionais especializados neste assunto que realizam seus cálculos sobre o efeito no PIB, pobreza, produção mundial, atividade comercial e emprego. E todos eles atualizam constantemente o valor, porque é impossível prever a extensão da pandemia com o passar dos dias. Por exemplo, há duas semanas, a OIT estimou que o coronavírus colocaria em risco até 25 milhões de empregos e, por outro lado, seu balanço diário já fala em 195 milhões de empregos perdidos em período integral.

Algo semelhante acontece e acontecerá ainda mais com todas as análises geopolíticas, políticas e sociológicas. O que ontem foi negativo, hoje poderá ser considerado positivo. Em termos geopolíticos, veja a mutante avaliação da China, que deixou de ser a “culpada” para hoje ser o “exemplo”. Isso está acontecendo em todas as questões fundamentais de nossas vidas.

Germinam infinitas dúvidas e incertezas acerca da evolução de nossas avaliações e sentidos comuns resultantes em torno de:

(1) o papel do Estado;

(2) o público e o coletivo frente o privado e o individual;

(3) as lideranças vencedoras;

(4) as novas fórmulas democráticas que poderão surgir;

(5) o autoritarismo presidencialista;

(6) os dilemas éticos baseados na relação intergeracional;

(7) a globalização resultante;

(8) a exaltação dos nacionalismos;

(9) as relações internacionais e a ordem geopolítica;

(10) a antipolítica e a revalorização de especialistas e cientistas;

(11) o limite da comunicação frente à ineficácia na administração;

(12) o papel dos organismos internacionais;

(13) a preferência por um maior protecionismo;

(14) a moral cidadã;

(15) a liberdade como um direito diante da necessidade de sermos controlados para diminuir os efeitos da pandemia.

Tudo é verdadeiramente incerto e impreciso. Tanto é assim que estamos em uma situação genuína na História: Sociedade e Estado, pelo instinto de vida, paralisam em parte as forças econômicas do capitalismo. Isso atrapalha a ordem econômica global, sem saber absolutamente nada, a ciência certa, qual será o resultado nos próximos meses. As especulações são contínuas por parte dos políticos, jornalistas, intelectuais e cientistas. A maioria tem seus próprios fundamentos teóricos e argumentos muito legítimos para interpretar esse complexo presente e realizar previsões sobre o futuro imediato.

O debate é bem-vindo e necessário, mas certamente seria proveitoso se assumíssemos a única variável que podemos contar como verdadeira: estamos em plena época de incertezas, onde forçar-se a ser hiperprecisos nos levaria a um caminho contraproducente.

É por isso que, talvez, se abra uma nova época, presente e futura, para introduzir uma estrutura referencial na qual a incerteza e a imprecisão estejam presentes em nossa tentativa de estudar o que acontece conosco e o que acontecerá como sociedade. Nesse sentido, é mais do que recomendado olhar o trabalho de Silvio Funtowicz e Jerome Ravetz, Science for the Post-normal Age, na revista Futures, no qual realmente explicam a necessidade de trabalhar com outro enfoque, da Ciência Pós-normal, para poder analisar e tomar decisões quando os fatores são incertos, há múltiplos valores em disputa e os riscos são altos.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A era da imprecisão e incerteza. Artigo de Alfredo Serrano Mancilla - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV