O antropólogo que estudou o Ebola: “O coronavírus não é uma emergência apenas sanitária. Diante da epidemia, não somos todos iguais”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Juíza determina plano emergencial contra o desmatamento na Amazônia

    LER MAIS
  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Março 2020

Há dois antagonistas na luta contra a Covid-19 que raramente são mencionados: o medo da doença e a solidão. Eles reaparecem em todas as epidemias.

"O medo levou à negação da própria existência do Ebola ou ao estigma social em relação aos infectados e suas famílias", relata ao site da Organização Mundial da Saúde um antropólogo africano.

E as medidas de contenção, como a quarentena, podem provocar novas fraturas na sociedade.

"A epidemia não é apenas uma emergência sanitária, mas social e política", explica Umberto Pellecchia, referência para a pesquisa qualitativa e antropológica dos Médicos Sem Fronteiras, que trabalhou na Itália, França e Bélgica e estudou a difusão do Ebola na Libéria em 2014. "É por isso que a quarentena deve ser gerida de baixo e não apenas de cima”.

A reportagem é de Antonella Scarfò, publicada por Business Insider Italia, 24-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

A quarentena não deve se tornar um instrumento de controle e poder.

“Hoje, estão sendo tomadas medidas para corrigir o comportamento dos indivíduos. Por trás dessas medidas institucionais há uma concepção do comportamento humano individualista”, comenta o antropólogo, que especifica que fala de forma pessoal e não pela ONG.

A visão de mundo baseada no indivíduo pertence em geral à nossa cultura contemporânea, explica, mas pode ser uma limitação, porque gera muito medo em uma situação de emergência.

O remédio? É fortalecer as comunidades, evitando impor medidas sem dar voz aos cidadãos:

“A quarentena não deve ser um instrumento de controle e poder. As comunidades devem estar envolvidas no processo de tomada de decisão", ressalta Pellecchia.

De fato, existem condições básicas para que essa medida de contenção possa ser eficaz, de acordo com o estudioso: os direitos civis devem ser garantidos, deve haver compensação financeira pela perda do emprego e um processo transparente de conscientização e compartilhamento de informações.

Diante da epidemia, não somos todos iguais

"Em nível biológico, o vírus afeta todos indiscriminadamente, mas as condições sociais fazem a diferença", enfatiza o antropólogo.

E dessas diferenças devem ser assumidas pelos governos democráticos.

O risco de qualquer crise, de fato, é o agravamento das desigualdades:

“O que me impressiona no momento é que as medidas adotadas, como a distância física ou bloqueio da mobilidade, mostram grandes contradições: a polícia deve multar na rua, mas o metrô está lotado de pessoas indo trabalhar".

"Vamos bloquear tudo, mas cuidado para não parar as estruturas sociais"

Uma leitura antropológica pode nos ajudar a nos sentir parte ativa da solução, não permanecer passivos. Cada epidemia tem sua própria história e comparações não podem ser feitas entre sociedades muito diferentes, mas da experiência na Libéria Pellecchia aprendeu que as comunidades têm a capacidade de se organizar de forma autônoma para se defender contra o vírus, de maneira solidária.

“Comunidades são realidades plásticas, que interpretam a crise, a reelaboram, porque simplesmente ninguém quer morrer. Mesmo durante o Coronavírus, podemos observar como nossas comunidades estão colocando em prática formas de autocontrole e contenção a partir de baixo, continuando a manter uma estrutura social. Basta pensar nos bairros que se organizam de forma autônoma para dar apoio aos idosos. Essas são práticas sociais e as pessoas estão cientes do perigo que correm".

Por que é tão importante permanecermos ativos como comunidade, mesmo quando todo o resto para?

"O ser humano precisa de uma estrutura social que deve necessariamente ser criada em um momento de crise".

Mas hoje existem as comunidades?

"Sim, e mais frequentemente estão nos bairros mais pobres das cidades".

A petição de jovens antropólogos que querem ajudar contra o coronavírus:

"Infelizmente, a disciplina antropológica não é reconhecida como saber prático - comenta o estudioso -. Como antropólogos, levamos em conta o ponto de vista das comunidades para ajudar os epidemiologistas a fazer as perguntas certas, mas no nível institucional sempre há a ideia de que a epidemia deve ser tratada apenas em um plano clínico, legislativo ou coercitivo. E é um indicador de como hoje é interpretada a própria medicina: como um saber técnico”.

Em vez disso, há uma dimensão humanística do saber que se revela inestimável no tempo de quarentena. E as novas gerações parecem estar cientes disso. Entre os voluntários que querem ajudar na emergência, de fato, há também jovens que estudam antropologia: "alguns estudantes de Roma lançaram uma petição no Change.org", revela o antropólogo. Destina-se às mídias para que se fale da comunidade e da importância do inter-relacionamento. Como o coronavírus é uma "doença antropológica", escrevem os estudantes. "E a distância - lembra Pellacchia - deve permanecer física e não social".

O perigo de uma narrativa de guerra

O papel da mídia é, portanto, também não ampliar uma narrativa alterada dos fenômenos.

"Estamos em guerra, declarou Macron, mas essa narrativa é muito perigosa. A guerra prevê um inimigo. Que se materializa no outro: os outros antes eram os chineses, depois foram os italianos. Os outros costumam ser os mais fracos”, alerta Pellacchia.

E das palavras aos fatos, é um pequeno passo:

"Essa narrativa pode ser concretizada em seguida, através das forças militares”, conclui o antropólogo.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O antropólogo que estudou o Ebola: “O coronavírus não é uma emergência apenas sanitária. Diante da epidemia, não somos todos iguais” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV